Ciclone George

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ciclone George
Categoria 5  (Escala Australiana)
Categoria 4  (EFSS)
George 08 feb 2007 0155Z.jpg
O ciclone tropical severo George em 8 de Março
Formação: 2 de Março de 2007
Dissipação: 10 de Março de 2007
Vento mais forte (1 min): 120 nós (222 km/h, 138 mph)
Vento mais forte (10 min): 110 nós (204 km/h, 127 mph)
Pressão mais baixa: 902 hPa (mbar) ou 677 mmHg
Danos: $6,2 milhões de dólares (valores em 2007)
Fatalidades: 3
Áreas afetadas: Austrália (Austrália Ocidental e Território do Norte)
Parte da
Temporada de ciclones na região da Austrália de 2006-07

O Ciclone tropical severo (Designação do JTWC: 17S, também conhecido simplesmente como Ciclone George) foi o terceiro sistema tropical nomeado e o segundo ciclone tropical significativo a afetar a região da Austrália e o primeiro a afetar a Austrália Ocidental no ano de 2007. O ciclone formou-se em 2 de Março de 2007 e dissipou-se em 10 de Março. George formou-se sobre a região de Top End no Território do Norte no final de Fevereiro e intensificou-se quando adentrou o golfo de Joseph Bonaparte, antes de cruzar a costa norte da região de Kimberley. Após isso, George seguiu para o Oceano Índico, intensificando-se para um ciclone equivalente a um furacão de categoria 4 na escala de furacões de Saffir-Simpson e em 8 de Março, George atingiu a costa de Pilbara logo a leste da cidade de Port Hedland durante seu pico de intensidade. O ciclone causou danos significativos em Port Hedland e em numerosos campos de garimpo isolados em torno da cidade. A passagem do ciclone causou 3 fatalidades e prejuízos estimados em $8 milhões de dólares australianos (6,2 milhões de dólares - valores em 2007).

História meteorológica[editar | editar código-fonte]

O caminho de George

Uma área de baixa pressão tropical que estava situado sobre a região de Top End no Território do Norte, Austrália desde 27 de Fevereiro começou a mostrar sinais de intensificação e o Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Darwin começou a emitir avisos regulares sobre o sistema em 2 de março enquanto que a área de baixa pressão tropical ainda estava sobre terra. O Joint Typhoon Warning Center emitiu um alerta de formação de ciclone tropical (AFCT) sobre o sistema mais tarde naquele dia e designou-o como o ciclone tropical 17S assim que o sistema começou a seguir sobre água.

No final da noite (UTC) de 3 de março, o CACT de Darwin classificou a área de baixa pressão tropical para um ciclone tropical, atribuindo-lhe o nome George, o primeiro nome atribuído pelo CACT de Darwin desde o ciclone Fay em Março de 2004. George continuou a se fortalecer e foi classificado como um ciclone de categoria 2 na escala australiana. Em 4 de Março, George fez landfall na costa norte da região de Kimberley, Austrália Ocidental, na costa oeste do golfo de Joseph Bonaparte. George se enfraqueceu e o Bureau of Meteorology, a agência meteorológica australiana, desclassificou o ciclone para uma área de baixa pressão tropical. No entanto, a tendência de enfraquecimento foi de curta duração pois o ciclone logo voltou a se deslocar sobre a água assim que continuava a seguir para oeste, intensificando-se quase imediatamente para um ciclone tropical de categoria 1 na escala australiana.

O Centro de Aviso de Ciclone Tropical (CACT) de Perth começou a monitorar o ciclone refortalecido assim que o sistema seguia para oeste. Inicialmente, a pouca organização do ciclone inibia qualquer fortalecimento, mas George seguiu para uma região com condições meteorológicas mais favoráveis e organizou-se rapidamente, tornando-se um ciclone tropical severo em 7 de março. O ciclone tropical severo começou a seguir abruptamente para o sul mais tarde naquele dia, aproximando-se da costa da região de Pilbara, enquanto crescia em tamanho. Assim que George continuava a seguir para o sul em direção à ilha Bedout em 8 de Março, George foi classificado para um ciclone de categoria 4 na escala australiana; no entanto, análises pós-tempestade classificaram George como um ciclone de categoria 5 na escala australiana assim que o olho do sistema alcançou a costa.[1] Neste momento, o JTWC disse que os ventos máximos sustentados do ciclone George chegaram a 205 km/h, fazendo do sistema um ciclone com intensidade equivalente a um furacão de categoria 3 na escala de furacões de Saffir-Simpson.[2] Em análises pós-tempestade do JTWC, os ventos máximos sustentados de George foram elevados para 220 km/h, intensidade equivalente a um furacão de categoria 4.

