Ataques contra homossexuais em São Paulo em 2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Ataques contra homossexuais em São Paulo em 2010
Avenida Paulista, em São Paulo, o local das agressões.
Local Avenida Paulista, São Paulo, Brasil[1]
Data 14 de novembro de 2010[1]
6h30min (aproximado)[1]
Tipo de ataque Ataque homofóbico[1]
Arma(s) 2 lâmpadas fluorescentes[1]
Feridos 2[1]
Suspeito(s) Jonathan Lauton Domingues e outros quatro adolescentes[2]

Os ataques contra homossexuais em São Paulo em 2010 ocorreram no dia 14 de novembro na Avenida Paulista, em São Paulo, quando cinco rapazes, entre eles quatro adolescentes entre 16 e 17 anos de idade, atacaram três jovens homossexuais com lâmpadas fluorescentes.[1]

Agressão[editar | editar código-fonte]

No dia 14 de novembro de 2010 em São Paulo, por volta das 6 horas e 30 minutos da manhã, Jonathan Lauton Domingues, de 19 anos, e quatro outros adolescentes, entre 16 e 17 anos de idade, atacaram, com duas lâmpadas fluorescentes, três jovens homossexuais na Avenida Paulista. De acordo com testemunhas, os agressores teriam dito às vítimas, durante os ataques, "suas bichas" e "vocês são namorados", o que revelou que os ataques podem ter tido cunho homofóbico.[1]

Repercussão e punição[editar | editar código-fonte]

Após a grande repercussão nacional que o caso ganhou, principalmente após a divulgação de um vídeo onde, sem qualquer motivo aparente, um dos jovens agressores é visto estourando um bastão de lâmpada fluorescente na cabeça de uma das vítimas,[3] os quatro menores foram internados na Fundação Casa (antiga Febem), onde estão desde o dia 23 de novembro. Os garotos poderão ser sentenciados a até 3 anos de internação na Fundação.[2]

Jonathan Lauton Domingues, o único maior de idade do grupo, foi indiciado por tentativa de homicídio, lesão corporal gravíssima e formação de quadrilha, mas continua em liberdade.[3] De acordo com uma decisão judicial, Jonathan poderá ir a júri popular.[4]

Os ataques causaram protestos de diversas entidades sociais e LGBT contra os acusados e a homofobia.[5] Nos últimos meses, ao menos seis ataques na região da Avenida Paulista foram relatados, totalizando 8 vítimas.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências