Bicho-do-coco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Como ler uma infocaixa de taxonomiaBicho-do-coco
Pachymerus nucleorum.jpg
Pachymerus nucleorum leg.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropodibus
Classe: Insecta
Ordem: Coleoptera
Família: Bruchidae
Género: Pachymerus
Espécie: P. nucleorum
Nome binomial
Pachymerus nucleorum
(Fabricius, 1792)

O bicho-do-coco (Pachymerus nucleorum) é uma larva de besouro da família dos bruquídeos. Possui ampla distribuição brasileira, que se desenvolve no interior do fruto de várias palmáceas, como o babaçu, o coqueiro, a carnaúba, entre outras. Ele também é conhecido pelos nomes de gongo, Coró e morotó. Pachymerus nucleorum se instala dentro de frutos, e que por isso também é conhecida como “larva do coquinho[1]

Cultura e gastronômico[editar | editar código-fonte]

É uma espécie muito encontrada no Maranhão, sendo uma iguaria na região e de valor cultural e gastronômico para o Maranhão em si. Seu consumo faz parte de brincadeiras na zona rural e de treinamentos de sobrevivência na selva.

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Nucleorum colocam os ovos na superfície dos frutos, e depois de cerca de 10 dias, a larva eclode e penetra na semente, onde se desenvolve. A larva se alimenta fazendo movimentos circulares e ao final do desenvolvimento ocupa praticamente todo o interior do endocarpo, onde empupa fazendo uma espécie de casulo com restos de fezes e material oriundo da alimentação. A construção de casulos desse tipo é comum em besouros da tribo Pachymerini (Southgate 1979).

Em laboratório, observou-se que o estágio de pupa dura aproximadamente um mês. O indivíduo adulto apresenta coloração cinza escuro e cerca de 1cm de comprimento. O ciclo de vida de P. nucleorum em sementes de A. arenaria é muito semelhante ao encontrado para esse mesmo bruquíneo em sementes de dendê, licuri, babaçu e piassava.[2][3]


Referências

  1. G1, Tadeu MeniconiDo; Paulo, em São (18 de maio de 2013). «Recomendado pela ONU, consumo de insetos na dieta já ocorre no Brasil». Natureza. Consultado em 1 de maio de 2019 
  2. [Seed predation on Allagoptera arenaria (Gomes) O'Kuntze (Arecaceae) by Pachymerus nucleorum Fabricius (Coleoptera, Chrysomelidae, Bruchinae)] Revista Brasileira de Entomologia 52(1) · Janeiro 2008 - DOI: 10.1590/S0085-56262008000100009
  3. The palm tree Syagrus oleracea (Mart.) Becc. Scientia Horticulturae 225(65):73 · Novembro 2017-DOI: 10.1016/j.scienta.2017.06.054
Ícone de esboço Este artigo sobre insetos, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.