Cerpa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Cerpa - Cervejaria Paraense S.A.
Tipo Empresa de capital fechado
Slogan Orgulho de ser Paraense
Fundação 1966
Sede Brasil Pará, Brasil
Produtos No Brasil, cervejas, refrigerantes
Website oficial www.cerpa.com.br

Cerpa (Cervejaria Paraense S.A.) ou Cerpasa, é uma cervejaria brasileira fundada em 1966 na cidade brasileira de Belém, pelo alemão Konrad Karl Seibel.

Foi uma cervejaria regional com 65% em 2003 de participação no mercado no Pará,[1] muito antes do avanço das cervejas artesanais, ganhou certo público no Sudeste, dos não amantes das cervejas Brahma e Antarctica.[1]

Produtos[editar | editar código-fonte]

A Cervejaria Paraense produz os seguintes produtos:[2]

  • Cerpa Export, cerveja do tipo Pilsen, Premium American Lager com 5,3% de álcool;
  • Cerveja Draft, do tipo Pilsen mais leve, Lite American Lager com 4,5% de álcool.
  • Cerpa Gold, cerveja tipo Lager, Standard American Lager com 4,5% de álcool;
  • Cerveja Tijuca, cerveja do Tipo Pilsen, Premium American Lager; com 4,5% de álcool;
  • Cerpa Prime, cerveja puro malte.
  • Amazon Power - Energético
  • Refrigerantes Cerpa

História[editar | editar código-fonte]

Na chegada do imigrante alemão Konrad Karl Seibel na capital Belém em 1966, constatou que a água da região era boa para fabricar cerveja na região dos trópicos.[1][3][4] A Cerpa ou Cerpasa,[5] foi uma cervejaria regional de sucesso por décadas — sua participação de mercado no Pará chegou a 65% em 2003 e,[3] ganhou adeptos Sudeste entre os consumidores que não gostavam das cervejas Brahma e Antarctica.[1]

Em 1966, para se diferenciar dos concorrentes, apresentou o processo Draft Beer, que aumenta a qualidade do produto, mudando o tradicional sistema de pasteurização, por filtros de celulose e descarga térmica.[4] Mas na década de 1970, a cervejaria paraense entrou em decadência devido problemas familiares, que afetou sua participação no mercado, não passando de 12%.[1]

Em 2003, deixou de vender latinhas e lançou garrafa de plástico PET, aposta de Seibel desejando repetir o sucesso dos refrigerantes. Mas foi perdendo espaço para os concorrentes, que vendiam latinha.[1] E não obstante, a companhia é investigada por financiamento ilegal de campanha eleitoral em inquérito iniciado neste mesmo ano.[1] E a empresa acumulou mais de 500 milhões de reais em dívidas com o governo do Pará devido não pagamento do ICMS, mantida sob sigilo por lei.[1]

Em 2008, Seibel, o dono/fundador da empresa sumiu, depois foi descoberto que este deixou o Brasil rumo à Alemanha devido tratamento de saúde, vindo a falecer em 2012 na cidade de Traunstein (Alemanha).[1] Sua saída deixou a empresa no escuro.

O herdeiro oficial é Konrad Franz Seibel, que em 2013 tinha 20 anos, que só poderia ocupar a presidência, de acordo com o testamento do pai, ao completar 24 anos ou quando conclui-se a faculdade (cursava economia em Londres).[1] Enquanto isso, a empresa era administra por sua mãe, Helga Irmengard Jutta, a regente, após ganho em disputa judicial, enquanto seu filho não cumpre os pré-requisitos previstos no estatuto.[1]

Em 2003, em meio a um processo de divórcio, Karl afastou-se da empresa devido doença, mas não repassou a direção para a esposa ficando a fábrica da Cerpa sem investimento.[1] Sem reforma desde o fim dos anos 90, com máquinas obsoletas acimas de 20 anos de uso, com altos gastos em manutenção.

Em 2012, a empresa tenta um último investimento, na tentativa de profissionalizar a gestão Helga trocou a diretoria, recrutando ex-funcionários da Heineken e da SABMiller e,[1] negociando um empréstimo bancário de 25 milhões de reais para investimento, para resgatar a qualidade e a credibilidade da marca.

Em 2010, firmou um contrato para envasar cervejas da concorrente Ambev, para assim conseguir caixa.[1] Ganhando 5,5 milhões de reais ao mês e voltando a crescer as vendas, após a queda em 2008.[1] Este avanço chamou a atenção de outras grandes empresas: Ambev, Petrópolis, Heineken e, dos fundos Tarpon, Pátria e Advent, que sondaram a família.

A Tijuca Cerpa é uma homenagem a cidade do Rio de Janeiro, em uma garrafa long neck com um design exclusivo de linhas delicadas e curvas suaves. Inicialmente produzida apenas para exportação, mas em 1994 passou a ser comercializada à nível nacional.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. a b c d e f g h i j k l m n o «A Cerpa está sem dono e sem rumo». Grupo Abril. Revista Exame. 18 de março de 2013. Consultado em 27 de fevereiro de 2018. 
  2. «Curiosidades sobre a cerveja Cerpa – Aquas Distribuidora - Rio de Janeiro (RJ)». Aquas Distribuidora – Rio de Janeiro (RJ). 24 de abril de 2015 
  3. a b «Cerveja Cerpa sua melhor opção – Aquas Distribuidora - Rio de Janeiro (RJ)». Aquas Distribuidora – Rio de Janeiro (RJ). 2 de abril de 2014 
  4. a b «Tijuca Cerpa». www.lokobeer.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2018. 
  5. «Jatene: Caso Cerpasa não prescreveu no STJ». Diário Online - Pará (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2018.