Cícero Leuenroth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cícero Leuenroth
Nascimento 15 de junho de 1907
Morte 27 de dezembro de 1972 (65 anos)

Cícero Leuenroth (Rio de Janeiro, 15 de junho de 1907- Los Angeles, 27 de dezembro de 1972) foi um publicitário brasileiro.

Filho de Eugênio Leuenroth, um dos pioneiros da propaganda no Brasil,[1] estudou administração e propaganda, na Columbia University e, depois de trabalhar em algumas agências de propaganda nos Estados Unidos, voltou para o Brasil em 1927. Trabalhou no Citibank e, depois, em A Eclética, a primeira agência de propaganda profissional criada no Brasil - da qual seu pai, Eugênio, era sócio. Em 1933, depois de desentender-se com o pai, decidiu fundar a sua própria agência, a Empresa de Propaganda Standard (depois Standard Propaganda), em sociedade com Pery de Campos e João Alfredo de Sousa Ramos, no Rio de Janeiro.[2]

Em 1937, a Standard monta um estúdio de gravações adequado ao rádio embora, na época, o rádio não fosse considerado como mídia tão importante como a impressa. O pequeno estúdio daria origem à RGE - Rádio Gravações Especializadas, a primeira empresa brasileira na gravação de jingles e spots, fundada em 1948, por José Scatena e Cícero Leuenroth. Posteriormente, a RGE seria também importante estúdio de gravação de discos.[3]

Em 1942, foi um dos fundadores do IBOPE. Em 1937, foi também um dos fundadores da ABP – Associação Brasileira de Propaganda, entidade que presidiu entre 1946 e 1947.[1]

Em 1969, iniciaram-se as negociações para a venda da Standard para Ogilvy & Mather. O processo foi concluído em 1972, quando agência passou a se chamar Standard, Ogilvy & Mather.[4] No mesmo ano, Cícero faleceu, nos Estados Unidos, onde fora visitar sua filha, Olívia Hime.[1]

Referências

  1. a b c Associação Brasileira de Propaganda. Dicionário histórico-biográfico da propaganda no Brasil
  2. Standard Propaganda - História.[ligação inativa]
  3. Peça Publicitária no Contexto da Paisagem Sonora Brasileira nas Décadas de 1930 e 1940: Do “Pão Bragança” à “Coca Cola”.[ligação inativa], por Marcos Júlio Sergl. São Paulo, 12 a 14 de maio de 2011. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, p.6.
  4. FGV - CPDOC - ABP Edeson Ernesto Coelho (depoimento, 2004)[ligação inativa]
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.