Aloe vera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aloé)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAloe vera
Planta de Aloe vera com flor em detalhe
Planta de Aloe vera com flor em detalhe
Classificação científica
Reino: Plantae
Filo: Tracheophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Asparagales
Família: Xanthorrhoeaceae
Subfamília: Asphodeloideae
Gênero: Aloe
Nome binomial
A. vera
(Carl Linnaeus) Nicolaas Laurens Burman
Sinónimos[1][2]
Aloe vera

Aloe vera é uma espécie de planta suculenta do gênero Aloe. Cresce selvagem em climas tropicais ao redor do mundo e é cultivada para usos agrícolas e medicinais. Também é usada para fins decorativos e cresce com sucesso dentro de casa como uma planta em vaso.[3]

É usada em muitos produtos de consumo, incluindo bebidas, loções para a pele, cosméticos ou pomadas para pequenas queimaduras e queimaduras solares. Existem diversas evidências científicas da eficácia ou segurança dos extratos de Aloe vera, quer para fins cosméticos ou medicinais, mas tais evidências positivas são às vezes contraditórias com outros estudos.[4][5][6]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Aloe vera é uma planta com caule curto ou longo, que cresce até 0,6-2 m de altura, multiplicando-se por brotamento. As folhas são grossas e carnosas, de cor verde a cinza-esverdeado, com algumas variedades mostrando manchas brancas nas superfícies superior e inferior das folhas.[7] A borda da folha é serrilhada e tem pequenos dentes ou espinhos. As flores são produzidas no verão em uma espiga de até 1 m de altura, cada flor sendo pendente, de cor amarela e formato tubuloso de 2-3 cm de comprimento.[7][8] Como outras espécies do gênero, Aloe vera forma micorriza arbuscular, uma simbiose com um fungo, que permite à planta um maior acesso a nutrientes minerais no solo.[9] Suas folhas contêm substâncias químicas sob estudo para avaliação de possíveis atividades, tais como acetilados mananos, poliarmanes, antraquinona C - glicosídeo, antrona s, outras antraquinonas, como emodin e várias lectinas.[4][10][11]

Botões das flores de Aloe vera

Taxonomia e etimologia[editar | editar código-fonte]

Forma de Aloe vera com pontos nas folhas que algumas vezes é tratada como Aloe vera var. chinensis

A espécie tem vários sinônimos, constituindo uma grande sinonímia: A. barbadensis Mill., A. indica Royle, A. perfoliata var. vera L. e A. vulgaris Lam.[12][13] Nomes comuns incluem aloe-chinês, aloe-indiano, aloe-real, aloe-de -Barbados, aloe-de-queimadura, etc.[8][14][15][16][17] O epíteto da espécie, vera, significa "verdadeiro" ou "genuíno".[14] Algumas literaturas identificam a forma com pontos brancos de A. vera como sendo Aloe vera var. chinensis;[18][19] no entanto, as espécies variam amplamente em relação aos pontos das folhas[20] e sugeriu-se que a forma manchada de A. vera pode ser coespecífica com A. massawana.[21] A planta foi descrita pela primeira vez por Carl Linnaeus em 1753 como Aloe perfoliata var. vera,[22] e foi descrita novamente, aí como espécie, em 1768 por Nicolaas Laurens Burman como Aloe vera no livro Flora Indica em 6 de abril e por Philip Miller como Aloe barbadensis (cerca de dez dias depois de Burman f.) no Dicionário dos jardineiros.[23]

