Asócio IV Bagratúnio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Asócio IV Bagratúnio
Etnia Armênia
Progenitores Mãe: ?
Pai: Simbácio VII
Filho(a)(s) Pancrácio II
Simbácio VIII, o Confessor
Rípsima
Ocupação Governante autônomo
Religião Cristianismo

Asócio IV Bagratúnio (em armênio/arménio: Աշոտ Դ Բագրատունի; romaniz.: Ashot IV Bagratúnio), melhor conhecido como Asócio, o Carnívoro (em armênio/arménio: Աշոտ Մսակեր; romaniz.: Ashot Msaker), supostamente por sua recusa em se abster de comer carne durante a Quaresma, foi um príncipe armênio da dinastia Bagratúnio (Bagrátida). Um fugitivo da revolta fracassada em 775 contra o governo árabe na Armênia, onde seu pai foi morto, pelas décadas seguintes gradualmente expandiu seus domínios e estabeleceu um papel proeminente para si nos assuntos do país, tornando-se reconhecido pelo Califado Abássida como príncipe da Armênia de 806 até sua morte em 826.

Estela de Asócio I Curopalata (r. 813–830)

Vida[editar | editar código-fonte]

Asócio IV era filho de Simbácio VII, o príncipe da Armênia dominada pelos árabes. Simbácio participou na rebelião contra o Califado Abássida, e foi morto na desastrosa batalha de Bagrauandena em 775.[1][2] Após a batalha, Asócio fugiu dos territórios tradicionais de sua família no norte da Armênia Oriental para seus parentes próximo das nascentes do rio Araxes, onde estaria distante do poder árabe e mais próximo do Império Bizantino. Lá, também possuía minas de prata, que permitiram-no comprar algumas terras da família Camsaracano e estabelecer um novo senhorio em torno da fortaleza de Bagauna, na província de Airarate.[3][4]

O fim ou exílio de tantas famílias principescas (nacarar) após Bagrauandena deixou um vácuo de poder no sul da Cáucaso: em parte isso foi preenchido por colonos árabes, que pelo começo do século IX estabeleceriam uma série de emirados maiores e menores na região, mas entre os maiores beneficiários estavam os Arzerúnio, uma família nacarar de posição média formal que veio a controlar grande parte do sudeste da Armênia (Vaspuracânia). Ao mesmo tempo, através de diplomacia habilidosa e alianças matrimoniais, Asócio conseguiu restabelecer os Bagrátidas como a principal família nacarar ao lado dos Arzerúnios.[5][6] Como resultado, em ca. 806, o califa Harune Arraxide (r. 786–809) escolheu Asócio como o novo príncipe presidente da Armênia, o ofício que havia colapsado com a morte de seu pai 30 anos antes. A nomeação foi designada como um contrapeso para o crescente poder dos Arzerúnios, bem como um foco para as lealdades armênias fora de Bizâncio, onde muitas famílias haviam fugido após 775.[7] Por volta da mesma época, o califa reconheceu outro ramo bagrátida, sob Asócio I Curopalata (r. 813–830), como príncipe da Ibéria.[4][8]

Tomando vantagem do tumulto no califado após a morte de Harune Arraxide e durante a subsequente Quarta Fitna, Asócio foi capaz de expandir consideravelmente seus domínios e autoridade. A ascensão de Asócio foi ameaçada por outra família ambiciosa, os muçulmanos jaáfidas. O fundador da família, Jaafe, foi um recém-chegado na Armênia que havia estabelecido uma base de poder considerável para si reclamando os territórios da família Mamicônio através de seu casamento com uma filha de Musel VI, um dos principais armênios mortos em Bagrauandena. Asócio duas vezes derrotou os Jaáfidas em Taraunitis e Arsarúnia. No processo, adquiriu não apenas Taraunitis (que Jaafe havia tomado de outro bagrátida, Bassaces) e Arsarúnia com Siracena (que ele havia anteriormente comprado dos Camsaracanos), mas também Asócia e o leste de Taique. Frustrado, Jaafe e seu filho Abdal Malique abertamente rebelaram-se contra o califado ao tomarem a capital armênia, Dúbio, em 813, e sem sucesso sitiaram a capital do governador em Barda. Asócio derrotou um exército de 5 000 homens enviado contra ele por Abdal Malique, matando 3 000 deles, enquanto o irmão de Asócio, Sapor, invadiu os arredores de Dúbio. Como Abdal Malique preparou-se para marchar e confrontar Sapor, a população local rebelou-se e matou-o.[9][10]

A morte de Abdal Malique "marcou a vitória dos bagrátidas sobre seus inimigos mais perigosos" (Ter-Ghewondyan),[11] e deixou Asócio como o maior proprietário de terras entre os nacarares.[12] Ele depois assegurou sua posição ao concluir casamentos matrimoniais estratégicos, dando uma de suas filhas para o príncipe Arzerúnio de Vaspuracânia, e outra para o emir de Arzena.[13] Pelo tempo de sua morte em 826, Asócio efetivou uma transformação impressionando de sua fortuna: como comenta Joseph Laurent, o "proscrito e deposto" fugitivo de Bagrauandena morreu como o "mais poderoso e mais popular príncipe da Armênia".[12] Suas possessões foram divididas entre seus filhos, o mais velho, Pancrácio II, recebeu Taraunitis e Sasúnia e mais tarde o título de iscano de iscanos ("príncipe de príncipes"), enquanto seu irmão, Simbácio VIII, o Confessor, tornou-se asparapetes (comandante-em-chefe) da Armênia e recebeu os territórios em torno de Bagauna e do Araxes.[14]

Descendência[editar | editar código-fonte]

De uma esposa desconhecida, Asócio IV Bagratúnio teve três filhos:[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Vago
Batalha de Bagrauandena
Último titular: Simbácio VII
Príncipe dos príncipes da Armênia
806–826
Sucedido por
Vago
Próximo titular: Pancrácio II

Referências

  1. Laurent 1919, p. 94, 98.
  2. Dadoyan 2011, p. 85.
  3. Laurent 1919, p. 98.
  4. a b Whittow 1996, p. 214.
  5. Laurent 1919, p. 96–97.
  6. Whittow 1996, p. 213–214.
  7. Laurent 1919, p. 98–99.
  8. Laurent 1919, p. 99.
  9. Ter-Ghewondyan 1976, p. 33–36.
  10. Laurent 1919, p. 101–104.
  11. Ter-Ghewondyan 1976, p. 36.
  12. a b Ter-Ghewondyan 1976, p. 35.
  13. Laurent 1919, p. 104.
  14. Laurent 1919, p. 105.
  15. Settipani 2006, p. 634.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dadoyan, Seta B. (2011). The Armenians in the Medieval Islamic World: The Arab Period in Arminiyah, Seventh to Eleventh Centuries. Nova Jérsei: Transaction Publishers. ISBN 9781412846523 
  • Laurent, Joseph L. (1919). L’Arménie entre Byzance et l'Islam: depuis la conquête arabe jusqu'en 886. Paris: De Boccard 
  • Settipani, Christian (2006). Continuidade das elites em Bizâncio durante a idade das trevas. Os príncipes caucasianos do império dos séculos VI ao IX. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Ter-Ghewondyan, Aram (1976). Garsoïan, Nina G. (trad.), ed. The Arab Emirates in Bagratid Armenia. Lisboa: Livraria Bertrand. OCLC 490638192 
  • Whittow, Mark (1996). The Making of Byzantium, 600–1025. Berkeley e Los Angeles: California University Press. ISBN 0-520-20496-4