Marca do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.



Nordmark
Marca do Norte

Estado do Sacro Império Romano

Blank.png
965 – 983
Localização de Marca do Norte
A Marca do Norte (em vermelho) entre a Marca Bilunga a norte e a Marca Saxónica Oriental (Marca da Lusácia) a sul
Continente Europa
Região Europa Central
País Alemanha
Capital Brandemburgo
Religião Católica
Luterana
Calvinista
Governo Monarquia
História
 • 965 Fundação
 • 983 Dissolução

A Marca do Norte (em alemão: Nordmark) foi criada a partir da divisão da vasta Marca de Gero (Marca Geronis) em 965. Inicialmente compreendia o terço norte desta (grosso modo correspondente ao moderno estado alemão de Brandemburgo) e era parte da organização territorial das regiões conquistadas aos vendos. Uma rebelião dos luticos (lutici) em 983 reverteu o controlo germânico sobre a região até à fundação da marca de Brandemburgo por Alberto, o Urso no século XII.

Antecedentes eslavos[editar | editar código-fonte]

Durante o período das migrações dos povos bárbaros, muitos povos germânicos começaram a emigrar para a região junto à fronteira romana. No nordeste estes foram substituídos principalmente por eslavos (veletos, depois luticos). Os primeiros eslavos estiveram com certeza na região de Brandemburgo até 720, depois da chegada dos ávaros à Europa. Estes eslavos tinham chegado via Morávia, onde chegaram em meados do século VII. Os restantes germânicos sêmnones foram absorvidos por estes grupos eslavos.

O grupo de pessoas que assentaram junto do rio Espreia ficaram conhecidas como esprevanos. Assentaram a leste da linha formada pelos rios Havel e Nuthe, nas regiões atuais de Barnim e Teltow. Construíram a sua fortificação principal na confluência dos rios Espreia e Dahme em Köpenick. Os hévelos viviam a oeste da linha, nas regiões atuais de Havelland e Zauche. Foram chamados hévelos pelo antigo nome germânico do rio Hábula (Havel). O nome com que se autodenominavam era Stodoranie. Construíram a sua fortificação principal em "Brena" (moderna Brandemburgo). Os hávelos também construíram um importante posto no presente local da Cidadela de Spandau, em Berlim. Os esprevanos e hávelos não apenas entraram em guerra com os seus vizinhos germanos mas também com os seus vizinhos eslavos.

História da Marca do Norte[editar | editar código-fonte]

Fundação e perda, 965–983[editar | editar código-fonte]

Tribos nas marcas do Norte e Bilunga ao tempo do levantamento dos luticos em 983.

Depois da Guerra Saxónica de 808, o vitorioso Carlos Magno concedeu a as tribos eslavas aliadas consigo (como os obodritas) parte das terras saxónicas entre o rio Elba e o mar Báltico. Seguiu-se um período de paz na região. Os bispados de Brandemburgo e de Havelberga foram fundados cerca de 940, iniciando-se a cristianização dos pagãos eslavos.

Henrique I da Alemanha conquistou Brandemburgo em 928-929 e impôs tributo sobre as tribos até ao rio Oder. Para 948 o seu filho Otão I tinha estabelecido controlo germano sobre os muitos pagãos restantes, que foram coletivamente referidos como eslavos ou vendos (wendos) pelos seus contemporâneos. Os assentamentos eslavos como Brena, Budišin (Bautzen), e Chotebuž (Cottbus) ficaram sob controlo germano mediante instalação de marqueses. A principal função do marquês era defender e proteger as marcas (distrito fronteiriço) do Reino da Alemanha. Depois da morte do marquês Gero, o Grande em 965, a vasta coleção de marcas (uma "super-marca") foi dividida por Otão em cinco comandos menores. A Marca do Norte foi uma destas. As outras foram a Marca Oriental, a Marca de Merseburgo, a Marca de Meissen e a Marca de Zeitz.

A rebelião de 983, iniciada pelos luticos (lutici), levou a um desmembramento factual das marcas do Norte e Bilunga bem como dos correspondentes bispados, embora se tenham eleito marqueses e bispos titulares. Até ao colapso da aliança luticos em meados do século XI, a expansão germânica em direção à Marca do Norte ficou em ponto morto e os vendos a leste do Elba permaneceram independentes durante aproximadamente 150 anos.

Marca de Brandemburgo[editar | editar código-fonte]

Wappen Mark Brandenburg.png
Wappen Preußen.png

História de Brandemburgo e da Prússia
Marca do Norte
pré-século XII
Prussianos
pré-século XIII
Marca de
Brandemburgo

1157–1618 (1806)
Ordem Teutônica
1224–1525
Ducado da Prússia
1525–1618
Prússia Real (polonesa)
1466–1772
Brandemburgo-Prússia
1618–1701
Reino na Prússia
1701–1772
Reino da Prússia
1772–1918
Estado Livre da Prússia
1918–1947
Região de Klaipėda
(Lituânia)
1920–1939 / 1945–presente
Brandemburgo
(Alemanha)
1947–1952 / 1990–presente
Territórios Recuperados
(Polônia)
1918/1945–presente
Oblast de Kaliningrado
(Rússia)
1945–presente

No início do século XII, os reis germanos restabeleceram o controlo sobre as terras com habitantes misturados eslavos nas fronteiras orientais do Sacro Império Romano-Germânico. Em 1134, por causa da Cruzada contra os vendos de 1147, foi concedida a Marca do Norte ao magnate alemão Alberto, o Urso pelo imperador Lotário III. Os eslavos foram subsequentemente assimilados pelos colonos alemães durante o Ostsiedlung. A Igreja sob Alberto fundou dioceses, que com as suas cidades amuralhadas protegiam os cidadãos de ataques. Com a chegada de monges e bispos começava a nova história registada da cidade de Brandemburgo, de onde se desenvolveria o margraviado homónimo.

O controlo de Alberto da região foi nominal durante várias décadas, mas envolveu-se numa variedade de ações militares e diplomáticas contra os vendos. Em 1150, Alberto formalmente herdou Brandemburgo do último governante hevelli, o cristão Pribislav. Alberto e os seus descendentes da Casa de Ascânia fizeram consideráveis progressos na cristianização dos territórios capturados.

Lista de marqueses[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Reuter, Timothy. Germany in the Early Middle Ages 800–1056. New York: Longman, 1991.
  • Thompson, James Westfall. Feudal Germany, Volume II. New York: Frederick Ungar Publishing Co., 1928.