Caverna Denisova

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Turistas frente à Caverna de Denisova
Caverna Denisova está localizado em: Rússia
Caverna Denisova
Localização da caverna na Rússia

A caverna Denisova' ou caverna de Denisova (em russo: Денисова пещера) é uma caverna situada na região de Bashelaksky dos Montes Altai, na Sibéria, Rússia, próximo à vila de Tchyorny Anui, a cerca de 360 quilômetros de Barnaul.[1] Localizada sobre a margem esquerda do rio Anui, cobre uma área de 270 metros quadrados, e contém uma câmara central com diversas galerias laterais.[2]

No século XVIII a caverna foi habitada por um ermitão, São Dinis (Dionisii) e recebeu o nome em sua homenagem; os nativos, no entanto, a chamavam de Ayu-Tash ("Pedra do Urso").[1] Por volta de 1980 cientistas russos descobriram restos arqueológicos no seu interior e começaram a explorá-la; foram identificados vinte e dois estratos que contêm artefatos arqueológicos que vão da época de São Dinis até há cerca de 125 000 a 180 000 anos .[2] A determinação da antiguidade destes estratos foi feita através da datação termoluminescente dos sedimentos ou, em alguns casos, pela datação radiocarbônica do carvão.[2]

Entre estes artefatos estão ferramentas dos estilos musteriano e levallois, atribuídos a neandertais.[3] Ao lado delas os pesquisadores encontraram objetos decorativos feitos de osso, presas de mamutes e dentes de diversos animais, cascas de ovos de avestruzes, fragmentos de um bracelete de pedra e pingentes.[2]

Descoberta do "hominídeo de Denisova"[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: hominídeo de Denisova

A caverna tem sido investigada por cientistas do Instituto de Arqueologia e Etnologia de Novossibirsk; entre os itens que foram descobertos, deixados ali há entre 30000 e 48000 anos, diversos ossos puderam ser identificados. Um destes ossos, a falange de uma criança, foi analisado pelo geneticista sueco Svante Pääbo e sua equipe do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, de Leipzig; seu DNA revelou uma estrutura que pertenceria a uma possível nova espécie humana, ainda não-reconhecida pela comunidade científica, batizada de "hominídeo de Denisova".[3]

Fósseis[editar | editar código-fonte]

Os fósseis de seis indivíduos distintos da Caverna Denisova foram identificados através de seu DNA. Quatro dos indivíduos, Denisova 2, Denisova 3, Denisova 4 e Denisova 8 são classificados como denisovanos.[4] Denisova 2 e Denisova 3 são meninas, enquanto Denisova 4 e Denisova 8 são homens adultos.[5] A análise do mtDNA dos indivíduos denisovanos sugere que Denisova 2 é o mais antigo, seguido por Denisova 8, enquanto Denisova 3 e Denisova 4 são aproximadamente contemporâneos.

Referências

  1. a b «Денисова пещера. Denisova-Denisova Cave-St. Denis Cave». Consultado em 24 de março de 2010 
  2. a b c d Hirst, K K. «Denisova Cave (Siberia).Altai Mountain Paleolithic Site of Denisova Cave». Consultado em 24 de março de 2010 
  3. a b Dalton, Rex (24 de março de 2010). «Fossil finger points to new human species. DNA analysis reveals lost relative from 40,000 years ago.». Nature 464, 472-473 (2010). Consultado em 24 de março de 2010 
  4. Slon, Viviane; Viola, Bence; Renaud, Gabriel; Gansauge, Marie-Theres; Benazzi, Stefano; Sawyer, Susanna; Hublin, Jean-Jacques; Shunkov, Michael V.; Derevianko, Anatoly P.; Kelso, Janet; Prüfer, Kay; Meyer, Matthias; Pääbo, Svante (1 de julho de 2017). «A fourth Denisovan individual». Science Advances. 3 (7): e1700186. Bibcode:2017SciA....3E0186S. ISSN 2375-2548. PMC 5501502Acessível livremente. PMID 28695206. doi:10.1126/sciadv.1700186 
  5. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Slon Viola Renaud Gansauge 20172