Código Adam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde abril de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Código Adam é um programa de segurança para crianças desaparecidas nos Estados Unidos e Canadá, originalmente criado pelas lojas de retalho Wal-Mart em 1994[1]. Tem o nome em memória de Adam Walsh, o filho de 6 anos de John Walsh (o apresentador do programa da Fox America's Most Wanted). Adam foi raptado na loja Sears na Flórida em 1981 e nunca foi encontrado. Hoje, muitas lojas, retalhistas, centros comerciais, supermercados, parques de diversões, hospitais e museus participam no programa do Código Adam. A legislação decretada pelo Congresso em 2003 agora exige que todos os edifícios federais tenham o programa.

O Wal-Mart juntamente com o Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas (NCMEC) e os departamentos de procuradores gerais de vários estados, ofereceram ajuda em formações de treino para que outras companhias implementassem o programa. Sociólogos apontam que o medo do rapto de crianças está fora de qualquer proporção de sua incidência: em particular apontam para a persistência de histórias de raptos em lojas como lendas urbanas para alertar como os pais estão sensíveis a este assunto por gerações antes do caso de Adam Walsh.[2]

As empresas que de facto, implementaram o programa colocaram um autocolante de Código Adam na frente do negócio. Os empregados desse negócio são treinados para seguirem os seguintes 6 passos segundo o Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas:

  1. Se um visitante reporta que uma criança está desaparecida, é obtida uma descrição detalhada da criança e do que ela tinha vestido. Adicionalmente, todos os acessos exteriores ao edifício são bloqueados e monitorizados; qualquer pessoa que se aproxime da porta tem de voltar para trás.
  2. O empregado vai para o telefone interior mais próximo e digita Código Adam, descrevendo as características físicas e as roupas da criança. Enquanto um empregado escolhido vigia as entradas frontais, outros empregados começam a procurar pela criança.
  3. Se a criança não for encontrada em 10 minutos, a polícia é chamada.
  4. Se a criança for encontrada e aparenta ter estado perdida e ilesa, é reunida com o membro da família que a procura.
  5. Se a criança é encontrada acompanhada por alguém que não o seu protector ou guardião legal, são feitos esforços razoáveis para atrasar a sua saída sem pôr a segurança da criança, empregados e visitantes em perigo. As forças policiais serão notificadas e serão dados detalhes sobre a pessoa que acompanhava a criança.
  6. O Código Adam será cancelado assim que a criança é encontrada ou as forças policiais chegarem.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Missingkids.com
  2. Robin Croft (2006), Folklore, families and fear: understanding consumption decisions through the oral tradition, Journal of Marketing Management, 22:9/10, pp1053-1076, ISSN 0267-257X
  3. Missingkids.com