Atentado contra a AMIA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Atentando contra a AMIA
Local do ataque depois da explosão
Local Buenos Aires
 Argentina
Data 18 de julho de 1994 (24 anos)
09h53min (UTC-3)
Alvo(s) Sede da Associação Mutual Israelita Argentina
Mortes 85 mortos (incluindo 1 terrorista)
Feridos >300
Responsável(is) Ibrahim Hussein Berro
Suspeito(s) Suspeita de envolvimento do Hezbollah e do governo iraniano[1][2][3][4][5]

O bombardeio da AMIA foi um ataque ao prédio da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA). Ocorreu em Buenos Aires em 18 de julho de 1994, matando 85 pessoas e ferindo centenas.[6] Foi o atentado mais mortal da Argentina. O país é o lar de uma comunidade judaica de 230.000 pessoas,[7] a maior da América Latina e sexta do mundo fora de Israel.[8]

Ao longo dos anos, o caso foi marcado por acusações de encobrimentos. Todos os suspeitos da "conexão local" (entre eles, muitos membros da Polícia Provincial de Buenos Aires) não foram culpados em setembro de 2004. Em agosto de 2005, o juiz federal Juan José Galeano, encarregado do caso, foi acusado e retirado de seu cargo por uma acusação de irregularidades "graves" devido à manipulação incorreta da investigação.[9] Em 2005, o cardeal Jorge Mario Bergoglio, que mais tarde se tornou o Papa Francisco, foi a primeira personalidade pública a assinar uma petição de justiça no caso de bombardeio da AMIA. Ele foi um dos signatários em um documento chamado "85 vítimas, 85 assinaturas" como parte do 11º aniversário do bombardeio.[10]

Em 25 de outubro de 2006, os procuradores argentinos Alberto Nisman e Marcelo Martínez Burgos acusaram formalmente o governo do Irã de planejar o bombardeio e a milícia do Hezbollah de realizá-lo.[11][3][12] De acordo com os pedidos da promotoria em 2006, a Argentina foi alvo do Irã após a decisão de Buenos Aires de suspender um contrato de transferência de tecnologia nuclear para Teerã.[13] Isso foi contestado porque o contrato nunca foi encerrado e o Irã e a Argentina estavam negociando o restabelecimento da plena cooperação em todos os acordos desde o início de 1992 até 1994, quando ocorreu o bombardeio.[14]

O décimo terceiro aniversário do bombardeio foi comemorado em 18 de julho de 2007. Além das exposições e cerimônias nacionais, estações de rádio e televisão e carros de polícia em toda a Argentina soaram sirenes às 9:53 da manhã, hora do bombardeio.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Feldstein, Federico Pablo, and Carolina Acosta-Alzuru. "Argentinean Jews as scapegoat: A textual analysis of the bombing of AMIA." Journal of Communication Inquiry 27.2 (2003): 152-170.
  2. Karmon, Ely. "Iran and its proxy Hezbollah: Strategic penetration in Latin America." Elcano Newsletter 55 (2009): 32.
  3. a b «Iran charged over Argentina bomb». BBC News. 25 de outubro de 2006. Consultado em 25 de outubro de 2006.. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2006 
  4. Death of a Prosecutor, New Yorker, Dexter Filkins, 20 de julho de 2015
  5. Interpol arrest warrant for Iranian AMIA bombing suspect still in place, JTA, 3 de agosto de 2015
  6. a b "AMIA Bombing Commemorated", Dateline World Jewry, World Jewish Congress, setembro de 2007
  7. Congreso Judío Latinoamericano. «Comunidades judías latinoamericanas: Argentina» (em espanhol). Consultado em 12 de setembro de 2017. 
  8. «Argentina marks 1994 bomb attacks». BBC News. 18 de julho de 2006. Consultado em 12 de setembro de 2017. 
  9. «AMIA: destituyeron a Galeano». Clarín (em espanhol). 3 de agosto de 2005. Consultado em 18 de julho de 2006.. Cópia arquivada em 27 de junho de 2006 
  10. «New pope has history of good relations with Jewish community». The Times of Israel. Consultado em 12 de setembro de 2017. 
  11. «Iran, Hezbollah charged in 1994 Argentine bombing». Daily Jang. 25 de outubro de 2006. Consultado em 25 de outubro de 2006.. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2007  line feed character character in |data= at position 17 (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  12. Richard Horowitz. «What Nisman Said About Iran - World Policy Institute». World Policy. Consultado em 12 de setembro de 2017. 
  13. «Acusan a Irán por el ataque a la AMIA». La Nación. 26 de outubro de 2006. Consultado em 12 de setembro de 2017. 
  14. «Asia Times Online :: Middle East News, Iraq, Iran current affairs». Consultado em 12 de setembro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]