Arnaldo Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arnaldo Santos
Nascimento 14 de março de 1935 (85 anos)
Luanda,  Angola
Prémios Prémio Motta Veiga (1968)
Género literário Romance, conto
Movimento literário "Geração de 70"
Magnum opus O cesto de Katandu e outros contos

Arnaldo Santos (Luanda, 14 de março de 1935) é um escritor angolano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na Ingombota, em Luanda. Foi um dos integrantes do Grupo de Cultura na década de 1950[1].

Entre 1959 e 1960, morou em Portugal, onde recebeu a influência de Amílcar Cabral, Castro Soromenho, Mário Pinto de Andrade e de autores marxistas[2].

Trabalhou na revista Novembro e no Jornal de Angola. Colaborou também com as revistas Cultura, ABC e Mensagem (revista dos estudantes da Casa do Império).

Publicou poesias no jornal O Brado Africano. Seu primeiro livro foi a coletânea de poemas Fuga, em 1965. Estreou na ficção com o livro de contos Quinaxixe. A consagração veio em 1968, com as crônicas reunidas em Tempo de Munhungo, obra vencedora do Prémio Mota Veiga.

Após a independência de Angola, foi diretor do Instituto Nacional do Livro e do Disco e do Instituto Angolano do Cinema. Foi um dos fundadores da União dos Escritores Angolanos.

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Fuga (1960)
  • Poemas no Tempo (1977)
  • Nova Memória da Terra e dos Homens (1987)

Contos e novelas[editar | editar código-fonte]

  • Quinaxixe (1965)
  • Prosas (1977
  • Kinaxixe e Outras Prosas
  • Na Mbanza do Miranda (1985)
  • Cesto de Katandu e outros contos (1986)
  • A Boneca de Quilengues (1991)

Crónicas[editar | editar código-fonte]

  • Tempo do Munhungo (1968)

Romance[editar | editar código-fonte]

  • A Casa Velha das Margens (1999)[3]

Referências

  1. Reeditado livro de Arnaldo Santos. O País, 12 de abril de 2011
  2. SÁ, Ana Lúcia Lopes. A Ruralidade na Narrativa Angolana do Século XX[ligação inativa]. Universidade da Beira Interior
  3. Arnaldo Santos, o ficcionista que imortaliza o topónimo Kinaxixi. Embaixada de Angola - Cultura Angolana

Ligações externas[editar | editar código-fonte]