Cerco de Montevidéu (1843–1851)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Cerco de Montevidéu
Guerra Grande
Guerra do Prata
Defensa de Montevideo.jpg
Uma ilustração da defesa de Montevidéu a partir de Isidoro De-Maria
Data 16 de fevereiro de 1843-8 de outubro de 1851
Local Montevidéu, Uruguai
Desfecho Vitória decisiva da coligação anti-rosita.
Beligerantes
Flag of Uruguay.svg Gobierno de la Defesa
Flag of Colorado Party (Uruguay).svg Colorados
Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
Bandera argentina unitaria marina mercante.png Unitários
Flag of France.svg França
 Reino Unido
Bandera calabreses de garibaldi.png Camicie rosse
Flag of Piratini Republic.svg República Riograndense (1843-1845)
Flag of Entre Rios (1820-1821).svg Entre Ríos (No final)
 Corrientes (No final)
Flag of Uruguay.svg Gobierno del Cerrito
Blancos
Flag of the Treinta y Tres.svg Revolucionários Lavallejistas
Flag of the Argentine Confederation.svg Confederação Argentina
Flag of Artigas.svg Federalistas
Bandera de la Provincia de Entre Ríos.svg Entre Ríos (No início)
Comandantes
Flag of Colorado Party (Uruguay).svg Fructuoso Rivera
Flag of Colorado Party (Uruguay).svg Melchor Pacheco y Obes
Bandera argentina unitaria marina mercante.png José María Paz
Bandera argentina unitaria marina mercante.png José Rondeau
Bandera argentina unitaria marina mercante.png Martín Rodríguez
Flag of Brazil (1870–1889).svg Luís Alves de Lima e Silva
Bandera calabreses de garibaldi.png Giuseppe Garibaldi
Flag of Entre Rios (1820-1821).svg José Urquiza (No final)
Manuel Oribe
Ignacio Oribe
Flag of the Argentine Confederation.svg William Brown
Flag of the Treinta y Tres.svg Manuel Lavalleja
Bandera de la Provincia de Entre Ríos.svg José Urquiza (No início)
Forças
Na cidade:
  • Uruguai 100 - 540
  • Bandera calabreses de garibaldi.png 400 - 600
  • Bandera argentina unitaria marina mercante.png 500
  • Flag of France.svg 1.500 - 2.000

Total: 3.000 - 8.000 (1843)
7.800 (1844)
4.000 - 4.095 (1845)

Reforços (1844): 2.000

Reforços 1851):

  • Flag of Brazil (1870–1889).svg 12.000 - 19.000
  • Flag of Entre Rios (1820-1821).svg 5.000
  • Bandera de la Provincia de Corrientes.svg 1.000
* 3.000[1] Total: 7.000

O Cerco de Montevidéu ou Cerco Grande foi uma importante batalha que ocorreu entre 1843 e 1851 na cidade de Montevidéu, durante as chamadas Guerra Grande e Guerra do Prata.

Início[editar | editar código-fonte]

Durante a chamada Guerra Grande (1839-1851), as forças de Manuel Oribe tinham dominado grande parte do Uruguai, após a vitória na Batalha de Arroyo Grande, Oribe cruzou o Rio Uruguai e em fevereiro de 1843 iniciou o cerco a cidade de Montevidéu, capital do Uruguai, com o objetivo de depor o governo local e se tornar oficialmente o presidente do país. Oribe contou com reforços vindos da Argentina e de milicianos a serviço de Juan Antonio Lavalleja para o apoiar no cerco da cidade.
Com o cerco em seu auge, Oribe criou o chamado "Gobierno del Cerrito", onde se nomeou presidente do Uruguai e nomeou até mesmo ministros para o seu governo, enquanto o governo da cidade criou o chamado "Gobierno de la Defensa", liderado por Fructuoso Rivera e administrado pelos colorados, o governo de Rivera era um governo de resistência contra o avanço das tropas blancas.

A defesa da cidade[editar | editar código-fonte]

Enquanto Oribe cercava Montevidéu, os colorados criaram o chamado "Ejército de la defesa", liderado pelo argentino José María Paz e pelo uruguaio Melchor Pacheco y Obes. Na época do cerco, o italiano Giuseppe Garibaldi estava estabelecido na cidade, o governo local então nomeou Garibaldi chefe da defesa e o italiano ficou responsável pela defesa naval da cidade, onde deveria enfrentar os navios do Almirante Brown, comandando os navios da Confederação Argentina.
Os colorados contaram ainda com o apoio da República Rio-Grandense, estado rebelde que pretendia se separar do Império do Brasil. As forças rio-grandenses foram lideradas pelo general Bento Manuel Ribeiro, um general experiente que havia lutado na Guerra da Cisplatina.[2]

Guerra do Prata[editar | editar código-fonte]

Em 1851, com o início da Guerra do Prata, forças brasileiras lideradas por Luís Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias, marcharam para Montevidéu juntamente com tropas vindas de Entre Ríos e Corrientes com o objetivo de socorrer as tropas coloradas, Oribe, sabendo da vinda de um gigantesco exército anti-rosita, se rendeu para as forças coloradas, chegando assim ao fim, do Cerco de Montevidéu após 8 anos. [3]

  1. a b c Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Ref4
  2. Mariano Balbino Berro (1895). Anales de la República Oriental del Uruguay: notas para escribir la historia civil y colonial.
  3. Barroso, Gustavo. Guerra do Rosas: 1851-1852. Fortaleza: SECULT, 2000.