Batalha de Varna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Varna
Cruzada de Varna
Bitwa pod Warną (fragment - Władysław).jpg
Vladislau III da Polônia, por Jan Matejko
Data 10 de novembro de 1444
Local Perto da cidade de Varna
Desfecho Vitória decisiva do Império Otomano
Beligerantes
Coat of Arms of the Polish Crown.svg Reino da Polônia
Blason louis II de Hongrie.svg Reino da Hungria
CoatOfArmsOfJovanStefanovicBrankovic.png Despotado Sérvio
Stema Tarii Romanesti II.jpg Principado da Valáquia

Emblem of Vatican City State.svg Estados Papais

Den tyske ordens skjold.svg Estado da Ordem Teutónica
Império Otomano Império Otomano
Comandantes
Coat of Arms of the Polish Crown.svgBlason louis II de Hongrie.svg Vladislau III da Polônia 
Blason louis II de Hongrie.svg João Corvino
Stema Tarii Romanesti II.jpg Mircea II da Valáquia
Império Otomano Murad II
Forças
De 20,000/24,000/30,000 (15,000 polacos, húngaros, croatas, boêmios - 7,000 a 8,000 valáquios - 1,000 tropas vindas de todos os outros participantes 40,000 - 60,000 (15,000 janízaros, mercenários do sultão, sipahi
Baixas
Mais de 15,000 20,000 tropas

A Batalha de Varna, a mais importante batalha da Cruzada de Varna, ocorreu no dia 10 de novembro de 1444 perto de Varna no leste da atual Bulgária, perto da costa da mesma com o mar Negro. O exército Otomano liderado pelo sultão Murad II derrotou as tropas húngaro-polacas lideradas em três frontes, um liderado pelo Rei da Polônia e Rei da Hungria, Vladislau III (que morreu em combate); outro liderado pelo regente húngaro, João Corvino; (agindo como comandante das forças Cristãs) e por fim outro fronte liderado pelo príncipe da Valáquia Mircea II. Esta batalha marcou o final da Cruzada de Varna.

Plano de fundo[editar | editar código-fonte]

O Reino da Hungria caiu em uma crise após a morte do rei Sigismundo de Luxemburgo, seu genro e sucessor, Alberto II da Germânia, assumiu, porém reinou por apenas dois anos e morreu em 1439, deixando sua viúva, Isabel de Luxemburgo, com um filho por nascer, Ladislau V da Hungria. Os nobres húngaros chamaram Vladislau III, Rei da Polônia, para o trono, oferecendo, em recompensa, o ajudar na defesa contra o Império Otomano. Após sua coroação húngara, ele nunca mais voltou lá, dando controle do reino para o influente nobre, João Corvino.[1]

Após as expedições falhas de 1440 a 1442 contra Belgrado e Transilvânia e algumas derrotas na longa campanha de João Corvino de 1442-1443, o sultão otomano Murad II, assinou uma trégua de dez anos com a Hungria. Logo após, ele fez paz com o Beilhique de Karaman na Anatólia e em agosto de 1444, ele renunciou ao trono para seu filho de doze anos, Maomé II.[2]

Antecipando uma invasão otomana, e encorajado pelo jovem e inexperiente novo sultão, a Hungria cooperou com a República de Veneza e com o papa Eugênio IV para organizar um novo exército cruzado liderado por Vladislau e João Corvino. Quando soube disso, Maomé II entendeu que era muito jovem para lutar contra coalizão, ele chamou seu pai, Murad II de volta ao trono para liderar o exército otomano, porém Murad II recusou. Com raiva de seu pai, que desde então tinha se retirado para uma vida de contemplação no sul da Anatólia, Maomé II escreveu para seu pai: "Se você é o sultão, venha, e lidere seu exército; se eu sou o sultão, eu ordeno por este meio que você venha e lidere meu exército."[3] Após o recebimento desta carta, Murad II aceitou liderar as forças otomanas.[1]

Preparação[editar | editar código-fonte]

O exército papal era principalmente composto por Húngaros, Polacos, Croatas e Boêmios (15,000 homens) e por Valáquios (7,000 - 8,000 homens),[4] porém continha forças menores vindas de todos os outros aliados.[5]

Navios dos Estados Papais, da República de Veneza e de República de Gênova bloqueavam o estreito de Dardanelos[6][7] enquanto um exército húngaro se movia em direção a Varna onde iria se encontrar com uma frota dos Estados Papais que iria levar este exército para a costa de Constantinopla e bloquear os otomanos. Os avanços húngaros eram velozes e no caminho, os húngaros vivendo em Vidin, Orjahovo e Nicopol (Bulgária) se juntaram ao exército (e o príncipe búlgaro Fruzhin, que realizou a Revolta de Constantino e Fruzhin também se juntou ao exército). No dia 10 de outubro, perto de Nicópolis, cerca de 7,000 cavaleiros valáquios liderados pelo príncipe Mircea II (um dos filhos de Vlad II Dracul) também se juntaram.

Refugiados armênios, que fugiram para a Hungria após a conquista Mameluca do Reino Arménio da Cilícia,[8] viram isso como uma oportunidade de recuperar sua liberdade e se juntaram as tropas cristãs.