As técnicas baseadas na comparação de DNA sugerem que Aloe vera está relacionada de modo relativamente próximo com Aloe perryi , espécie endêmica do Iêmen.[24] Técnicas similares, usando comparação de sequências de cloroplasto e microssatélites (genética) ou ISSR, também sugeriram que está intimamente relacionada com Aloe forbesii, Aloe inermis, Aloe scobinifolia, Aloe sinkatana, e Aloe striata.[25] Com exceção da espécie sul-africana A. striata, essas espécies de Aloe são nativas de Socotra (Iêmen), Somália e Sudão.[25] A falta de populações naturais óbvias da espécie levou alguns autores a sugerirem que Aloe vera pode ser de origem híbrida.[26]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A distribuição natural de A. vera não está clara, pois a espécie foi amplamente cultivada em todo o mundo. As vertentes naturalizadas das espécies ocorrem na metade sul da Península Arábica, através do Norte da África (Marrocos, Mauritânia, Egito), bem como do Sudão e países vizinhos, juntamente com as Ilhas Canárias, Cabo Verde e Madeira.[12] Essa distribuição é algo semelhante à de Euphorbia balsamifera, Pistacia atlantica, e algumas outras, sugerindo que uma floresta esclerófila seca uma vez cobriu grandes áreas, mas foi dramaticamente reduzida devido à desertificação no Sahara, deixando essas poucas áreas hoje isoladas. Para comparação, várias espécies relacionadas (ou às vezes idênticas) em outros grupos de plantas podem ser encontradas nos dois lados extremos do Sahara como: árvore-dragão (Dracaena) e Aeonium, que são dois dos exemplos mais representativos.

A espécie foi introduzida na China e em várias partes do sul da Europa no século XVII.[27] A espécie é amplamente naturalizada em outros lugares, ocorrendo em regiões temperadas e tropicais da Austrália, América do Sul, México, Caribe e estados do sudeste dos EUA.[28] A distribuição real da espécie foi sugerida como resultado do cultivo humano.[21][29]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Aloe vera pode crescer como uma planta ornamental.

Aloe vera é amplamente cultivada como ornamental, sendo popular entre os jardineiros modernos como uma planta medicinal e por suas flores, forma e suculência interessantes. Esta suculência permite que as espécies que a possuam sobrevivam bem em áreas com pouca chuva, tornando-se ideais para jardins com baixa utilização de água.[7] A espécie é de zona de rusticidade 8–11, e é intolerante à geada e neve pesadas.[8][30] Ela é relativamente resistente à maioria das pragas de insetos, embora ácaros, insetos e pulgões possam causar um declínio na saúde das plantas.[31][32] Esta planta ganhou da Royal Horticultural Society o "Prêmio de mérito do jardim".[33]

Em vaso, a espécie requer um solo bem drenado e arenoso e condições luminosas e ensolaradas. Suas plantas podem queimar sob muito sol ou murchar quando o vaso não drena a água. Recomenda-se o uso de uma mistura de propagação comercial de boa qualidade ou de "mistura de cactos e suculentas" embalados, pois permitem uma boa drenagem.[34] Terra cotta pots are preferable as they are porous.[34] Potted plants should be allowed to completely dry before rewatering. Quando colocada em vaso, pode ficar com muitos "brotos" que crescem dos lados da "planta-mãe". As plantas nesta condição devem ser divididas em vários vasos, para maior crescimento e ajudar a prevenir infestações de pragas. Durante o inverno, Aloe vera pode ficar "adormecida", durante o qual é necessária pouca umidade. Nas áreas que recebem geada ou neve, a espécie é melhor mantida em ambientes fechados ou em estufas aquecidas.[8]

Existe uma produção agrícola em larga escala de Aloe vera na Austrália,[35] Bangladesh, Cuba,[36] República Dominicana, China, México,[37] Índia,[38] Jamaica,[39] Kenya, Tanzânia e África do Sul,[40] bem como nos EUA[41] para abastecer a indústria de cosméticos.

