Batalha de Yorktown

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Yorktown
Guerra da Independência dos Estados Unidos
Surrender of Lord Cornwallis.jpg
Capitulação de Cornwallis em Yorktown - John Trumbull (1820)
Data 28 de setembro – 19 de outubro de 1781
Local Yorktown, Virgínia
Desfecho Vitória franco-americana;
Beligerantes
US flag 13 stars – Betsy Ross.svg Estados Unidos
Royal Standard of the King of France.svg França
 Grã-Bretanha
Comandantes
US flag 13 stars – Betsy Ross.svg George Washington
Royal Standard of the King of France.svg Marquês de La Fayette
Royal Standard of the King of France.svg Comte de Rochambeau
Royal Standard of the King of France.svg Comte de Grasse
Union flag 1606 (Kings Colors).svg Charles Cornwallis White flag icon.svg
Union flag 1606 (Kings Colors).svg Charles O'Hara White flag icon.svg
Union flag 1606 (Kings Colors).svg Thomas Symonds White flag icon.svg
Forças
França: 7 800–8 800 soldados
29 navios de guerras[1]
Americanos: 8 000 soldados
3 100 milicianos[1]
Total: 18 900 combatentes
9 000 soldados (incluindo tropas alemães)[2]
Baixas
88 mortos
301 feridos[3]
142–309 mortos;
326–595 feridos;
7 416–7 685 capturados[4]

A Batalha de Yorktown ocorreu em 1781 durante a Guerra de Independência dos Estados Unidos entre 26 de setembro e 19 de outubro de 1781.[5] Nessa batalha, forças rebeldes dos Estados Unidos foram apoiadas pelos franceses. Seus principais comandantes foram George Washington e Marquês de La Fayette, pelos americanos, e Lorde Cornwallis dos ingleses.[6]

Em 1780, as primeiras forças francesas desembarcaram nos Estados Unidos para apoiar as Treze Colônias em sua rebelião contra o domínio britânico.[7] Em agosto, uma força de 3 mil americanos, liderados por George Washington, e 4 mil franceses marcharam para a Virgínia.[8] O general francês François Joseph Paul de Grasse trouxe mais tropas por navio para a região, sendo que durante o trajeto sua frota sobrepujou uma onda de navios britânicos que veio para barrar seu caminho.[9] Um mês depois, as forças franco-americanas (que tinham o dobro do tamanho da britânica) cercaram a fortaleza inglesa em Yorktown.[10]

O principal forte britânico em Yorktown onde Charles Cornwallis, então comandante-em-chefe do exército inglês na América do Norte, estava entrincheirado, começou a ser bombardeado em 28 de setembro, por mar e por terra. Os aliados então investiram três vezes contra as forças britânicas, com pouco sucesso. Contudo, a situação dos ingleses começou a se deteriorar enquanto as baixas acumulavam e as provisões se tornavam escassas.[11] Em 14 de outubro, o general Washington atacou as linhas do inimigo, enfraquecendo-as. No dia 17 do mesmo mês, os militares britânicos citiados em Yorktown propuseram termos para a rendição. Dois dias depois, Cornwallis e seus oficiais formalmente entregaram suas espadas e renderam suas forças.[12]

A rendição inglesa em Yorktown marcou o fim da resistência armada britânica à independência dos Estados Unidos. Dois anos depois, um tratado foi assinado entre os países, colocando um fim nas hostilidades. Por este acordo, os britânicos formalmente reconheceram a emancipação dos Estados Unidos e sua secessão do restante do império britânico.[13]

Referências

  1. a b Lengel p.337
  2. Lengel p.330
  3. Greene, p. 307
  4. Greene, pp. 307–308
  5. Batalha de Yorktown - visita em 31/07/2011
  6. Johnston, Henry Phelps. The Yorktown Campaign and the Surrender of Cornwallis, 1781. (New York: 1881) page 156; accessed 5 October 2009
  7. Fleming p.16
  8. Davis p.21
  9. Lengel p.336
  10. Davis p.195
  11. Davis, Burke (2007). The Campaign that Won America. New York: HarperCollins. ISBN 978-0-8368-5393-3 
  12. Johnston, Henry Phelps. The Yorktown Campaign and the Surrender of Cornwallis, 1781. (New York: 1881) page 156; página acessada em 5 de outubro de 2009
  13. Alden, John (1969). A History of the American Revolution. New York: Da Capo Press. ISBN 978-0-306-80366-6 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]