Curraleira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
LSB-sjoao.png Curraleira
  Bairro  
Localização
Ortofotografia aérea de 1995, centrada no Bairro da Curraleira.
Ortofotografia aérea de 1995, centrada no Bairro da Curraleira.
Localização em mapa dinâmico
Coordenadas 38° 44' 2" N 9° 7' 34" O
País Portugal
Região Área Metropolitana de Lisboa
Distrito Lisboa
Concelho Lisboa
Freguesia São João

A Curraleira foi um bairro da cidade de Lisboa, em Portugal.[1][2] Surgido no século XX[3][4], era um dos maiores[5] e mais antigos bairros de barracas de Lisboa.[6] Localizava-se na freguesia de São João, inserida numa das encostas do Vale de Chelas entre a Picheleira, o Cemitério do Alto de São João, a Penha de França e o Alto do Pina.[7] Juntamente com os bairros da Calçada do Carrascal e da Rua do Sol a Chelas, albergou um total de 564 famílias[8].

Compunha-se de habitações precárias erguidas em madeira, zinco e alvenaria e sem acesso a redes de saneamento básico, água e eletricidade.

Sofreu um incêndio de grandes dimensões em 1975[9] do qual resultaram dois mortos e várias dezenas de construções foram destruídas.[10] Este acontecimento levou a que os moradores se organizassem numa cooperativa (Horizonte) e desencadeou um processo do SAAL para o realojamento dos afetados através da construção do Bairro do Horizonte.[11][12][13][14] Em honra dos falecidos foi erguido um cruzeiro em metal[13][15][16] e pintado um mural numa das fachadas do Bairro Carlos Botelho, no âmbito do projeto PA-REDES.[17]

O processo de realojamento dos habitantes e demolição do bairro teve lugar em novembro de 2001, sendo a sua população distribuída pelo novo bairro da Quinta do Lavrado e em fogos de habitação social na Picheleira (ruas João do Nascimento Costa e Carlos Botelho).[5][18] Todos estes aglomerados foram classificados como Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária pela Câmara Municipal de Lisboa e integraram o programa USER da União Europeia com vista à sua regeneração e melhoria do ambiente urbano.

Referências

  1. «Lisboa: incendiários na Curraleira». Correio da Manhã. Cmjornal.xl.pt. 10 de outubro de 2011. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  2. «Câmara derruba parte do bairro da Curraleira». TSF Rádio Notícias. TSF.pt. 12 de julho de 2001. Consultado em 23 de fevereiro de 2012 
  3. Geada, Isabel (junho de 1985). «Acções de promoção social na cidade de Lisboa». Instituto Superior de Serviço Social de Lisboa. Intervenção social (1): 33-39. ISSN 0874-1611 
  4. «A história da Casa de Chá - Casa de Chá de Santa Isabel». www.casadecha.org. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  5. a b «Últimas barracas da Curraleira vão hoje abaixo». PÚBLICO. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  6. Cardoso, Ana; Perista, Heloísa (1994). A cidade esquecida: pobreza em bairros degradados de Lisboa. Lisboa: CIES-ISCTE / CELTA. ISSN 0873-6529 
  7. Horta, Isabel (31 de julho de 1992). «Droga no bairro da Curraleira». rtp.pt. RTP Arquivos. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  8. «exPERts PER ATLAS - HOMEPAGE». expertsproject.ics.ulisboa.pt. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  9. «Incêndio na Curraleira». rtp.pt. RTP Arquivos. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  10. «Pushed to the periphery: Lisbon's rehousing policies lose the life of the neighbourhoods they demolish» (em inglês). Architectural Review. 6 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  11. Alves, José Baptista. «Processo SAAL». AbrilAbril. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  12. «Processo SAAL 1975 -1976: cronologia dos projectos e obras» (PDF). Universidade de Coimbra 
  13. a b Cardoso, Margarida David. «Curraleira: o que é a memória de um lugar que já não existe?». PÚBLICO. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  14. «SAAL cooperative Horizonte». antiga-curraleira.indie.host (em inglês). Antiga Curraleira. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  15. SAPO. «Curraleira: os moradores contam o que foi e o que resta do antigo bairro de lata lisboeta». SAPO 24. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  16. «Cruz». antiga-curraleira.indie.host (em inglês). Antiga Curraleira. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  17. «Paredes que falam». Fundação Calouste Gulbenkian. 16 de janeiro de 2018. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
  18. «Quinta da Curraleira». antiga-curraleira.indie.host (em inglês). Antiga Curraleira. Consultado em 21 de fevereiro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Lisboa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.