Gel de Aloe vera sendo usado para fazer uma sobremesa

Usos[editar | editar código-fonte]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Existem controvérsias na comprovação científica da eficácia ou segurança dos extratos de Aloe vera, quer para fins cosméticos ou medicinais. Um estudo de pesquisa que encontra evidências positivas[42][43][44][45][46][47] é frequentemente contraditado por outros estudos.[4][5][6][48]

Pesquisas indicam provável ação positiva do extrato do gel de Aloe vera para o tratamento de diabetes [42][43][44][45][46][49][50] , como hepatoprotetor no tratamento de diabetes tipo II [51] assim como na redução de triglicerídeos no sangue[44][49].

Uma pesquisa científica (duplo cego controlada com placebo) publicada em 1996 em 60 pacientes indicou que o extrato gel de uso tópico de Aloe vera a 0,5% apresentou afeitos positivos no tratamento da psoríase e na redução do tempo de tratamento da primeira ocorrência de herpes genital em pacientes masculinos.[47][52]

As indústrias de cosméticos e medicina alternativa regularmente fazem afirmações sobre as propriedades calmantes, hidratantes e curativas de Aloe vera.[4][53]

Uma pesquisa critica a indicação do uso de Aloe para oferecer proteção em queimaduras solares para humanos que ainda não foi comprovado .[54]

Uma revisão de 2014 da "Cochrane Library" não encontrou evidência forte para o valor da aplicação tópica de Aloe vera para tratar ou prevenir flebite causada por terapia intravenosa.[55]

Suplemento dietético[editar | editar código-fonte]

A Aloína é um composto encontrado no exsudado de algumas espécies de Aloe e ingrediente comum em produtos laxantes, a qual teve seu uso proibido nos EUA em 2002 pela FDA (Food and Drug Administration), porque as empresas que o fabricavam não forneceram os dados de segurança necessários.[56][57] Aloe vera tem toxicidade potencial, com efeitos colaterais ocorrendo em alguns níveis de dose, ambos quando ingeridos ou aplicados topicamente.[58] Embora a toxicidade possa ser menor quando a aloina é removida pelo processamento, Aloe vera que contém aloína em quantidades excessivas pode induzir efeitos colaterais.[4][48][59]

Aloe vera em gel é usado comercialmente como ingrediente em iogurtes, bebidas e algumas sobremesas,[60][61][62] embora em certas doses, suas propriedades tóxicas podem ser graves, sejam ingeridas ou aplicadas topicamente.[58]

O suco de Aloe vera é comercializado para apoiar a saúde do sistema digestivo, mas não há provas científicas nem aprovação regulamentar para apoiar essa afirmação.[63] Os extratos e quantidades tipicamente utilizados para tais fins parecem ser dependentes da dose para efeitos tóxicos.[58]

No Brasil, a ANVISA proibiu o comércio de produtos de consumo à base de Aloe vera, porém existem empresas que conseguiram a liberação ao provarem que seus produtos não prejudicavam a saúde e tinham rigoroso processo de produção, estabilização e armazenamento, por meio dos estudos obtidos pelo Conselho Internacional da Aloe vera, ou IASC (The International Aloe Science Council). [64]

Um dos alimentos mais ricos em "gliconutrientes" é a babosa (Aloe vera).[65] Ela é composta de 12 vitaminas, 15 enzimas, 18 aminoácidos, inclusive os principais compostos do corpo humano, 20 minerais, 75 nutrientes e mais de 150 princípios ativos.

Medicina tradicional[editar | editar código-fonte]

Aloe vera é usada na medicina tradicional como tratamento de pele. Em medicina ayurvédica é chamada kathalai, assim como extratos de agave.[66]:196 para aloe:117 para agave Os primeiros registros do uso de Aloe vera aparecem no Papiro Ebers do século 16 aC,[17]:18 e no De Materia Medica de Dioscórides e na "História Natural de Plínio, o Velho" de Plínio, o Velho, ambos escritos em meados do primeiro século dC.[17]:20 Também está escrito no Código de Juliana Anicia nos Dioscórides de Viena de 512 dC.[60]:9 A planta é amplamente utilizada na medicina herbalista tradicional de muitos países.

