Estado da Ordem Teutónica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Deutschordensland
Estado da Ordem Teutónica

Estado independente

Flag of Ducal Prussia.svg
1230 – 1525 Flag of Ducal Prussia.svg
 
Flag of Prussia (1466-1772).svg
 
Baltic coat of arms.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Estado da Ordem Teutónica
Estado da Ordem Teutônica, Livônia e Prússia ca. 1410
Continente Europa
Região Europa Central
País Polônia, Oblast de Kaliningrado da Rússia e Países Bálticos
Capital Mariemburgo (1308–1454),
Königsberg (1454–1525)
Religião Católica
Governo Teocracia
Grão-Mestre
 • 1209 - 1239 Hermann von Salza
 • 1510 - 1525 Alberto, Duque da Prússia
História
 • 1230 Cruzadas do Norte
 • 1237 Absorvido por Livônia
 • 1404 Aquisição da Marca do Norte
 • 1440 As cidades da Liga Hanseática1, fundam a Confederação Prussiana
 • 1467–1479 Guerra dos Sacerdotes
 • 1525 Reforma Protestante
1. As cidades Hanseáticas que se rebelaram frente aos cavaleiros teutónicos em 1440 foram Danzig (Gdańsk), Elbing (Elbląg) y Thorn (Toruń)

O Estado da Ordem Teutónica (em alemão: Deutschordensland ), também conhecido como Estado dos Cavaleiros Teutônico Monástica ou Ordensstaat[1] («Orden-Estado»), foi formado em 1224 durante as cruzadas bálticas, quando os cavaleiros da Ordem Teutónica conquistaram os prússios pagãos ( em latim: Prutenii - velhos prussianos).

Em 1237, os Irmãos Livônios da Espada, que controlavam a Livônia foram incorporadas à Ordem Teutónica como um ramo autónomo.[2] Em 1410, após sua derrota na Batalha de Grunwald, a ordem entrou em declínio e a sua filial da Livônia foi para a Confederação da Livônia que havia sido criada em 1422-35.[3]

Em 1346, o Ducado de Estónia foi vendido pelo rei da Dinamarca por 19 000 marcos de Colónia à Ordem Teutónica. A alteração da soberania da Dinamarca à Ordem Teutônica teve lugar a 1 de novembro de 1346.[4][5]

As terras teutônicas na Prússia foram divididas em 1466, após a Paz de Thorn: a parte ocidental da Prússia teutônica se tornou a Prússia Real, que tornou-se, então, mais uma parte da Polônia; o Estado Monástico do Oriente foi secularizado em 1525 durante a Reforma Protestante, quando foi substituído pelo Ducado da Prússia, um feudo polonês, governado pela Casa de Hohenzollern.

Em textos antigos e em latim, o termo Prut(h)enia refere-se igualmente à Prússia Teutónica, Prússia Real e ao Ducado da Prússia. O adjetivo correspondente contemporâneo é prut(h)énico (veja a coleção de 1551 celestial tabelas, tabelas pruténicas, Prutenicæ Tabulæ Cœlestium Motuum).

Antecedente[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Cruzadas do Norte

A Prússia tinha resistido a numerosas tentativas de conquistas de holandeses antigos. Boleslau I, o Bravo da Polônia começou uma série de conquistas infrutíferas quando ele enviadas Adalberto de Praga, em 997. Em 1147, Boleslau IV da Polônia atacou a Prússia com a ajuda das tropas russas, mas não pode conquistá-la. Eles seguiram a outras inúmeras tentativas e, sob o domínio do duque Conrado I da Mazóvia, foram intensificadas, com grandes batalhas e cruzadas em 1209, 1219 e 1220 1222..[6]

Os prussianos bálticos ocidentais tinha repelido a maioria das campanhas com sucesso. No entanto, os prussianos e sudovianos no Sul tinham conquistado o seu território. A terra dos sudovianos foi na área do atual Podlesia. Os prussianos tentaram derrotar as forças polonesas ou mazovianas de Sudóvia e Kulmerland ou terra de Chełmno, que já tinha sido parcialmente conquistada, devastada e quase despovoada. O duque Conrado de Mazovia já tinha chamado uma cruzada contra os prussianos em 1208, mas não teve sucesso. Conrado, primeiro Bispo da Prússia, estabelecida a Ordem de Dobrin, um pequeno grupo de 15 cavaleiros. A ordem, no entanto, logo foi derrotada e, em resposta, o papa proclamou uma nova cruzada e pediu a ajuda dos cavaleiros teutónicos.

Como resultado, vários éditos convocaram os cruzados contra os prussianos. As cruzadas, com a participação de muitos cavaleiros europeus, duraram sessenta anos.

Em 1211, André II da Hungria concedeu o feudo de Hărman para os cavaleiros teutónicos, embora em 1225 expulsa-los da Transilvânia e eles tiveram que ir para o mar Báltico.

