Amafufunyana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Amafufunyana é uma síndrome ligada à cultura não especificada nomeada pelos curandeiros tradicionais do povo Xhosa que se relaciona a reivindicações de possessão demoníaca devido a membros do povo Xhosa exibindo comportamento aberrante e preocupações psicológicas.[1] Após estudos, descobriu-se que este termo é direcionado a pessoas que sofrem de vários tipos de esquizofrenia. Um termo semelhante, ukuthwasa, é usado para se referir a tipos positivos de posse reivindicada, embora esse evento também envolva aqueles que sofrem de esquizofrenia.[2] Também encontrou-se uso cultural entre alguns grupos de povos Zulu.[3]

A tradução direta do termo amafufunyana é nervosismo e é parte de uma ideologia cultural muito mais complexa, conectando vários tipos de psicose com crenças e atividades religiosas, sociais e recentemente psiquiátricas. Numa entrevista de 1998 com pessoas Xhosa que sofrem de esquizofrenia por Lund et al., Foi determinado que, por meio da interação com cientistas e serviços psicológicos, o tratamento preferido para a condição cultural havia mudado de relação com curandeiros tradicionais para avaliações psiquiátricas ativas.[4]

Sintomas e causas alegadas[editar | editar código-fonte]

Pessoas que afirmam sofrer de amafufunyana afirmam que os seus sintomas incluem ouvir "vozes dos seus estômagos", falaa noutra língua ou num tom perturbador, além de agitação geral e possível violência. Também existe a possibilidade de tentativas de suicídio.[3]

Uma das crenças culturais para a causa é o encantamento por beber uma poção mágica feita com formigas que se alimentaram de um cadáver enterrado.[3] Também acredita-se que a possessão seja causada por espíritos malignos. Especificamente entre os zulus, há também a crença de que uma "horda de espíritos" de vários grupos étnicos se reúne para assumir o controle do corpo de uma pessoa.[2]

O tratamento cultural comum para a alegada doença é que um dos curandeiros tradicionais, geralmente os próprios ukuthwasa, execute um ritual de exorcismo.[2]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

História[editar | editar código-fonte]

Os incidentes registados de amafufunyana parecem ter começado no início do século 20 e pesquisadores como Ngubane et al sugeriram que a sua formação cultural pode ter tido algo a ver com o colonialismo e a migração dos povos indígenas para longe das suas casas. Também houve surtos generalizados da doença, semelhantes a eventos envolvendo a disseminação contagiosa da histeria, registados na década de 1980 num internato para meninas na zona rural.[5]

Os tipos de pessoas mais comuns que são identificados como aflitos pelo grupo cultural são os de nível económico e social mais baixo e com mais frequência em épocas de dificuldades e mudanças culturais, como durante migrações. Mais mulheres do que homens também são identificados.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Niehaus DJ, Oosthuizen P, Lochner C, Emsley RA, Jordaan E, Mbanga NI, Keyter N, Laurent C, Deleuze JF, Stein DJ (março–abril de 2004). «A culture-bound syndrome 'amafufunyana' and a culture-specific event 'ukuthwasa': differentiated by a family history of schizophrenia and other psychiatric disorders». Karger Publishers. Psychopathology. 37 (2): 59–63. PMID 15057028. doi:10.1159/000077579 
  2. a b c d Helman, Cecil G. (26 de janeiro de 2007). «Cross-Cultural Psychiatry». Culture, Health and Illness, Fifth edition. [S.l.]: CRC Press. ISBN 9781444113631. Consultado em 23 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2016 
  3. a b c «Psychopathology». Fresh Perspectives: Introduction to Psychology. [S.l.]: Pearson South Africa. 2007. ISBN 9781868912896 
  4. Lund C, Swartz L (junho de 1998). «Xhosa-Speaking Schizophrenic Patients' Experience of Their Condition: Psychosis and Amafufunyana». Psychological Society of South Africa. South African Journal of Psychology. 28 (2): 62–70. doi:10.1177/008124639802800202 
  5. Sinason, Valerie (2002). «Dissociation and Spirit Possession». Attachment, Trauma and Multiplicity: Working with Dissociative Identity Disorder. [S.l.]: Psychology Press. pp. 233–236. ISBN 9780415195560