Comercialização[editar | editar código-fonte]

Aloe vera é usada no tecido facial, sendo promovida como um hidratante e anti-irritante para reduzir a irritação do nariz. As empresas de cosméticos geralmente adicionam seiva ou outros derivados de Aloe vera a produtos como maquiagem, tecidos ou papeis, hidratantes, sabonetes, protetores solares, incenso, cremes para barbear ou shampoos.[60] Uma revisão da literatura acadêmica observa que sua inclusão em muitos produtos de higiene deve-se ao seu "efeito emoliente hidratante".[11]

Outros usos potenciais para extratos de Aloe vera incluem a diluição de sêmen para a fertilização artificial de ovelhas,[67] como conservante de alimentos frescos,[68] ou para conservação de água em pequenas fazendas.[69] Também foi sugerido que biocombustíveis podem ser obtidos a partir de sementes de Aloe vera.[70]

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Nos EUA, de acordo com as diretrizes da Proposição 65 da Califórnia (1986), o extrato foliar de Aloe vera ingerido oralmente foi listado pelo Escritório da Califórnia de Avaliação da Perda de Saúde Ambiental (OEHHA), juntamente com Hydrastis canadensis, entre produtos químicos reconhecidos pelo estado por causar câncer ou toxicidade reprodutiva.[71]

A medicação de uso tópico de Aloe vera não está associada a efeitos colaterais significativos.[56] A ingestão oral de Aloe vera, no entanto, pode causar cólicas abdominais e diarreia, que por sua vez podem diminuir a absorção de remédios.[56] A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) descobriu que ingesta de líquido não decolorado de Aloe vera «Aloe Vera | NCCIH». NCCIH. Consultado em 1 Março de 2016 </ref> é cancerígeno em animais e afirma que é um possível cancerígeno em humanos também.[72] No Brasil a ANVISA alerta para riscos do consumo de alimentos e sucos com Aloe vera, que não é seguro [73], contudo o uso de gel tópico para cicatrização está aprovado pela ANVISA, mas até esta data não há registro de Aloe vera para consumo oral.[74]

