Bernile Nienau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Bernhardine Nienau
Nascimento 20 de abril de 1926
Dortmund, Alemanha
Morte 5 de outubro de 1943 (17 anos)
Munique
Nacionalidade alemã

Bernhardine Nienau (Dortmund, 20 de abril de 1926Munique, 5 de outubro de 1943), era uma garota judia alemã que ficou conhecida como "Filha do Führer" por causa de sua estreita amizade com Adolf Hitler, que durou de 1933 a 1938.

Em 2018, uma foto em que Hitler aparece ao lado da menina, então com 6 anos de idade, e na qual há uma dedicatória — "À querida e apreciada Rosa Nienau. Adolf Hitler, Munique, 16 de junho de 1933" — foi arrematada em leilão por 11520 dólares.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Nienau nasceu em Dortmund como filha única de Bernhard Nienau, um médico (23 de junho de 1887 — 29 de fevereiro de 1926). Seu pai morreu pouco antes de ela nascer. Sua mãe, Karoline, nascida Helwig, enfermeira (15 de março de 1892 — 26 de julho de 1962) mudou-se para Munique e comprou uma casa por volta de 1928. A avó de Bernile, Ida Voit, professora católica romana de ascendência judia, viúva ou divorciada de Karoline Helwig, nascida Morgenstern (18 de julho de 1867 — 29 de dezembro de 1942) também morava com elas. Provavelmente por instigação de sua mãe, Bernile pressionou na primavera de 1933 na vanguarda do fluxo de visitantes em Obersalzberg para atrair a atenção de Adolf Hitler. A partir desse contato, desenvolveu ela uma "amizade" que durou até 1938. Nos Arquivos Federais em Berlim, há dezessete cartas que a menina escreveu, provavelmente com a ajuda de sua mãe, para Hitler e seu assistente principal Wilhelm Brückner.

O fato de que Bernile poderia ser considerada um quarto judeu por causa de sua avó já era conhecido por Hitler em 1933.[2] Em 19 de abril de 1938, o ajudante de Hitler, Fritz Wiedemann descreveu a desconsideração de Hitler por seus antepassados ​​judaicos para subordinar os escritórios do partido como "uma atitude puramente humana em relação à criança". No entanto, quando Martin Bormann ficou sabendo da falta de "sangue alemão", a menina e sua mãe foram proibidas de aparecer em Berghof. Hitler ficou sabendo disso porque seu fotógrafo pessoal, Heinrich Hoffmann, reclamou que Bormann o havia proibido de continuar publicando fotos mostrando o Führer como "sua filha". Em seu livro "Hitler como eu o vi", Hoffmann escreve que Hitler disse sobre Bormann: "Há pessoas que têm um verdadeiro talento para estragar toda a minha alegria." Enquanto livro ilustrado de Hoffmann "Juventude em torno de Hitler", que incluiu as fotografias de Hitler com Bernile continuou a vender. Por volta de maio Em 1938, a mãe foi oficialmente solicitada a interromper qualquer contato com líderes partidários.

Bernile, que aprendeu a profissão de desenho técnico, faleceu em 5 de outubro de 1943, aos 17 anos, no Hospital Schwabing de poliomielite espinhal. Seu túmulo está localizado no Cemitério Oeste de Munique.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. msn.com/ A menina de origem judaica abraçada por Hitler
  2. «'The Führer's child': How Hitler came to embrace a girl with Jewish roots». Washington Post (em inglês). Consultado em 14 de novembro de 2018 
  3. Rundfunk, Bayerischer (5 de setembro de 2013). «Bayern - Land und Leute | BR.de» (em alemão)