Artur Ravara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Artur Ravara
Nascimento 1848
Aveiro
Portugal Portugal
Morte 25 de Dezembro de 1893 (45 anos)
Lisboa
Ocupação Cirurgião
Área Oftalmologia, Ginecologia e obstetrícia
Prémios relevantes Ordem de Santiago

Artur Ravara (originalmente conhecido como Arthur Ravara) (Aveiro, 1848 - Lisboa, 25 de Dezembro de 1893) foi um cirurgião português. Foi considerado um dos melhores cirurgiões em Portugal, na sua época.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascimento e educação[editar | editar código-fonte]

Artur Ravara nasceu em 1848, na cidade de Aveiro.[2] Era familiar de Luciano Pinto Ravara, que também se destacou na área da medicina.[2]

Fez os estudos secundários, e depois frequentou a Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa.[2] Foi discípulo do médico e professor António Maria Barbosa.[1]

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Artur Ravara especializou-se na oftalmologia, tendo sido provavelmente o primeiro médico em Portugal a fazer uma cirurgia às cataratas.[2] Também se dedicou à ginecologia e obstetrícia, tendo feito a primeira ooforectomia em território nacional.[2] Foi médico da corte portuguesa, tendo assistido no parto do príncipe D. Carlos, motivo pelo qual foi condecorado com a Ordem de Santiago.[2]

Também foi assistente do médico Sousa Martins.[2] Fez parte de várias instituições científicas no estrangeiro, de forma a conhecer os progressos mais recentes da medicina.[2] Exerceu como regente durante o primeiro curso para enfermeiros em Portugal, realizado em 1886 no Hospital de São José.[2]

Exerceu clínica em Aveiro até cerca de 1878, quando se estabeleceu em Lisboa.[1]

Falecimento e família[editar | editar código-fonte]

Já alguns anos antes do seu falecimento, tinha começado a sentir os primeiros sintomas de um aneurisma.[1] Faleceu subitamente por volta do meio-dia, no dia 25 de Dezembro de 1893, quando se estava a preparar para fazer uma difícil operação no Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa.[1]

Segundo a sua vontade, foi levado para Aveiro, onde ficou na capela da sua casa.[1] No cortejo fúnebre até à estação ferroviária participou um grande número de amigos de Artur Navarra, enquanto que em Aveiro foi declarado dia de luto.[1]

Na altura da sua morte, estava casado e tinha vários filhos.[1]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

O nome de Artur Ravara foi colocado numa avenida da cidade de Aveiro, e numa escola de enfermagem em Lisboa.[2] Em sua homenagem, o Museu de Aveiro tem um estojo forrado a veludo, com vários instrumentos de medicina.[2] Foi condecorado com o grau de Comendador na Ordem de Santiago.[2]

Referências

  1. a b c d e f g h LOBATO, Gervásio (11 de Janeiro de 1894). «Chronica Occidental» (PDF). O Occidente. Ano 17 (542). p. 9-10. Consultado em 12 de Novembro de 2018 
  2. a b c d e f g h i j k l MARREIROS, 2015:74-78

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARREIROS, Glória (2015). Algarvios pelo coração, algarvios por nascimento. Lisboa: Edições Colibri. 432 páginas. ISBN 978-989-689-519-8 


Ícone de esboço Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.