Caio Cláudio Pulcro (cônsul em 177 a.C.)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Caio Cláudio Pulcro (em latim, Caius Claudius Pulcher; morto em 167 a.C.) foi um político e militar da República Romana que ocupou o consulado em 177 a.C. Era filho de Ápio Cláudio Pulcro, cônsul em 212 a.C., e pai de Caio Cláudio Pulcro, cônsul em 130 a.C.[1] [2]

Foi nomeado áugure em 195 a.C., pretor em 180 a.C.[3] e cônsul em 177 a.C. Durante o seu consulado partiu para fazer face aos ístrianos.[4] Temendo que os sucessos dos cônsules do ano anterior pudessem fazer desnecessária a sua presença nessa província, saiu sem ter feito as cerimônias de iniciação do consulado, mas viu-se obrigado a regressar. Após retornar novamente à sua província com um novo exército, capturou três cidades, e submeteu os istrianos.[5] Em seguida marchou contra os lígures, aos quais derrotou, e celebrou um triunfo duplo em Roma. Celebradas as eleições, voltou à Ligúria e recuperou a cidade de Môdena.[6]

Em 171 a.C. serviu como tribuno militar sob Públio Licínio na guerra contra Perseu.[7]

Em 169 a.C. foi eleito censor com Tibério Semprônio Graco, que também fora o seu colega consular. O seu censorado foi severo, o qual implicou que depois fossem demandados num juízo político por um dos tribunos da plebe. Contudo, não foram condenados, devido em parte à popularidade de Graco.[8] [9]

Cláudio opunha-se ao seu colega, que queria excluir os libertos das tribos; finalmente foi acordado que deveriam ficar inscritos todos na tribo Esquilina.[10]

Em 167 a.C. partiu numa embaixada enviada à Macedônia[11] Esse mesmo ano faleceu.[12]

Referências

  1. Tito Lívio, Ab Urbe condita libri, xxxiii.44
  2. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology , i.769.
  3. Liv. xl, 37, 42
  4. Políbio, Histórias, xxv.4.
  5. Tito Lívio, xli.10.
  6. Tito Lívio, xli 10-18; Polib. xxvi. 7.
  7. Tito Lívio, xlii. 49
  8. Títio Lívio, xliii.14-16, xlv.15
  9. Valério Máximo, Factorum Dictorum Mermorabilium , vi.5.3.
  10. Tioto Lívio, xliii. 14 -16, xliv. 16, xlv. 15; Valério Máximo, vi. 5. § 3.
  11. Títio Lívio, xlv.17; Políbio, xxx.13.
  12. Tito Lívio, xlv.44; Políbio xxx. 10
Precedido por:
Marco Júnio Bruto e Aulo Mânlio Vulso
Cônsul da República Romana com Tibério Semprônio Graco
177 a.C.
Sucedido por:
Cneu Cornélio Cipião Hispalo e Quinto Petílio Espurino e Caio Valério Levino (sufectus)