Alstroemeriaceae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAlstroemeriaceae
Alstromeria aurea
Alstromeria aurea
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Liliales
Família: Alstroemeriaceae
Dumort.
Géneros
Ver texto

Alstroemeriaceae é uma família de Angiospermas neotropical distribuída desde a região central do México até o Sul da América do Sul com cerca de 160 espécies. A família é dividida em três gêneros: Alstroemeria L., Bomarea Mirb. e Leontochir Phil. No Brasil estão representados os gêneros Alstroemeria L. e Bomarea Mirb. O gênero Alstroemeria é caracterizado  principalmente por plantas herbáceas, eretas de folhas ressupinadas, inflorescências em cimeira umbeliforme e de flores zigomorfas, com padrões de manchas nas tépalas. Ocorrem em quase todos os tipos de habitats: florestas, cerrados, campos de altitude, brejos, afloramentos rochosos e caatingas, tendo cerca de 39 espécies de distribuição peri-amazônica concentrada basicamente na porção leste do país.

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Alstroemeriaceae

Morfologia[editar | editar código-fonte]

A família Astroemeriaceae são ervas perenes, eretas, suberetas ou escandentes, com rizoma horizontal; raízes fasciculadas simples, normalmente com tuberosidades fusiformes ou ovóides. Os ramos podendo ser aéreos volúveis, eretos ou suberetos, folhosos, ramos vegetativos e reprodutivos frequentemente diferentes entre si. As folhas podem ser alternas, Glabro, às vezes papilosas na face abaxial, lâminas linear-lanceoladas, elípticas ou espatuladas, geralmente com ovário trilocular e ínfero, apresentando Ressupinação.

Nas Astroemeriaceae a inflorescência pode ser: terminal, ou por inflorescências parciais (drepânios)[1]. Apresentando flores bissexuadas, 3-meras, com até 7cm, epíginas, possuindo simetria Zigomorfa ou Actinomorfa. As tépalas são livres, eretas ou reflexas, com diferentes padrões de máculas; 6 estames, filetes cilíndricos, anteras alongadas com deiscência longitudinal; ovário 3-locular, óvulos numerosos, estilete simples, filiforme, ou trífido, com deiscência valvar; sarcotesta castanha, vermelha a alaranjada, ou ausente.[2]

Relações Filogenéticas[editar | editar código-fonte]


Cladograma mostrando as relações hipotéticas dentro de Liliales

As plantas Alstroemeriaceae está dentro de uma monofilia de Liliales, sendo sustentada por análises cladísticas baseadas em morfologia e sequências de DNA, contendo 11 famílias e cerca de 1.300 espécies[3]. As Sinapomorfias que sustentam esse grupo incluem nectários principalmente na base das tépalas ou filetes, nectários septais quase sempre ausentes, anteras extrorsas e a presença de manchas na superfície das tépalas. A testa das sementes carece de Fitomelanina e a região mais interna apresenta estrutura celular, ambas Plesiomorfias. Esse grupo inclui algumas espécies como, as Alstroemeriaceae, descritas como as Monocotiledónea petalóides.[4]



Diversidade Taxonômica e Lista de Espécies[editar | editar código-fonte]

Alstroemeriaceae é uma família constituída por três gêneros: Alstroemeria L., Bomarea Mirb. e Leontochir Phil (sendo esta reconhecida dentro de Amaryllidaceae). [5]

  1. Alstroemeria L. : compreende espécies restritas à América Latina, onde ocorrem em matas, cerrados, campos, afloramentos rochosos e áreas brejosas. No Brasil, ocorrem cerca de 38 espécies, sendo que no Estado de São Paulo foram encontradas, até o momento, 9 espécies.[6] - Alstroemeria apertiflora - Alstroemeria caryophyllaee - Alstroemeria cunha - Alstroemeria foliosa - Alstroemeria fuscovinosa - Alstroemeria inodora - Alstroemeria isabelleana - Alstroemeria plantaginea

- Alstroemeria speciosa


2. Bomarea Mirb: inclui aproximadamente 100 espécies distribuídas pelos neotrópicos, mas no Brasil ocorre somente Bomarea edulis, que pode ser encontrada

amplamente distribuída pelas matas. [7]

- Bomarea edullis


3. Amaryllidaceae: Família com aproximadamente 72 gêneros e 1.450 espécies nativas do norte da África, América do Norte, Ásia e Europa, incluindo plantas como o alho,

a cebola, o alho-poró, a cebolinha, etc. Diversas espécies são utilizadas na medicina[8], pela utilização de seus compostos químicos (Alcaloides) e algumas são utilizadas

como ornamentação[9]

Domínios e Estados de Ocorrência no Brasil[editar | editar código-fonte]

Alstroemeriaceae está distribuída desde a região central do México até o sul da América do Sul, sendo encontrada no Brasil, desde a Amazônia até o Rio Grande  do Sul, nas matas semidecíduas, Caatinga, Cerrado, campos brejosos e afloramentos rochosos. A maioria das espécies floresce nos meses de novembro a março e frutifica de fevereiro a abril. Mesmo com a ampla distribuição e alto potencial ornamental, as espécies brasileiras são  pouco conhecidas e, até agora pouco exploradas, apesar do grande interesse por parte dos floricultores[10]

Referências[editar | editar código-fonte]


  1. Esau, Katherine; De Morretes, Berta Lange (1974). «Anatomia das Plantas com Sementes». Revista de Botânica. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  2. de Assis, M. C. (2007). «Alstroemeriacea». Embrapa Meio Ambiente - Capítulo em livro científico (ALICE). Consultado em 12 de novembro de 2018 
  3. Byng et. al, J. W (2016). «An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants» (PDF). Botanical Journal of the Linnean Society, 181(1), 1-20. Consultado em 12 de novembro de 2018 
  4. JUDD, Walter S., CAMPBELL, Christopher S., KELLOGG, Elizabeth A., STEVENS, Peter F., DONOGHUE, Michael J. (2009). Sistemática Vegetal: Um Enfoque Filogenético. Porto Alegre: Artmed. pp. 226–256 
  5. AAGESEN, Lone (2003). «The Phylogeny of the Alstroemeriaceae, Based on Morphology, rps16 Intron, and: rbcL Sequence Data.». Systematic Botany. Consultado em 6 de novembro de 2018 
  6. Assis, Marta C. (2002). «New species of Alstroemeria L. (Alstroemeriaceae) from Minas Gerais, Brazil». Brazilian Journal of Botany, v. 25, n. 2, p. 177-182. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  7. Assis, M. C. (2005). «Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo» (PDF). Instituto de Botânica, São Paulo, vol. 4, pp: 238-244. Consultado em 11 de novembro de 2018 
  8. Bresinsky, S. D. P (2017). «Filogenia das Angiospermas» (PDF). Diversidade de Angiospermas. Consultado em 10 de novembro de 2018 
  9. de Assis, M. C. & Sakuragui (2001). «Coleta e conservação de germoplasma de plantas ornamentais, com ênfase em Alstroemeriacea e Aracaceae» (PDF). Embrapa Meio Ambiente - Capítulo em livro científico (ALICE). Consultado em 10 de novembro de 2018 
  10. Sanso, A.M & Xifreda C. C. (2001). «Generic Delimitation between Alstroemeria and Bomarea (Alstroemeriaceae» (PDF). Annals of Botany 88:1057-1069. Consultado em 10 de novembro de 2018