Referências

  1. «Aloe vera (L.) Burm. f.»  Tropicos.org
  2. «Aloe vera (L.) Burm.f. is an accepted name»  theplantlist.org
  3. Perkins, Cyndi. «Is Aloe a Tropical Plant?». SFgate.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  4. a b c d e Boudreau MD, Beland FA (2006). «An Evaluation of the Biological and Toxicological Properties of Aloe Barbadensis (Miller), Aloe Vera». J Environ Sci Health C Environ Carcinog Ecotoxicol Rev. 24 (1): 103–54. PMID 16690538. doi:10.1080/10590500600614303. extract in various solvents has variable but significant antibacterial activity against the five clinical isolates used in this study. 
  5. a b Ernst E (2000). «Adverse effects of herbal drugs in dermatology». Br. J. Dermatol. 143 (5): 923–9. PMID 11069498. doi:10.1046/j.1365-2133.2000.03822.x. Oral and topical aloe vera is promoted for a variety of conditions but the evidence to support its use is not compelling. 
  6. a b Marshall JM (1990). «Aloe vera gel: what is the evidence?». Pharm J. 244: 360–362 
  7. a b c Yates A. (2002) Yates Garden Guide. Harper Collins Australia
  8. a b c d Random House Australia Botanica's Pocket Gardening Encyclopedia for Australian Gardeners Random House Publishers, Australia
  9. Gong M, Wang F, Chen Y (2002). «[Study on application of arbuscular-mycorrhizas in growing seedings of Aloe vera]». Zhong Yao Cai (em chinês). 25 (1): 1–3. PMID 12583231 
  10. King GK, Yates KM, Greenlee PG, Pierce KR, Ford CR, McAnalley BH, Tizard IR (1995). «The effect of Acemannan Immunostimulant in combination with surgery and radiation therapy on spontaneous canine and feline fibrosarcomas». J Am Anim Hosp Assoc. 31 (5): 439–47. PMID 8542364. doi:10.5326/15473317-31-5-439 
  11. a b Eshun K, He Q (2004). «Aloe vera: a valuable ingredient for the food, pharmaceutical and cosmetic industries--a review». Critical Reviews in Food Science and Nutrition. 44 (2): 91–6. PMID 15116756. doi:10.1080/10408690490424694 
  12. a b «Aloe vera, African flowering plants database». Conservatoire et Jardin botaniques de la Ville de Genève. Consultado em 20 de junho de 2008 [ligação inativa]
  13. «Taxon: Aloe vera (L.) Burm. f.». Germplasm Resources Information Network, United States Department of Agriculture. Consultado em 16 de julho de 2008. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  14. a b Ombrello, T. «Aloe vera». Consultado em 21 de junho de 2008. Arquivado do original em 5 de julho de 2008 
  15. Liao Z, Chen M, Tan F, Sun X, Tang K (2004). «Microprogagation of endangered Chinese aloe». Plant Cell, Tissue and Organ Culture. 76 (1): 83–86. doi:10.1023/a:1025868515705 
  16. Jamir TT, Sharma HK, Dolui AK (1999). «Folklore medicinal plants of Nagaland, India». Fitoterapia. 70 (1): 395–401. doi:10.1016/S0367-326X(99)00063-5 
  17. a b c Barcroft, A. and Myskja, A. (2003) Aloe Vera: Nature's Silent Healer. BAAM, USA. ISBN 0-9545071-0-X
  18. Wang H, Li F, Wang T, Li J, Li J, Yang X, Li J (2004). «[Determination of aloin content in callus of Aloe vera var. chinensis]». Zhong Yao Cai (em chinês). 27 (9): 627–8. PMID 15704580 
  19. Gao W, Xiao P (1997). «[Peroxidase and soluble protein in the leaves of Aloe vera L. var. chinensis (Haw.)Berger]». Zhongguo Zhong Yao Za Zhi (em chinês). 22 (11): 653–4, 702. PMID 11243179 
  20. Akinyele BO, Odiyi AC (2007). «Comparative study of the vegetative morphology and the existing taxonomic status of Aloe vera L.». Journal of Plant Sciences. 2 (5): 558–563. doi:10.3923/jps.2007.558.563 
