Clivagem (psicologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Clivagem (também chamado de pensamento dicotômico, preto-e-branco, polarizado e tudo ou nada, é 8 ou 80)[1] é uma falha no pensamento de uma pessoa para reunir as duas qualidades positivas e negativas de si próprio e outras pessoas em um todo coeso realista. É um mecanismo de defesa comum usado por muitas pessoas. [2] O indivíduo tende a pensar em extremos (i.e., ações e motivações de um indivíduo são completamente boas ou ruins, sem meio-termo.)

O conceito de clivagem foi desenvolvido por Ronald Fairbairn em sua formulação da teoria da relação de objetos.[3] Em teoria psicanalítica isso funcionaria como um mecanismo de defesa,[4] relativamente comum em pessoas com transtorno de personalidade limítrofe segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.

Referências

  1. «Distorções cognitivas». Consultado em 4 de junho de 2015 
  2. The defense mechanism of splitting: developmental origins, effects on staff, recommendations for nursing care.
  3. Rubens, R. L. (1996). «The unique origins of Fairbairn's Theories». Psychoanalytic Dialogues: The International Journal of Relational Perspectives. 6 (3): 413-435. doi:10.1080/10481889609539128 
  4. Gabbard, Glen O.; Litowitz, Bonnie E.; Williams, Paul, eds. (2011). Textbook of Psychoanalysis 2nd ed. [S.l.]: American Psychiatric Pub. p. 96. ISBN 1-58562-410-1 
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.