Bombeiro voluntário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Bombeiro Voluntário é a pessoa que, embora tenha recebido treinamento de bombeiro, não exerce esta atividade como profissão, fazendo-a sem remuneração por escolha própria. Por isso são chamados de voluntários e não bombeiros comunitários pois no trabalho comunitário, apesar de também ser feito sem remuneração, sua motivação normalmente decorre de outros motivos como determinações judiciais, credos religiosos, entre outros.

História[editar | editar código-fonte]

Embora atualmente transcendam a atividade de combate e prevenção de incêndios, atuando também em diversas ações de busca, resgate e salvamento, bem como ações de defesa civil o serviço de bombeiros teve sua origem quando o homem primitivo abandonou as cavernas e passou a formar pequenos núcleos de população, levando consigo o fogo para trazer-lhe segurança, e bem-estar. Contudo o homem passou também a ter que se prevenir ou realizar ações de emergência, pois às vezes o fogo voltava-se contra ele. Dessa forma, o homem primitivo teve de regular o uso do fogo, inclusive tendo de estabelecer vigilância sobre o povoado enquanto se ausentava para buscar alimentos.[1] Tal serviço de vigilância não era remunerado, nem tampouco ligado a qualquer organização, mas decorria da necessidade de todos, dessa forma, pode-se estabelecer que os primeiros a desempenhar funções de serviço de incêndios foram voluntários.

Com o passar dos anos o serviço foi sendo aperfeiçoado conforme novos incêndios iam acontecendo, até que em 22. a.C um grande incêndio devastou a capital do Império Romano levando o Imperador César Augusto a criar um grupo pessoas que seriam responsáveis pela segurança de Roma, os "vigiles" sendo este considerado o primeiro corpo de bombeiros a ser criado[2].

No mundo[editar | editar código-fonte]

Nos Estados unidos apenas 9% dos bombeiros são contratados, o restante é voluntário.

No Chile, país onde foi registrado o maior tremor de terra do planeta, com 9,5 graus, 100% dos bombeiros são voluntários e mesmo assim o país tem cerca de 2,2 bombeiros para cada mil habitantes, enquanto no Brasil a proporção é de 0,5 bombeiro para cada mil habitantes.[3]

Em Portugal mais de 90% dos 30.000 bombeiros portugueses são voluntários. Estima-se que as associações de bombeiros voluntários surgiram em Portugal há 650 anos. A Liga dos Bombeiros Portugueses declarou em 2016 que o orçamento do Estado para bombeiros é insuficiente para manter corpos de bombeiros profissionais e que, com o orçamento atual, não daria para manter sequer dois deles.[4]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil o serviço de bombeiros é exercido em grande maioria das vezes por meio de Corpos de Bombeiros Militares ligados ou não às respectivas polícias militares dos estados ou do Distrito Federal, contudo apenas 14% dos 5.570 municípios tem Corpos de Bombeiros Militares [5] com isso algumas cidades optaram pelo serviço de Bombeiros Civis Profissionais ou Voluntários

Apesar de os Bombeiros Civis no Brasil inicialmente terem sido criados para o atendimento a indústrias e aglomerações como shows e shoppings, com a necessidade de se prestar o serviço para a comunidade também nas ruas, foram criados Corpos de Bombeiros Voluntários.

No Espírito Santo[editar | editar código-fonte]

Os Bombeiros Voluntários de Santa Maria de Jetibá, há mais de uma década, exercem atividades de prestação de serviço à comunidade local e às cidades vizinhas.

Em Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

Os Bombeiros Voluntários de Joinville são a mais antiga corporação civil de bombeiros no Brasil, com 120 anos, sendo que atualmente dois a cada 3 bombeiros de Joinville são voluntários.

No Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

No Rio Grande do Sul o serviço de bombeiros civis voluntários é regulado pela Voluntersul na qual constam como associadas as associações[6]:

  • CBV Garibaldi;
  • CBV Campinas do Sul;
  • CBV Nova Petrópolis;
  • CBV São Sebastião do Caí;
  • CBV Cadelaria;
  • CBV Tapejara
  • CBV Marau
  • CBV Sobradinho
  • CBV Teutonia
  • CBV Rolante
  • CBV Jacutinga
  • CBV Carlos Barbosa
  • CBV Tapes
  • CBV Serafina Correira
  • CBV Igrejinha
  • CBV Charqueadas
  • CBV Paço do Sobrado
  • CBV São José do Ouro
  • CBV Picada Café
  • CBV Arvorezinha
  • CBV Eldorado do Sul
  • CBV Harmonia
  • CBV São José Hortêncio;
  • CBV Barracão
  • CBV Agudo
  • CBV Baqueirão do leão
  • CBV Salvador do Sul e São Pedro da Serra;
  • CBV Imicol
  • CBV Paraíso do Sul
  • CBV Faxinal Noturno
  • CBV Sananduva
  • CBV Parque Eldaorado
  • CBV Machadinho
  • CBV Butiá
  • CBV Ronda Alta
  • Força tarefa GAC

Em São Paulo[editar | editar código-fonte]

Apesar de São Paulo possuir a melhor legislação de prevenção de incêndios do país[7] e de seus bombeiros estarem constantemente entre os melhores, é um estado com poucas unidades de Bombeiro Civil Profissional ou Voluntário.

Em Sâo Paulo as associações do Sistema GBCV[8] representam a maior parte das unidades oficialmente instaladas para serviço de Bombeiros Civis Voluntários. O sistema foi fundado em 2012 e permanece em atividade nas unidades:

  • GBCV Várzea Paulista;
  • GBCV Campo Limpo paulista;
  • GBCV Baixa Mogiana;
  • GBCV Alta Sorocabana.

Referências

  1. VOLUNTERSUL. «Bombeiros Voluntários» 
  2. ENBC, Esquadrão Nacional de Bombeiros Civis e Voluntários. «Breve História Sobre os Bombeiros» 
  3. EMERGÊNCIA NEWS. «Emergência News entrevista bombeiro chileno» 
  4. OBSERVADOR. «Como é ser bombeiro em Portugal» 
  5. G1, Fantástico. «Reportagem G1» 
  6. VOLUNTERSUL. «Corporações» 
  7. GOVERNO DE SÃO PAULO (2015). Lei Complementar 1.257/2015. São Paulo: [s.n.] 
  8. GBCV. «Institucional GBCV» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Esta categoria lista os artigos sobre biografias de bombeiros.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bombeiro voluntário
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.