Desdobramento[editar | editar código-fonte]

Michael Szilágyi

Na noite do dia 9 de novembro, um grande exército otomano se aproximou de Varna pelo oeste, em um conselho militar supremo chamado por João Corvino. Durante a noite, o legado papal Giuliano Cesarini insistiu em uma retirada rápida, porém os cristãos haviam sido pegos entre o mar Negro, o lago Varna, os íngrimes platôs arborizados de Franga e o inimigo.[9] Giuliano Cesarini então propôs uma defesa se utilizando dos fortes de carros dos Hussitas até a chegada da frota cristã. Os magnatas húngaros e os comandantes croatas e tchecos o apoiaram, porém Vladislau e João Corvino rejeitaram as táticas defensivas. João Corvino chegou até a declarar: "Escapar é impossível, desistir é impensável. Deixe-nos lutar com bravura e honrar nossas nações" Vladislau aceitou sua posição e logo lhe deu ordens, que eram as de comandar o exército da Valáquia mais o próprio exército húngaro.[4][6]

Na manhã do dia 10 de novembro, João Corvino alinhou cerca de 20,000 a 30,000 cruzados em um arco entre o lago Varna e o platô de Franga, a linha tinha cerca de 3,5 km. Duas linhas de cerca de 3,500 guarda-costas de ambos reis, mercenários reais húngaros, e os nobres húngaros seguravam o centro, a cavalaria de Valáquia foi deixada como reversa no centro porém mais recuada.[6]

O flanco da direita se alinhou na subida de uma colina rumo ao vilarejo de Kamenar, numerados em 6,500 homens em 5 badeiras, O bispo Jan Dominek of Varadin liderou seus próprios homens, Cesarini comandou uma bandeira de mercenários germânicos e bósnios, o Bispo de Eger liderou sua própria bandeira e o governador militar da Eslavônia comandou os croatas.[6]

O flanco esquerdo, um total de 5,000 homens em 5 bandeiras foi liderado por Michael Szilágyi, cunhado de João Corvino, e era composto de Transilvanos, Bulgaros, mercenários germânicos e bandeiras de magnatas húngaros. Atrás dos húngaros, perto do mar Negro e do lago, estavam os fortes de carros, protegidos por 300 a 600 mercenários Tchecos e Russianos abaixo de Hetman Ceyka, junto com os polacos, lituanos e valáquios; cada carro tinha de 7 a 10 soldados e era equipado com bombardas.[4]

O centro otomano incluía os janízaros e as tropas arrecadadas na Rumélia alinhados ao redor de dois túmulos Trácios Murad observou e comandou a batalha de um destes grupos. Os janízaros cavaram e se protegeram dentro de trincheiras e duas paliçadas. A asa direita consistia de kapikulus e sipahis da Rumélia; e a asa esquerda consistia de akincis, sipahis da Anatólia e outras forças. Os arqueiros janízaros e a cavalaria Akinci leve foram alinhados no planalto.[4][6]

A batalha[editar | editar código-fonte]

Batalha de Varna - 10 de novembro de 1444 - Mapa estratégico

A cavalaria leve otomana atacou os croatas liderados por Ban Talotsi. Os cristãos da esquerda trocaram as bombardas por armas de fogo e pararam o ataque. Soldados cristãos perseguiram os Otomanos em uma perseguição completamente desordenada. A cavalaria da Anatólia veio e os emboscou pelo flanco. A asa direita cristã tentou fugir para a pequena fortaleza de Gálata do outro lado do golfo de Varna porém muitos deles foram mortos no terreno pantanoso ao redor do lago Varna e do rio Devnya, onde Cesarini também conheceu seu fim. Somente os croatas comandados por Talotsi conseguiram fazer a retirada atrás dos fortes de carros.[6]

O outro flanco otomano avançou nos húngaros e búlgaros de Corvino. Mas pararam e voltaram e os sipahis atacaram de novo. Corvino decidiu ajudar e recomendou a Vladislau para esperar até que os muçulmanos voltassem, e então avançou com duas cavarias de companhia. Vladislau, ignorando o conselho de Corvino, e buscando sua própria glória,[6] avançou com 500 cavaleiros polacos avançarem contra o centro das forças otomanas tentando ultrapassar os janízaros e tomar Murad como prisioneiro, e quase conseguiu, porém Vladislau caiu em uma armadilha na frente da tenda de Murad e foi morto pelos guardas janízaros;[1] sua cabeça foi cortada e depois levada para a corte otomana; o resto da cavalaria polaca foi destruída pelo exército otomano.[3]

Em seu retorno, Corvino tentou desesperadamente salvar o corpo de Vladislau, mas a única coisa que pode fazer foi organizar a retirada do que sobrou de seu exército. Ele sofreu milhares de casualidades,[5] e seu exército foi completamente aniquilado. Muitos prisioneiros europeus foram assassinados ou vendidos como escravos.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A morte de Vladislau deixou o Reino da Hungria sob controle de Ladislau V , que na época, tinha somente quatro anos,[9] mas ele assumiu com sucesso depois de um interregno de treze anos. A derrota nesta batalha abriu a porta dos otomanos para sua expansão ao leste e preparou o mundo para a Queda de Constantinopla em 1453.[10]

Referências

  1. a b c Don Keko (14 de novembro de 2012). «Islamic invasion: the Battle of Varna (1444)». examiner.com. Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  2. «PARK-MUSEUM OF MILITARY FRIENDSHIP 1444 „VLADISLAV VARNENCHIK"». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  3. a b «Crusade of Varna». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  4. a b c d «The Battle of Varna». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  5. a b «Battle of Varna, 1444». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  6. a b c d e f g Matthew Haywood (2002). «Hungarian Tactics and significant Battles». Warfare East. Consultado em 15 de dezembro de 2014 
  7. «Varna Battle». Consultado em 19 de dezembro de 2014 
  8. «Armenian History Timeline - Armeniapedia.org». www.armeniapedia.org. Consultado em 6 de setembro de 2015 
  9. a b «At Battle of Varna Polish and Hungarian Crusaders are Defeated by Sultan Murad II's Turks» 
  10. «Battle of Varna (1444)». Medieval Times. Consultado em 19 de dezembro de 2014