Celso Lungaretti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: André Mauro redireciona para este artigo. Para o ator brasileiro, veja André Di Mauro.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Celso Lungaretti
Nome completo Celso Lungaretti
Nascimento 6 de outubro de 1950 (68 anos)
São Paulo, SP
 Brasil
Ocupação Jornalista e escritor
Nacionalidade Brasil brasileiro
Atividade 1972 - presente
Trabalhos notáveis Revistas, jornais,
Agência Estado
(assessorias de imprensa)
Site oficial

Celso Lungaretti (São Paulo, 6 de outubro de 1950) é um jornalista e ativista brasileiro que participou da resistência à ditadura militar na década de 1960 e 1970.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Neto de imigrantes italianos, Formou-se em Comunicação Social pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Participou da resistência à ditadura militar, como ativista do movimento secundarista (1967/68) e militante da Vanguarda Popular Revolucionária (1969/70).

Preso em abril de 1970, foi acusado como delator da área de treinamento da VPR em Registro/SP porque sua organização preferiu preservar os dirigentes do Comando Nacional que a revelaram sob torturas, culpando ele e outro militante secundarista nos documentos e versões oficiais. Após grandes coações psicológicas e torturas físicas, foi obrigado a escrever manifestos e dar entrevistas renegando seu passado revolucionário e criticando a esquerda armada ainda em 1970 [1].

Conseguiu restabelecer a verdade dos fatos no final de 2004, a partir de um relatório secreto militar que veio a público e da intervenção em seu favor do historiador Jacob Gorender, que o inocentou dessa acusação em carta publicada na Folha de S. Paulo.

Em 2005, Celso lançou o livro Náufrago da Utopia: Vencer ou morrer na guerrilha aos 18 anos.[2]

Desde então atua como blogueiro, defendendo os ideais revolucionários, os direitos humanos e o exercício do pensamento crítico, assumindo causas como a do escritor italiano Cesare Battisti (como porta-voz do Comitê de Solidariedade).

Recentemente (2011), Celso Lungaretti foi inocentado pela justiça em São Paulo em processo movido contra ele pelo jornalista Boris Casoy.[3]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • 2005: Náufrago da Utopia - Viver ou morrer na guerrilha aos 18 anos

Referências

  1. Revista Veja. Edição nº 97. 15.03.1970. pp. 16-21.
  2. «ISTOÉ Independente - Cultura: Luz nas trevas». istoe.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2011. 
  3. Celso Lungaretti derrota Casoy na Justiça

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.