Alqueva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portugal Alqueva  
—  freguesia portuguesa extinta  —
Concelho primitivo Portel
Extinção 28 de janeiro de 2013
Área
 - Total 79,20 km²
Orago São Lourenço
http://www.festasdealqueva.pt.vu/

Alqueva é uma antiga freguesia portuguesa do concelho de Portel, com 79,20 km² de área e 329 habitantes (2011) correspondente a uma densidade populacional de 4,2 habitantes por km².
Pela última Reorganização administrativa do território das freguesias, de acordo com a Lei nº 11-A/2013 de 28 de Janeiro, esta freguesia juntamente com a freguesia de Amieira passou a constituir a União de freguesias de Amieira e Alqueva com sede na Amieira.

O nome da Barragem do Alqueva tem origem na aldeia de Alqueva. Em Alqueva está também localizada a maior criação de avestruzes de Portugal.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Alqueva [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
587 602 731 883 979 1 009 1 134 1 217 1 449 1 433 942 693 520 449 329

Resumo Histórico[editar | editar código-fonte]

A Freguesia de Alqueva pertence ao concelho de Portel, no distrito de Évora, dista da sede concelhia aproximadamente 19 quilómetros e tem por orago S. Lourenço.

O topónimo "Alqueva" deriva de "alqueive" que significa "terra de pousio" ou "deserta" — o que de facto está em conformidade com as características geológicas da freguesia, de solo muito seco e áspero, devido à escassez de água, sendo este problema um dos maiores obstáculos ao seu desenvolvimento.[carece de fontes?]

Nada de definitivo se pode afirmar acerca do povoamento desta freguesia, pelo menos antes do século XII, pois não possui muitas marcas históricas. Só a relativa proximidade de Marmelar, com os vestígios de um templo religioso muito anterior à nacionalidade — mais exactamente cerca da época visigótica — levam a crer o possível povoamento de Alqueva nesse período, assim como o seu topónimo "Alqueva", porque já não parece novo nos meados do século XIII.

Todavia, é certo que a freguesia terá passado por uma fase de desertificação, aquando a chegada dos muçulmanos, para recuperar depois da fundação da Nacionalidade.

Em 1262, é escrito o primeiro documento referente à freguesia, que salientava a paróquia de S. Lourenço; em 1285, surge um segundo documentos escrito, desta vez referente à cessão do território de Portel ao prócer D. João de Portel.

Em termos eclesiásticos, Alqueva foi um curato da apresentação do arcebispo de Évora; o pároco local tinha um rendimento de três moios e meio de pão terçado de cevada e trigo. Juridicamente, governava-se por um juiz de vintena, posto pelo senado da Câmara da vila de Portel.

A Freguesia está recheada de monumentos e vestígios arqueológicos que fazem actualmente parte do seu património cultural, e dos quais se destacam:

  • A igreja matriz;
  • A capela de Santo António;
  • O marco da Pena Ventosa;
  • Os vestígios de sepulturas megalíticas;
  • As pocilgas das Barraqueiras; e
  • O marco geodésico.
  • OUTROS PONTOS DE INTERESSE:
  • Museu do Medronho
  • Monumento de Homenagem á população local
  • Barragem de Alqueva

O Outeiro dos Castelos, o local da construção da barragem e a zona de lazer natural, constituem os locais de maior interesse turístico na freguesia.

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.