Hospital de Dona Estefânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hospital
Hospital de Dona Estefânia
Centro Hospitalar Lisboa Central
No Hospital D. Estefânia de Lisboa encontra-se uma grande pedra de armas da esposa de D. Pedro V
Localização Arroios, Lisboa, Portugal
Fundação 17 de Julho de 1877
Sistema de saúde Serviço Nacional de Saúde
Tipo Entidade Pública Empresarial
Universidade afiliada Universidade de Lisboa e
Universidade Nova de Lisboa
Emergência Sim
Leitos 210
Site Página oficial
editar

O Hospital de Dona Estefânia (HDE) MHM, localizado em Lisboa, Portugal, é a unidade de referência em pediatria para a zona sul do país e ilhas, tendo inclusivamente acreditação internacional. É especializado no atendimento materno-infantil e integra o Centro Hospitalar Lisboa Central EPE (CHLC), anteriormente designado como Hospitais Civis de Lisboa (HCL). Está previsto o seu encerramento em 2019 e transferência de serviços e funcionários para o futuro Hospital de Lisboa Oriental, no Parque da Bela Vista, em Chelas.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

O hospital foi fundado, oficialmente, em 17 de julho de 1877, no aniversário de morte de D. Estefânia de Hohenzollern-Sigmaringen (1837-1859), Rainha de Portugal, a consorte do Rei D. Pedro V (1837-1861). Como morreram cedo, nenhum dos dois jamais viu a construção finalizada.

D. Estefânia e seu marido demonstravam interesse por doentes hospitalizados, vítimas de cólera e febre amarela. Insatisfeita com as condições do Hospital de São José, a Rainha usou o seu próprio dote para criar uma enfermaria e manifestou o desejo de fundar um hospital pediátrico de crianças pobres e doentes.

Em 1860, D. Pedro V ordenou, em homenagem à sua falecida esposa, a edificação do Hospital da Bemposta (nome antigo), que só ficaria pronto sete anos depois, durante o reinado de seu irmão, D. Luís I.

D. Luís, por sua vez, cedeu os direitos de propriedade e pertenças do hospital ao Estado português, em 23 de junho de 1872. O povo português acabaria chamando-o definitivamente de Hospital de Dona Estefânia.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Detalhe de retrato da D. Estefânia

Por meio de contatos com outras famílias reais da Europa, D. Pedro V obteve projetos e plantas hospitalares de técnicos competentes de Londres, Berlim e Paris. O projeto escolhido foi o do britânico Albert Jenkins Humbert (1822-1877), que era o arquiteto predileto do príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, marido da rainha Vitória do Reino Unido.

A construção do Hospital custou mais de 250 milhões de réis, dos quais 20 milhões foram pagos pelo pai de D. Estefânia, o príncipe Carlos Antônio de Hohenzollern-Sigmaringen. O terreno escolhido pertencia à Casa Real portuguesa.

O edifício original do hospital tinha o formato de uma cruz, com quatro porções principais, e havia dois andares de enfermarias. Cada enfermaria tinha 45 metros de extensão, podendo abrigar cerca de 32 camas. O hospital detinha ainda um sistema de ventilação, essencial para manter a higiene do ambiente.

As casas de banho possuíam banheiras em mármore, canalização da água e luz que funcionava a gás de resíduos de petróleo.

Na sua totalidade, o hospital foi construído em cima de abóbodas, para minimizar a humidade e eliminar possíveis infecções a partir do solo. A famosa Florence Nightingale chegou a elogiar as enfermeiras do então Hospital da Bemposta, que seriam, como dizia, as melhores da Europa.

Os jardins do hospital possuem uma bela fonte.

A 29 de Maio de 2002 foi feito Membro-Honorário da Ordem do Mérito.[2]

Aparições marianas[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de fevereiro de 1920, a pastorinha Jacinta Marto, vidente das aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, em Fátima, vinda diretamente do Orfanato de Nossa Senhora dos Milagres, situado na Rua da Estrela, em Lisboa (atual Mosteiro do Imaculado Coração de Maria, junto ao Jardim da Estrela), onde esteve temporariamente acolhida, foi internada no serviço n.º 1 do Hospital de Dona Estefânia, na cama n.º 38, onde foi-lhe diagnosticada pleurisia purulenta da grande cavidade esquerda fistulizada e osteíte (cárie) de duas costelas (7ª e 8ª do mesmo lado). De acordo com os relatos da criança à Madre Maria da Purificação Godinho, a Virgem Maria ter-lhe-á aparecido algumas vezes no hospital, motivo pelo qual na atualidade se ergue no exterior uma estátua memorial do Imaculado Coração de Maria.[3][4]

Especialidades[editar | editar código-fonte]

A atividade do Hospital de Dona Estefânia desenvolve-se através das seguintes áreas assistênciais:

Referências

  1. «Futuro hospital de Lisboa vai ser maior do que inicialmente previsto». Consultado em 20 de Fevereiro de 2015 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Hospital Dona Estefânia". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  3. Notas biográficas dos Pastorinhos de Fátima in Agência Ecclesia
  4. Cronologia das aparições de Nossa Senhora de Fátima in Agência Ecclesia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um hospital ou uma instituição de saúde é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.