Colher de pau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma típica colher de pau

Colher de pau[nota 1] (também conhecido por Colher de madeira) é um instrumento culinário, espécie de colher usada para mexer alimentos que se cozem, temperos, bebidas, sopas etc.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Segundo o sociólogo brasileiro Gilberto Freyre, a colher de pau era um dos objetos utilizados na culinária dos povos indígenas que eram desconhecidos pelos europeus, assim como as panelas de barro, os pilões, cuias e outros.[2]

Para Curt Nimuendajú, num artigo de 1929, os índios ticunas haviam incorporado a colher de pau justamente por influência europeia, assim como as roupas, armas e outros objetos, para os quais não possuíam uma palavra própria para designá-los.[3] [nota 2] Contudo, o mito da gênese dos Uaianas revela que a colher de pau estava presente desde o início.[4]

Usos e formatos[editar | editar código-fonte]

Diversos tipos de colheres de pau

Para as doceiras tradicionais de São Paulo, o uso da colher de pau não apenas dá maior duração aos doces, como ainda realça o sabor das frutas.[5]

Para se coar o café num coador de pano, o mesmo deve ser mexido com uma colher de pau de uso exclusivo para tal fim (não reutilizar em comidas, temperos, etc.).[6]

É um dos instrumentos utilizados na pesca artesanal de mariscos na Bahia.[7]

A partir de 1945 houve uma progressiva utilização do plástico em substituição aos utensílios feitos originalmente com matéria-prima natural, embora muitos chefes tenham oferecido certa resistência em substituir a colher de pau. [8]

Cuidados[editar | editar código-fonte]

Estudos microbiológicos dão conta de que utensílios de madeira na cozinha, como a colher de pau ou tábuas de carne, favorecem a instalação de bactérias e sua higienização é bastante difícil, uma vez que a madeira conserva umidade, tornando-se assim um ambiente propício para sua proliferação, recomendando sua substituição por similares feitos em plástico.[9]

Contudo, há de se observar que a colher de pau contaminada resiste à fervura - o que nem sempre ocorre com os materiais plásticos, que podem amolecer e, até, derreter.[8]

Cultura[editar | editar código-fonte]

"(...)Florência, a doceira famosa da casa. Incumbida de um tacho de cocada que fervia na cozinha, ela assomara à porta da copa, com a colher de pau em uma mão..."
José de Alencar, O Tronco do Ipê[10]

Colher de Pau é o nome de uma banda de forró soteropolitana.[11]

A colher de pau, na sinalagmática acadêmica lusa, simboliza o estudante.[12]

"A Colher de Pau" é, também em Portugal, o título de livro de culinária bastante famoso, de autoria de Maria de Lourdes Modesto.[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. Constitui o vocábulo uma perífrase, em que os léxicos têm uma ligação forçada: colher feita de pau.[1]
  2. O Dicionário do Folclore Brasileiro de Câmara Cascudo é omisso; ali não se encontra um verbete para "colher" ou para "colher de pau", o que parece referendar essa hipótese da influência europeia de Nimuendajú, ao menos quanto ao formato e nomes.

Referências

  1. Mário Vilela (1982). «A formação de palavras: componente independente ou apenas subcomponente?» (PDF). Consultado em 19/11/2013. 
  2. Letícia Monteiro Cavalcanti (2005). «A Formação da Culinária Brasileira» (PDF). Anais do Seminário Gastronomia em Gilberto Freyre. Consultado em 21/11/2013. 
  3. Peter Schröder (mai/ago 2013). «Primeira viagem aos Ticuna: um artigo pouco conhecido de Curt Nimuendajú». Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, vol.8 no.2 Belém. Consultado em 21/11/2013. 
  4. Lúcia Hussak van Velthem (Abr. 2009). «Mulheres de cera, argila e arumã: princípios criativos e fabricação material entre os Wayana». Mana vol.15 no.1 Rio de Janeiro. Consultado em 21/11/2013. 
  5. Cláudio Donizete Querido (2012). «Bolo de Arroz». Inventário da cultura material do Vale do Paraíba. Consultado em 21/11/2013. 
  6. Associação Brasileira da Indústria de Café. «Dicas de preparação de café». ABIC - institucional. Consultado em 19/11/2013. 
  7. PGL Pena, MCS Freitas, A Cardim (2008). «Trabalho artesanal, cadências infernais e lesões por esforços repetitivos: estudo de caso em uma comunidade de mariscadeiras na Ilha de Maré, Bahia» (PDF). Rev Ci Saúde Col - SciELO Public Health. Consultado em 9/11/2013. 
  8. a b Tom Fisher: Plásticos - a cultura através da atitudes em relação aos materiais artificiais, in: Lívia Barbosa, Colin Campbell (colab) (2006). Cultura, consumo e identidade FGV Editora [S.l.] p. 91 e seg. ISBN 8522505705. 
  9. Jussara Dutra Izac (maio - 2007). «Saiba como manter as bactérias longe da cozinha». Conversa Pessoal, Ano VII - Número 78. Consultado em 19/11/2013. 
  10. citado in: Marlene Milan Acayaba (org.) Ernani Silva Bruno (colab.) (2000). Equipamentos, usos e costumes da casa brasileira - vol. 4: Objetos EdUSP [S.l.] p. 178. ISBN 8586297062. 
  11. Institucional. «Sítio oficial da banda Colher de Pau». Consultado em 19/11/2013. 
  12. Copitraje (institucional) (2012). «O que deves usar no traje». Copitraje. Consultado em 19/11/2013. 
  13. Maria de Lourdes Modesto (1966). A Colher de Pau Verbo [S.l.] ISBN 9789722230100. 
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Colher de pau