  21. a b Lyons G. «The Definitive Aloe vera, vera?». Huntington Botanic Gardens. Consultado em 11 de julho de 2008. Arquivado do original em 25 de julho de 2008 
  22. Linnaeus, C. (1753). Species plantarum, exhibentes plantas rite cognitas, ad genera relatas, cum differentiis specificis, nominibus trivialibus, synonymis selectis, locis natalibus, secundum systema sexuale digestas. Vol. 2 pp. [i], 561–1200, [1–30, index], [i, err.]. Holmiae [Stockholm]: Impensis Laurentii Salvii.
  23. Newton LE (1979). «In defense of the name Aloe vera». The Cactus and Succulent Journal of Great Britain. 41: 29–30 
  24. Darokar MP, Rai R, Gupta AK, Shasany AK, Rajkumar S, Sunderasan V, Khanuja SP (2003). «Molecular assessment of germplasm diversity in Aloe spp. using RAPD and AFLP analysis». J Med. Arom. Plant Sci. 25 (2): 354–361 
  25. a b Treutlein J, Smith GF, van Wyk BE, Wink W (2003). «Phylogenetic relationships in Asphodelaceae (Alooideae) inferred from chloroplast DNA sequences (rbcl, matK) and from genomic finger-printing (ISSR)». Taxon. 52 (2): 193. JSTOR 3647389. doi:10.2307/3647389 
  26. Jones WD, Sacamano C. (2000) Landscape Plants for Dry Regions: More Than 600 Species from Around the World. California Bill's Automotive Publishers. USA.
  27. Farooqi, A. A. and Sreeramu, B. S. (2001) Cultivation of Medicinal and Aromatic Crops. Orient Longman, India. ISBN 8173712514. p. 25.
  28. «Aloe vera». Royal Botanic Gardens, Kew. 2016. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  29. «"Aloe vera (Linnaeus) Burman f., Fl. Indica. 83. 1768."»  in Flora of North America Vol. 26, p. 411
  30. «BBC Gardening, Aloe vera». British Broadcasting Corporation. Consultado em 11 de julho de 2008 
  31. «Pest Alert: Aloe vera aphid Aloephagus myersi Essi.». Florida Department of Agriculture and Consumer Services. Consultado em 11 de julho de 2008. Arquivado do original em 12 de junho de 2008 
  32. «Kemper Center for Home Gardening: Aloe vera». Missouri Botanic Gardens, USA. Consultado em 11 de julho de 2008 
  33. «RHS Plant Selector Aloe vera AGM / RHS Gardening». Apps.rhs.org.uk. Consultado em 9 de novembro de 2012 
  34. a b Coleby-Williams, J. «Fact Sheet: Aloes». Gardening Australia, Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 8 de julho de 2008. Cópia arquivada em 6 de julho de 2008 
  35. «Aloe vera producer signs $3m China deal». Australian Broadcasting Corporation. 6 de dezembro de 2005 
  36. «More Medicinal Plants Grow in Ciego de Ávila». invasor.cu. Consultado em 25 de junho de 2008  [ligação inativa]
  37. «Korea interested in Dominican 'aloe vera'». DominicanToday.com—The Dominican Republic News Source in English. 7 de julho de 2006. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2008 
  38. Varma, Vaibhav (11 de dezembro de 2005). «India experiments with farming medicinal plants». channelnewsasia.com 
  39. «Harnessing the potential of our aloe». Jamaica Gleaner, jamaica-gleaner.com. Consultado em 19 de julho de 2008. Arquivado do original em 24 de março de 2008 
  40. Mburu, Solomon (2 de agosto de 2007). «Kenya: Imported Gel Hurts Aloe Vera Market». allafrica.com 
  41. «US Farms, Inc. – A Different Kind of Natural Resource Company». resourceinvestor.com. Consultado em 19 de julho de 2008. Arquivado do original em 17 de setembro de 2008 
  42. a b Okyar, Alper; Can, Ayşe; Akev, Nuriye; Baktir, Gül; Sütlüpinar, Nurhayat (1 de março de 2001). «Effect of Aloe vera leaves on blood glucose level in type I and type II diabetic rat models». Phytotherapy Research (em inglês). 15 (2): 157–161. ISSN 1099-1573. doi:10.1002/ptr.719 
