Base (topologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em Topologia, uma base de um espaço topológico é uma coleção de abertos que gera todos abertos, de forma que qualquer aberto é uma união de abertos da base1 .

Em outras palavras, uma coleção de abertos B é uma base de uma topologia \tau\, em um conjunto X se, e somente se:

\forall A \in \tau \ , \ \exists T \subset B \ , \ A = \bigcup_{A_{\lambda} \in T} A_{\lambda}\,

Exemplo[editar | editar código-fonte]

  • Em um espaço métrico, a topologia induzida pela métrica tem, como base, as bolas abertas.
  • Na topologia discreta, a coleção dos conjuntos unitários é uma base.
  • Normalmente, existem várias bases, porque, ao se acrescentar a uma base qualquer quantidade de conjuntos abertos, ela continua sendo uma base. A topologia grosseira em um conjunto X, porém, pode ter apenas duas bases: ou a coleção { X }, ou a coleção { Ø, X }.
  • Deve-se notar que nem toda coleção pode ser considerada uma base de uma topologia. Por exemplo, no conjunto X = { 0, 1, 2}, a coleção B = {{0, 1}, {1, 2}} não é uma base, porque, se fosse, o conjunto A = {1} teria que ser um aberto (interseção de abertos), mas A não é a união de elementos da base.

Propriedades[editar | editar código-fonte]

O contra-exemplo acima sugere que, para que uma coleção de subconjuntos de X seja uma base para alguma topologia de X, basta satisfazer as seguintes propriedades:

  • Qualquer elemento de X é elemento de algum elemento da base
  • Dado qualquer elemento a de qualquer interseção de quaisquer dois membros da base, existe um outro membro A da base, totalmente contido nessa interseção, tal que a \in A\,

Definição alternativa[editar | editar código-fonte]

Uma definição alternativa de base é:

Um subconjunto B de uma topologia \tau\, em um conjunto X é uma base quando todo elemento x de algum aberto U da topologia é elemento de um elemento V da base, e este elemento da base é um subconjunto do aberto inicial U

Ou seja:

\forall x \in X, U \in \tau \ , \ (x \in U \implies \exists V \in B \ , \ (x \in V \subseteq U))\,

É fácil mostrar que as duas definições são equivalentes1 .


Sub-base[editar | editar código-fonte]

Como uma coleção S de subconjuntos de X pode não ser uma base para uma topologia de X, qual é a menor topologia tal que os membros de S são abertos? Isso leva à definição de sub-base: S é uma sub-base de uma topologia \tau\, quando a coleção das interseções finitas de membros de S é uma base de \tau\,.

Note-se que qualquer coleção de conjuntos é a sub-base de alguma topologia.

Referências

Wiki letter w.svg Este artigo sobre matemática é mínimo. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.