No início de 1224, o imperador Frederico II anunciou em Catânia que Livônia, Prússia com Sambia e algumas províncias vizinhas estavam sob imediatismo imperial (em alemão: Reichsfreiheit). Este decreto subordinava as províncias diretamente à Igreja Católica e ao Imperador Romano-Germânico, em vez de estar sob a jurisdição dos governantes locais.

Anunciou no final de 1224, o papa Honório III para toda a cristandade a nomeação do bispo Guilherme de Módena como legado papal para Livônia, Prússia e outras terras.

Como resultado da Bula Dourada de Rimini e da bula de Rieti, a Prússia entrou na posse da Ordem Teutônica. Sob seu governo, florestas foram desmatadas, as zonas pantanosas foram secas e terras cultivadas, fundando-se muitas vilas e aldeias, incluindo Marienburg (hoje Malbork) e Königsberg (hoje Kaliningrado).

História subsequente[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ordem Teutónica

Século XIII[editar | editar código-fonte]

Estado Teutônico em 1260
Estado Teutônico em 1410

Em 1234, a ordem teutónica assimilou os restantes dos membros da Ordem de Dobrin, em 1237, os Irmãos Livônios da Espada (estabelecidos em Livónia em 1202), cuja assimilação aumentou suas terras com a adição dos territórios que são hoje conhecidos como a Letónia e a Estónia.

Em 1243, O legado papal Guilherme de Módena dividiu a Prússia em quatro bispados: Culmerlândia, Pomesânia, Vármia e Sambia. Os bispados eram governados pelo Arcebispado de Riga desde a cidade-mãe de Visby em Gotlândia.

Século XIV[editar | editar código-fonte]

No início do século XIV, o Ducado da Pomerânia, uma região vizinha, entrou em guerra contra a Polónia e a Marca de Brandemburgo, a oeste. Os marqueses de Brandemburgo, que tinham governado a Pomerélia na década de 1250, assinaram um tratado de 8 de agosto de 1305 com Venceslau III da Boêmia, Rei da Polônia.

Na aquisição de Danzig teutônica, os cavaleiros teutônicos se apoderaram da cidade em novembro de 1308. A ordem tinha sido chamada pelo rei Vladislau I da Polônia. Segundo fontes históricas,[qual?] muitos dos habitantes da cidade, poloneses e alemães, foram massacrados. Em setembro de 1309, o marquês de Brandemburgo, Valdemar vendeu seu direito ao território para a Ordem Teutónica, no valor de 10 000 marcos pelo Tratado de Soldin. Isso marcou o começo de uma série de conflitos entre a Polónia e os cavaleiros teutónicos quando a ordem continuou incorporando territórios em seus domínios.

A posse de Danzig pela Ordem Teutónica foi disputada pelos reis da Polónia Ladislau I e Casimiro, o Grande, como confirma uma série de guerras sangrentas e, finalmente, para batalhas legais na corte papal em 1320 e 1333. Finalmente, em 1343, foi assinada a paz, o Tratado de Kalisz, onde a Ordem Teutônica concordou que a Polônia poderia governar a Pomerélia como um feudo e, portanto, os reis poloneses mantiveram o direito ao título de Duque da Pomerânia.

Século XV[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra dos Treze Anos
Estado teutônico em 1466

Em 1402, a Ordem Teutônica comprou de Brandemburg a Marca do Norte e manteve-a até que ela fosse vendida ou penhorado novamente em 1454 e 1455, respectivamente, pelos tratados de Cölln e Mewe.

Eclodiu em 1410, com a morte de Roberto da Germânia, a Guerra Polaco–Lituana–Teutônica, uma guerra entre os cavaleiros teutónicos e a União polaco-lituana suportados pelas forças auxiliares de russos e tártaros. Polônia e Lituânia derrotaram os cruzados na Batalha de Grunwald (Tannenberg). A ordem atribuiu a Heinrich von Plauen a defensa da Pomerânia, que agiu rapidamente para reforçar a defesa do Castelo de Malbork, na Prússia. Heinrich von Plauen foi eleito vice-mestre e levou os cavaleiros teutónicos para defender o local de Marienburg em 1410. Finalmente, von Plauen foi promovido a grão-mestre e, em 1411, concluiu o primeiro Tratado de Espinho, com o rei Vladislau II da Polónia.

Em março de 1440, a Gentry (principalmente da Culmerlândia) e das cidades hanseáticas de Danzig, Elbląg e Toruń e outras cidades prussianas fundaram a Confederação Prussiana, livre do domínio da Ordem Teutónica. Devido às grandes perdas e custos após a guerra contra a Polônia e a Lituânia, a Ordem Teutónica aumentou mais os já altos impostos. Por outro lado, as cidades não podiam se representar na Ordem Teutónica. Em fevereiro de 1454, a Confederação Prussiana interessou ao rei Casimiro IV Jagelão da Polônia sobre um possível apoio a uma rebelião para incorporar a então Prússia na Polónia. O rei Casimiro IV e as cidades concordaram e teve início a Guerra dos Treze Anos. A segunda paz de Thornem, em outubro de 1466, acabou com a guerra e, supostamente, a Ordem Teutónica transferiu os seus direitos sobre a metade leste de seu território para a coroa polonesa, que se tornou a província da Prússia Real e a parte restante das terras da ordem tornou-se um feudo da Polônia.