  43. a b Tanaka, Miyuki; Misawa, Eriko; Ito, Yousuke; Habara, Noriko; Nomaguchi, Kouji; Yamada, Muneo; Toida, Tomohiro; Hayasawa, Hirotoshi; Takase, Mitunori (2006). «Identification of Five Phytosterols from Aloe Vera Gel as Anti-diabetic Compounds». Biological and Pharmaceutical Bulletin. 29 (7): 1418–1422. doi:10.1248/bpb.29.1418 
  44. a b c Yongchaiyudha, S.; Rungpitarangsi, V.; Bunyapraphatsara, N.; Chokechaijaroenporn, O. «Antidiabetic activity of Aloe vera L. juice. I. Clinical trial in new cases of diabetes mellitus». Phytomedicine. 3 (3): 241–243. doi:10.1016/s0944-7113(96)80060-2 
  45. a b Rajasekaran, S.; Sivagnanam, K.; Ravi, K.; Subramanian, S. (1 de abril de 2004). «Hypoglycemic Effect of Aloe vera Gel on Streptozotocin-Induced Diabetes in Experimental Rats». Journal of Medicinal Food. 7 (1): 61–66. ISSN 1096-620X. doi:10.1089/109662004322984725 
  46. a b Bunyapraphatsara, N.; Yongchaiyudha, S.; Rungpitarangsi, V.; Chokechaijaroenporn, O. «Antidiabetic activity of Aloe vera L. juice II. Clinical trial in diabetes mellitus patients in combination with glibenclamide». Phytomedicine. 3 (3): 245–248. doi:10.1016/s0944-7113(96)80061-4 
  47. a b Syed, Tanweer A.; Ahmad, S. Ashfaq; Holt, Albert H.; Ahmad, Seyed Ali; Ahmad, Seyed Hamzeh; Afzal, Mohammad (1 de agosto de 1996). «Management of psoriasis with Aloe vera extract in a hydrophilic cream: a placebo-controlled, double-blind study*». Tropical Medicine & International Health (em inglês). 1 (4): 505–509. ISSN 1365-3156. doi:10.1046/j.1365-3156.1996.d01-91.x 
  48. a b Vogler BK, Ernst E (1999). «Aloe vera: a systematic review of its clinical effectiveness» (PDF). Br J Gen Pract. 49 (447): 823–8. PMC 1313538Acessível livremente. PMID 10885091 
  49. a b Rajasekaran, Subbiah; Ravi, Kasiappan; Sivagnanam, Karuran; Subramanian, Sorimuthu (1 de março de 2006). «Beneficial Effects of Aloe Vera Leaf Gel Extract on Lipid Profile Status in Rats with Streptozotocin Diabetes». Clinical and Experimental Pharmacology and Physiology (em inglês). 33 (3): 232–237. ISSN 1440-1681. doi:10.1111/j.1440-1681.2006.04351.x 
  50. Ayesha Noor, S. Gunasekaran, A. Soosai Manickam and M. A. Vijayalakshmi (25 Abril 2008). «Antidiabetic activity of Aloe vera and histology of organs in streptozotocin-induced diabetic rats». Current Science Association. Current Science. Vol. 94, No. 8 (), pp. 1070-1076 
  51. Can, Ayse; Akev, Nuriye; Ozsoy, Nurten; Bolkent, Sehnaz; Arda, Bahriye Pelin; Yanardag, Refiye; Okyar, Alper (2004). «Effect of Aloe vera Leaf Gel and Pulp Extracts on the Liver in Type-II Diabetic Rat Models». Biological and Pharmaceutical Bulletin. 27 (5): 694–698. doi:10.1248/bpb.27.694 
  52. Syed, Ta; Afzal, M.; Ahmad, S. Ashfaq; Holt, Ah; Ahmad, S. Ali; Ahmad, Sh (1 de janeiro de 1997). «Management of genital herpes in men with 0.5% Aloe vera extract in a hydrophilic cream: a placebo-controlled double-blind study». Journal of Dermatological Treatment. 8 (2): 99–102. ISSN 0954-6634. doi:10.3109/09546639709160279 
  53. Kunkel. G. (1984) Plants for Human Consumption. Koeltz Scientific Books. ISBN 3-87429-216-9
  54. Feily A, Namazi MR (2009). «Aloe vera in dermatology: a brief review». G Ital Dermatol Venereol. 144: 84–91 
  55. Zheng GH, Yang L, Chen HY, Chu JF, Mei L (2014). «Aloe vera for prevention and treatment of infusion phlebitis». John Wiley & Sons. Cochrane Database Syst Rev. 6 (6): CD009162. PMID 24895299. doi:10.1002/14651858.CD009162.pub2. (pede subscrição (ajuda)) 
