Chleuhs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a etnia. Para a língua, veja Tachelhit.
Chleuhs
Achelḥi
COLLECTIE TROPENMUSEUM Berbervrouw in feestkledij uit Tafraoute Zuid-Marokko TMnr 60033850.jpg
Mulher chleuh do Anti-Atlas fotografada em meados do século XX
População total

c. 8 500 000[1]

Regiões com população significativa
sudoeste de  Marrocos (Alto Atlas, Anti-Atlas e Suz)
Línguas
tachelhit
Religiões
islão
Etnia
Berberes

Os chleuhs, shleuh, shilha ou shluh (em berbere: achelḥi [ašəlḥi]; plural ichelḥiyen [išəlḥiyn])[nt 1] são uma etnia berbere do sudoeste de Marrocos,[2][3] que habitam nas montanhas no Alto Atlas, Anti-Atlas e no vale do Suz e para sul até Guelmim, a chamada "Porta do Sara". A sua língua nativa é o chleuh ou tachelhit, uma das principais línguas berberes marroquinas,[nt 2] a qual tem várias variantes regionais.[nt 1]

No início do século XXI estimava-se a população chleuh em aproximadamente 8,5 milhões (8 milhões em Marrocos e 400 000 em França, onde representam metade da comunidade imigrante marroquina).[1] Os povos indígenas da costa central de Marrocos, mencionadas pelos primeiros exploradores fenícios podem ter sido chleuhs. Hanão, o explorador cartaginês de meados do 1º milénio a.C. descreveu os métodos usados pelos cartagineses para comerciarem pacificamente os povos nativos da área de Mogador.[4]

Designação[editar | editar código-fonte]

Na sua obra Le Maroc inconnu ("O Marrocos desconhecido"), o missionário e antropólogo francês Auguste Mouliéras (1855 1931), o nome da etnia provém do berbere acluḥ (plural icelḥin), que significa "esteira de junco, de esparto ou de palmeira", o material com que faziam as suas tendas.[2][5][nt 2]

O termo foi também usado durante a Segunda Guerra Mundial para designar pejorativamente os alemães,[2][6] ou seja, como sinónimo de "boche". O humorista e resistente Pierre Dac compôs uma canção intitulada J'vais m'faire Chleuh ("vou fazer-me Chleuh"). A origem desta associação remonta à criação do Protetorado Francês em Marrocos em 1912, face à rivalidade da Alemanha, que também cobiçava o controlo do país. Pierre Dac retomou o uso do termo pelos militares franceses, que enfrentaram uma forte resistência dos combatentes marroquinos, cuja pacificação só foi concluída em 1934.[nt 2]

Notas

  1. a b Trechos baseados no artigo «Shilha people» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).
  2. a b c Trechos baseados no artigo «Chleuhs» na Wikipédia em francês (acessado nesta versão).

Referências

  1. a b «Le tachelhit ou chleuh (Maroc)» (em francês). INALCO. Centre de Recherche Berbere. www.centrederechercheberbere.fr. Consultado em 6 de agosto de 2015 
  2. a b c «CHLEU(H),(CHLEU, CHLEUH), adj.» (em francês). Centre National de Ressources Textuelles. Lexicographie. www.cnrtl.fr. Consultado em 6 de agosto de 2015 
  3. «Ishelhiyen» (em inglês). Encyclopædia Britannica. www.britannica.com. Consultado em 6 de agosto de 2015 
  4. Hogan, C. Michael. «Mogador - Promontory Fort / Cliff Castle in Morocco» (em inglês). www.megalithic.co.uk. Consultado em 6 de agosto de 2015 
  5. Fottorino & Martel 2012, p. 57.
  6. «CHLEU(H),(CHLEU, CHLEUH), adj.» (em francês). Centre National de Ressources Textuelles. Etymologie. www.cnrtl.fr. Consultado em 6 de agosto de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adam, André (1951), La Maison et le village dans quelques tribus de l'Anti-Atlas : contribution à l'étude de l'habitation chez les Berbères sédentaires du groupe chleuh (em francês), Paris: Larose 
  • Agrour, Rachid (abril de 2012), «Contribution à l'étude d'un mot voyageur : Chleuh», ISBN 9782713223501, Éditions de l’EHESS, Cahiers d'études africaines, ISSN 0008-0055 (em francês) (208): 767-811, consultado em 6 de agosto de 2015 
  • Boussard, Amédée (1935), Tag honja la chleuh (histoire vécue) (em francês), Paris: Baudinière 
  • Chottin, Alexis; Ricard, Prosper (1933), Musique et danses berbères du pays Chleuh : études et notations musicales et chorégraphiques (em francês), Paris: Heugel 
  • Euloge, René (1951), Silhouettes du pays Chleuh (em francês), Marraquexe: Éditions de la Tighermt 
  • Fottorino, Éric; Martel, Olivier (fotog.) (2012), Berbères, ISBN 978-2-84876-229-6 (em francês), Paris: Philippe Rey, OCLC 816607995, consultado em 6 de agosto de 2015 
  • Hira, Lahsen (1983), Parenté et mariage chez les Chleuh (Berbères marocains du Haut-Atlas occidental). Cas d'Idaw-Mhamud. Tese de doutoramento. (em francês), Universidade de Toulouse 2 
  • Justinard, Léopold-Victor, «Poèmes chleuh recueillis au Sous», Paris: E. Leroux, La Revue du monde musulman (em francês), LX: 63-112 
  • Laoust, Émile (1949-1950), Contes berbères du Maroc : textes berbères du groupe Beraber-Chleuh (Maroc central, Haut et Anti-Atlas) (em francês), Paris: Larose 
  • «Avec les berbères du Maroc», National Geographic (em francês) (64), janeiro de 2005