Casapueblo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Casapueblo
Casapueblo
Informações
Localização Maldonado, Punta Ballena, Uruguai
Inauguração 1960
Estrelas Vista-keditbookmarks.pngVista-keditbookmarks.pngVista-keditbookmarks.pngVista-keditbookmarks.png
Desenvolvedor Carlos Páez Vilaró
Arquiteto Carlos Páez Vilaró
Proprietário Carlos Páez Vilaró
Restaurantes 1
Quartos 56
Suítes 12
Hotel Casapueblo

Casapueblo é uma edificação construída pelo artista uruguaio Carlos Páez Vilaró localizada em Punta Ballena, a 13 km de Punta del Este, Uruguai. Inicialmente, foi a casa de verão e a oficina do artista, e inclui um museu, uma galeria de arte, uma cafeteria e um hotel. Foi a residência permanente de seu criador, onde trabalhou e onde passou seus últimos dias.[1][2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Casapueblo começou a ser construída em 1958 em torno de uma caixa de madeira feita com pranchas encontradas no litoral, chamada La Pionera, de Carlos Páez Vilaró. Esta caixa foi seu primeiro ateliê[4][5] Casapueblo foi desenhada com um estilo que pode ser equiparado às casas da costa mediterrânea de Santorini, mas o artista se referia ao ninho do joão de barro ao se referir a este tipo de construção. Esta construção, que demorou 36 anos a terminar, tem treze pisos com terraços que permitem uma óptima vista do pôr do sol sobre as águas do Oceano Atlântico.[6]

Abriga uma homenagem a Carlos Miguel,[7] filho do artista e um dos dezesseis uruguaios que sobreviveram à acidente aéreo do voo Força Aérea Uruguaia 571, que caiu nos Andes em 13 de outubro de 1972.

Carlos Páez Vilaró recebeu algumas das personalidades mais importantes da esfera cultural e política, como a escritora Isabel Allende, a embaixadora Mercedes Vicente, a sexóloga Mariela Castro, o artista plástico Vinícius de Moraes, entre outros.[8]

Em fevereiro de 2017, a Rota Panorâmica de Punta Ballena foi designada com o nome de Carlos Páez Vilaró.[9]

Construção[editar | editar código-fonte]

O complexo foi construído de forma artesanal e sem planos prévios,[10] em forma de labirinto, 5 não apresentam linhas rectas no interior e predomina a cor branca. Foi ampliado e modificado a cada ano como uma residência de "formas imprevisíveis".[11]

A edifícação foi construída em cimento caiado e estuque.[12]

"La construí [Casapueblo] como si se tratara de una escultura habitable, sin planos, sobre todo a instancias de mi entusiasmo. Cuando la municipalidad me pidió hace poco los planos que no tenía, un arquitecto amigo tuvo que pasarse un mes estudiando la forma de descifrarla."
— Carlos Páez Vilaró.[13]
""A construí [Casapueblo] como se fosse uma escultura habitável, sem plantas, principalmente a pedido do meu entusiasmo. Recentemente, quando o município me pediu as plantas que eu não tinha, um arquiteto amigo teve que passar um mês estudando a forma para decifrá-la."

Serviços e atividades[editar | editar código-fonte]

Casapueblo.

Ao 2020, o Casapueblo Hotel possui 20 quartos e suítes e 50 apartamentos, piscina aquecida, sauna, bar e restaurante. [14] A alta temporada vai de dezembro a fevereiro. O apart-hotel denominado Hotel Casapueblo ou Club Hotel Casapueblo tem um restaurante denominado Las Terrazas (Os Terraços) que segue o estilo da construção original.

Museu[editar | editar código-fonte]

Na cúpula principal de Casapueblo encontra-se o museu e a oficina, onde se pode ver parte da obra de Carlos Páez Vilaró.[15][16] Possui quatro salas de exposição: Sala Nicolás Guillén, Sala Pablo Picasso, Sala Rafael Squirru, Sala José Gómez Sicre, sala de projeção, Terraço da Sereia, Mirador del Hipcampo, cafeteria Taberna del Rayo Verde e boutique. O museu pode ser visitado todos os dias, das 10h00 às 18h00.

Todas as tardes, desde 1994, a Cerimônia do Sol é realizada nos terraços do museu. Minutos antes do pôr do sol, a voz do artista em uma gravação dedica um poema ao sol para se despedir dele.[17]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Era uma casa muito engraçada[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que A Casa da canção de Vinícius de Morais seja a Casapueblo. Em seus supostos versos originais não gravados em disco a canção diria: "Mas era feita com pororó / Era a casa de Vilaró[18]." Vinícius teria composto a canção de improviso para agradar as filhas de Carlos Páez Vilaró. Posteriormente, nos anos 80, a música comporia o álbum A Arca de Noé que seria transformado em programa de televisão e seria o primeiro da TV brasileira a receber um prêmio Emmy.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Carlos Paez Vilaró: un canto a la vida» (em espanhol). El Observador. 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de março de 2014. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2014 
  2. «Carlos Paez Vilaró: un canto a la vida» (em inglês). Sun Times. 24 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de março de 2014 
  3. ««A mi edad, pensás en los promedios»» (em espanhol). El País. Consultado em 20 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2013 
  4. Historia Consultado em 8 de setembro de 2020 (em castelhano)
  5. Casapueblo - Hotel Casapueblo. Consultado em 8 de agosto de 2010. (em castelhano)
  6. Deco y Jardín. «Una Arquitectura muy particular» (em espanhol). Consultado em 23 de abril de 2014 
  7. «Casapueblo, una escultura habitable» (em espanhol). Consultado em 8 de agosto de 2010 
  8. «Isabel Allende, de visita en Casapueblo» (em espanhol). El País. Setembro de 2013. Consultado em 18 de março de 2014. Cópia arquivada em 18 de março de 2014 
  9. El País (26 de fevereiro de 2017). «Páez Vilaró tiene su ruta oficial en Punta Ballena» (em espanhol). Uruguai. Consultado em 26 de fevereiro de 2017 
  10. «Fotos de Casapueblo» (em espanhol). Consultado em 20 de março de 2014. Cópia arquivada em 21 de março de 2014 
  11. «Fallece el artista plástico Carlos Páez Vilaró» (em espanhol). El Mundo. Consultado em 21 de março de 2014. Cópia arquivada em 22 de março de 2014 
  12. «Foto de Casapueblo cautiva a miles de usuarios de Instagram» (em espanhol). El País. 2014. Consultado em 20 de março de 2014. Cópia arquivada em 21 de março de 2014 
  13. Magicas Ruinas (fevereiro de 1979). «Cuando la pintura es un rito Páez Vilaró» (em espanhol). Consultado em 20 de março de 2014 
  14. Arquivado em 2009-02-03 no Wayback Machine. Consultado em 8 de agosto de 2010.
  15. «Falleció Carlos Páez Vilaró» (em espahol). El País. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2014 
  16. «Murió Carlos Páez Vilaró» (em espanhol). La Nación. Consultado em 24 de fevereiro de 2014 
  17. Carlos Páez Vilaró. «La Ceremonia del Sol» (em espahol). Consultado em 17 de março de 2014 
  18. «A tal da "casa muito engraçada" existe mesmo». Almanaque Brasil. 25 de outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casapueblo