Boris Godunov (ópera)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Boris Godunov
(personagem-título)
Idioma original Russo
Compositor Modest Mussorgsky
Libretista Modest Mussorgsky
Tipo do enredo Épico
Número de atos 4, precedidos de um prólogo
Número de cenas 9
Ano de estreia 1874
Local de estreia Teatro Mariinsky, São Petersburgo

Boris Godunov é uma ópera de Modest Mussorgsky, baseada no drama homônimo de Alexander Pushkin. Estreou em 8 de fevereiro de 1874 no Teatro Mariinsky, em São Petersburgo.

Sob muitos aspectos, a mais "russa" de todas as óperas, é um espetáculo grandioso e sombrio em que, o povo russo, ao mesmo tempo sofredor e invencível, desempenha o papel principal. Mussorgsky investiu enorme energia nessa obra. Escreveu o libreto, que condensou o drama de Pushkin, e fez uma revisão completa da partitura após sua rejeição pelo Teatro Mariinsky. A trama era aceitável aos Romanov por descrever a desordem na Rússia no início do século XVII, muito antes de sua ascensão ao poder. Era também patriótica, retratando a resistência a uma invasão polonesa. Acima de tudo, com seus coros e árias melancólicas permeados por canções folclóricas e cantos ortodoxos, Boris Godunov assemelha-se a um vasto tableau vivant da conturbada história da Rússia e de sua alma torturada.

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Boris Godunov, Tsar da Rússia (Baixo)
  • Fyodor, seu filho (Mezzo-soprano)
  • Xenia, sua filha (Soprano)
  • Grigory, diz ser Dimitry (Tenor)
  • Marina, Filha de um governador polonês (Mezzo-soprano)
  • Rangoni, um jesuíta (Barítono)
  • Príncipe Shuisky, conselheiro de Boris (Tenor)
  • Pimen, um monge (Baixo)
  • Grigory, um monge (Baixo)
  • O Idiota, um místico (Tenor)

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Cartaz de uma produção francesa da ópera

[editar | editar código-fonte]

Diante do mosteiro de Novodevitchy, guardas mandam a multidão implorar a Boris Godunov que aceite suceder o Tsar Fyodor. Em Moscou, Boris é coroado e o povo celebra sua aparição, mas o Tsar está cheio de maus pressentimentos.

Ato I[editar | editar código-fonte]

O baixo russo Feodor Chaliapin no grande papel de Boris Godunov.

Seis anos depois, no mosteiro de Chudvov, o padre Pimen escreve a crônica da história russa. Grigory, outro monge desperta, e Pimen recorda Ivan, o terrível e seu filho, Fyodor. Pimen afirma que os assassinos de Dimitry, o jovem meio-irmão de Fyodor, confessaram a ordem de Boris e observam que hoje Dimitry teria a idade de Grigory. Num albergue perto da Lituânia, Grigory entra com dois monges mendicantes. Guardas vem prendê-lo e ele foge.

Ato II[editar | editar código-fonte]

Boris reconforta sua filha, Xenia e diz ao filho, Fyodor que estude com afinco. Avalia então, triste, seu terrível destino, sempre com o sono conturbado por imagens de uma criança ensanguentada. Shuisky, vem falar de Dimitry, pretendente ao trono de Boris. O monarca responde que uma criança morta não pode desafiar tsar coroado, mas se pergunta se o menino morto era mesmo Dimitry. Quando Shuisky descreve as feridas em seu corpo, Boris vê o fantasma de Dimitry. Em pânico, implora misericórdia a Deus.

Ato III[editar | editar código-fonte]

Num castelo na Polônia, Marina, a filha do governador, sonha tornar-se tsarina. O jesuíta Rangoni a exorta a converter a Rússia ortodoxa ao catolicismo. Para isso, diz, ela deve seduzir Grigory. Marina objeta, mas Rangoni a repreende. Ali perto, Grigory sonha com ela. Marina afirma que só o trono russo a tenta. Com raiva, ele responde que, uma vez coroado, rirá dela. Ela declara-lhe amor.

Ato IV[editar | editar código-fonte]

O Idiota tem seu último copeque roubado por moleques e pede a Boris que os mate, assim como matou Dimitry. Boris pede suas oreções, mas o místico responde que não pode rezar por Herodes. Transtornado, Boris aparece no conselho dos boiardos, imaginando que o pequeno Dimitry está vivo. Pimen relata um milagre no túmulo do menino. Sufocando, Boris nomeia o filho, seu sucessor e morre. Numa floresta, Grigory convoca o povo russo a segui-lo. A multidão se afasta e o Idiota chora lágrimas amargas pela Rússia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]