O ciclone George fez landfall logo a leste da cidade de Port Hedland por volta das 13:00 (UTC) de 8 de março, com ventos máximos sustentados em 10 minutos de 195 km/h e uma pressão mínima de 902 hPa. O JTWC emitiu seu aviso final sobre George no começo da madrugada do dia seguinte enquanto o sistema ainda apresentava intensidade equivalente a um furacão de categoria 3.

George enfraqueceu-se lentamente sobre terra e o sistema foi desclassificado para um ciclone de categoria 2 na escala australiana no final da noite de 9 de Março. No dia seguinte, o CACT de Perth emitiu também o seu aviso final sobre o sistema.

Preparativos[editar | editar código-fonte]

Várias escolas e portos foram fechados em Port Hedland como preparativo à chegada do ciclone severo.[3] As empresas de minério, gás e petróleo tiveram que suspender suas atividades também como preparativo à chegada do ciclone. Pessoas foram retiradas de áreas baixas perto da costa e foram levadas tanto para locais mais altos ou para lugares mais distantes da costa, em abrigos de emergência.[4]

Impactos[editar | editar código-fonte]

O ciclone George foi o mais intenso ciclone tropical a atingir Port Hedland dede o ciclone Joan em 1975.[1] George atingiu a região com rajadas de vento que ultrapassavam 275 km/h, fazendo do sistema um ciclone de categoria 5 na escala australiana, ou um ciclone com intensidade equivalente a um furacão de categoria 4 na escala de furacões de Saffir-Simpson.

As linhas telefônicas e de eletricidade foram derrubadas em Port Hedland. também, muitas residências foram destelhadas enquanto que várias árvores e muros foram derrubados.[5] Pelo menos uma residência foi totalmente destruída.[6] A região de Pilbara foi declarada como uma área de desastre e as Forças Armadas da Austrália ficou em estado de alerta para prover ajuda extra.[7] Os radares meteorológicos de Port Hedland e Onslow foram danificados devido à intensa fgorça dos ventos associados ao ciclone George.

Três dias após George, a região de Port Hedland foi novamente atingida por outro ciclone, o ciclone Jacob. No entanto, Jacob não fez tantos estragos quanto George, apenas algumas enchentes localizadas.[8]

Três pessoas morreram e outras 28 ficaram feridas como resultado da passagem do ciclone tropical severo. Uma morte e a maioria dos feridos ocorreram numa área de mineração,[9] a cerca de 100 km ao sul de Port Hedland.[10] Os fortes ventos e as severas enchentes atrasaram os esforços de resgate por mais de um dia.[7] No entanto, todos os trabalhadores no campo de mineração que ficaram feridos foram levados por meio aéreo para um hospital em Port Hedland após a passagem do ciclone.[10] As outras mortes ocorreram quando acomodações emergenciais para a passagem do ciclone foram destruídas.[7]

Após a tempestade[editar | editar código-fonte]

A União dos Trabalhadores Australianos lançou uma severa crítica a uma empresa de mineração próxima a Port Hedland. A empresa não retirou seus trabalhadores a tempo e suas acomodações suportavam apenas um ciclone de categoria 3. Com isso, quase todas as construções da empresa foram destruídas com a passagem de George sobre a região.

Após o ciclone ter atingido a costa da região de Pilbara, um fundo monetário foi aberto para ajudar as vítimas da tempestade. Empresas mineradoras, comerciais e também residentes doaram dinheiro para assistir a causa e dentro de 48 horas, Port Hedland arrecadou cerca de $520.000 dólares australianos (410.000 dólares - valores em 2007).[11] O BHP Billiton também ajudou a reconstruir Port Hedland por dar ao governo local 1 milhão de dólares australianos a cada ano que irá financiar um esquema de melhoramento juntamente com o governo da Austrália Ocidental para melhorar a aparência da cidade. As escolas em South Hedland permaneceram fechadas, devido à questão de segurança sobre os danos que porventura George teria causado, até 19 de março, quando a comunidade local juntou-se para uma massiva limpeza.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Furacão Catrina Portal da
meteorologia

Referências

Ciclones tropicais da Temporada de ciclones na região da Austrália de 2006-07
G
Escala de Furacões de Saffir-Simpson
DT TS TT 1 2 3 4 5



BT - Área de baixa pressão tropical
# - JTWC