  56. a b c «Aloe Vera : Science and Safety | NCCIH». Nccih.nih.gov. Consultado em 31 de janeiro de 2014 
  57. Food Drug Administration, HHS (2002). «Status of certain additional over-the-counter drug category II and III active ingredients. Final rule». Fed Regist. 67 (90): 31125–7. PMID 12001972 
  58. a b c Cosmetic Ingredient Review Expert Panel (2007). «Final Report on the Safety Assessment of Aloe Andongensis Extract, Aloe Andongensis Leaf Juice, Aloe Arborescens Leaf Extract, Aloe Arborescens Leaf Juice, Aloe Arborescens Leaf Protoplasts, Aloe Barbadensis Flower Extract, Aloe Barbadensis Leaf, Aloe Barbadensis Leaf Extract, Aloe Barbadensis Leaf Juice, Aloe Barbadensis Leaf Polysaccharides, Aloe Barbadensis Leaf Water, Aloe Ferox Leaf Extract, Aloe Ferox Leaf Juice, and Aloe Ferox Leaf Juice Extract» (PDF). Int. J. Toxicol. 26 (Suppl 2): 1–50. PMID 17613130. doi:10.1080/10915810701351186 
  59. Bottenberg MM, Wall GC, Harvey RL, Habib S (2007). «Oral aloe vera-induced hepatitis». Ann Pharmacother. 41 (10): 1740–3. PMID 17726067. doi:10.1345/aph.1K132 
  60. a b c Reynolds, Tom (Ed.) (2004) Aloes: The genus Aloe (Medicinal and Aromatic Plants - Industrial Profiles. CRC Press. ISBN 978-0415306720
  61. Armstrong, Liza. «Clean and green». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 20 de junho de 2008. Cópia arquivada em 24 de maio de 2008 
  62. «Yagua unveils cosmeceutical beverage». Decision News Media. Consultado em 20 de junho de 2008 [ligação inativa]
  63. «Aloe (Aloe vera. MayoClinic.com. 1 de setembro de 2012. Consultado em 9 de novembro de 2012 
  64. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2011/11/anvisa-proibe-bebidas-e-alimentos-base-de-aloe-vera.html
  65. Benefícios dos gliconutrientes
  66. Quattrocchi, Umberto (2012) CRC World Dictionary of Medicinal and Poisonous Plants: Common Names, Scientific Names, Eponyms, Synonyms, and Etymology (5 Volume Set) CRC Press. ISBN 978-1420080445
  67. Rodriguez F, Baldassarre H, Simonetti J, Aste F, Ruttle JL (1988). «Cervical versus intrauterine insemination of ewes using fresh or frozen semen diluted with aloe vera gel». Theriogenology. 30 (5): 843–54. PMID 16726526. doi:10.1016/S0093-691X(88)80046-3 
  68. Serrano M, Valverde JM, Guillén F, Castillo S, Martínez-Romero D, Valero D (2006). «Use of Aloe vera gel coating preserves the functional properties of table grapes». J. Agric. Food Chem. 54 (11): 3882–6. PMID 16719510. doi:10.1021/jf060168p 
  69. «Water conservation». Chennai, India: The Hindu. 10 de julho de 2008. Consultado em 14 de julho de 2008. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2008 
  70. Shukla, S. «Aloe Vera has biodiesel potential, reveals MSU study». The Indian Express. Consultado em 21 de junho de 2008. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2009 
  71. «Proposition 65. Chemicals Listed Effective December 4, 2015 as Known to the State of California to Cause Cancer: Aloe Vera, Non-Decolorized Whole Leaf Extract and Goldenseal Root Powder»  U.S. Office of Environmental Health Hazard Assessment (4 December 2015)
  72. «Preamble» (PDF)  in IARC Monographs on the Evaluation of Carcinogenic Risks to Humans. International Agency for Research on Cancer, Lyon, France (2006)
  73. «Consumo de alimentos à base de aloe vera não é seguro». ASCOM. 17 de novembro de 2011 
  74. «ANVISA Informe Técnico nº. 47». ANVISA. 16 de novembro de 2011