Século XVI[editar | editar código-fonte]

Durante a Reforma Protestante, convulsões religiosas e guerras endémicas ocorreram na região. Em 1525, durante a Guerra polaco-teutónica (1519-1521), Sigismundo II Augusto da Polônia e seu sobrinho, o último grão-mestre da ordem teutónica, Alberto de Brandemburgo-Ansbach, membro de um ramo da Casa de Hohenzollern, concordaram que este último iria renunciar à sua posição, e iria adotar a fé luterana e assumiria o título de Duque da Prússia. Desde então nomeada Ducado da Prússia (em alemão: Herzogliches Preußen; em polonês: Prusy Książęce), manteve-se como um feudo polonês. Assim, em um acordo mediado em parte por Martinho Lutero, o Estado católico romano teutônico foi transformado no Ducado da Prússia (em alemão: Herzogtum Preußen), o primeiro Estado protestante. O consentimento de Sigismundo II obrigava a submissão Alberto à Polônia, que veio a ser conhecida como a Prússia.

Os Habsburgos continuaram a manter sua reivindicação sobre a Prússia e nomearam grandes professores que eram meramente titulares administradores da Prússia. Em 1618, o Ducado da Prússia tornou-se o ramo principal da Casa de Hohenzollern, os marqueses e Eleitores de Brandemburgo, que governavam Brandemburgo (um feudo do Sacro Império Romano-Germânico) e o Ducado da Prússia (um feudo polonês), em União pessoal. Esta contradição jurídica fez com que a vinculação transfronteiriça fosse verdadeiramente impossível, no entanto, na prática, Brandemburgo e a Ducado da Prússia eram governadas cada vez mais como uma unidade, coloquialmente chamado de Brandemburgo-Prússia, que funcionava com uma união pessoal.

Frederico Guilherme, Duque da Prússia e Eleitor de Brandemburgo, tentou adquirir a Prússia Real para conectar-se territorialmente seus dois feudos. A oportunidade veio quando Carlos X Gustavo da Suécia, na tentativa de conquistar a Polônia prometeu ceder a Federico Guillermo o principado episcopal de Ermland e quatro outras voivodias, se Federico Guillerme apoiasse a campanha sueca. Esta oferta foi especulativa, já que o duque-eleitor Federico Guillerme teria de comprometer-se a apoiar a campanha militar, enquanto que o prêmio era condicionado à vitória.

João II Casimiro Vasa antecipou a aliança sueco-prussiana mediante apresentação de uma contra-oferta, e o duque-eleitor Federico Guillerme aceitou. Assinada a 29 de julho de 1657 em Wehlau (em polonês: Welawa (hoje Znamensk) no Tratado de Wehlau.) Para alterar a decisão de Federico Guillermo de participar da aliança sueco-prussiana, João II Casimiro reconhecia a Frederico a plena soberania sobre o Ducado da Prússia.

Em 1701, após quase 200 anos de soberania da Polônia, a Prússia recuperou a soberania total, condição necessária para elevar o Ducado da Prússia ao soberano Reino da Prússia (que não deve ser confundido com a polaca Prússia Real). A natureza de fato da governança coletiva de Brandemburgo-Prússia tornou-se mais evidente com os títulos dos líderes sênior do governo prussiano, estabelecido em Berlim, capital de Brandemburgo. No entanto, a fusão legal do Reino da Prússia (Estado soberano) com Brandemburgo (um feudo do Sacro Império Romano-Germânico) só foi alcançada após a dissolução do Sacro Império em 1806.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. France, John (2005). The Crusades and the Expansion of Catholic Christendom, 1000-1714. New York: Routledge. p. 380. ISBN 0415371287 
  2. Housley, Norman (1992). The later Crusades, 1274-1580. [S.l.: s.n.] p. 371. ISBN 0198221363 
  3. Frucht, Richard C. (2005). Eastern Europe: An Introduction to the People, Lands, and Culture. [S.l.]: ABC-CLIO. 69 páginas. ISBN 1576078000 
  4. Skyum-Nielsen, Niels (1981). Danish Medieval History & Saxo Grammaticus. [S.l.]: Museum Tusculanum Press. p. 129. ISBN 8788073300 
  5. Housley, Norman (1992). The later Crusades, 1274-1580. [S.l.: s.n.] p. 371. ISBN 0198221363 
  6. Edward Henry Lewinski Corwin The Political History of Poland. 1917, The Polish Book Importing Company p. 45.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estado da Ordem Teutónica
  • Ordensland.de: cidades, castelos e paisagens dos Cavalheiros Teutônicos (em alemão).