Columbia (ônibus espacial)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de "Columbia", veja Columbia.
Columbia
KSC-107-Rollout (cropped).jpg
OV-102
País  Estados Unidos
Status Destruído em
01 de fevereiro de 2003
Primeiro Voo STS-1
12 - 14 de abril de 1981
Último Voo STS-107
16 de janeiro de 2003
01 de fevereiro de 2003
Número de Missões 28
Tripulantes 160
Tempo em órbita 300 dias, 17 horas, 40 minutos, 22 segundos
Número de órbitas 4.808
Distância percorrida 201.497.772 km
Satélites lançados 8
Acoplagens na Mir 0
Acoplagens na ISS 0

Columbia foi o primeiro ônibus espacial (em Portugal, vaivém espacial) construído pelos Estados Unidos, baseado no protótipo Enterprise.

O ônibus espacial Columbia foi o primeiro de uma série de cinco naves espaciais reaproveitáveis. Esta nova forma de viajar ao espaço foi uma tentativa dos Estados Unidos de transformar os voos espaciais em lançamentos rotineiros, de forma a serem economicamente mais viáveis.

Quando o Columbia foi lançado, em 12 de abril de 1981, a previsão que os primeiros modelos fariam até 100 voos e haveria uma média de 24 lançamentos por ano. Contudo, passados mais de 27 anos do primeiro lançamento foram realizados um total de 124 voos, tendo ocorrido dois grandes desastres com a morte das duas tripulações, e o recorde de lançamentos foi de apenas 9 em 1985.

Acidente[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de Fevereiro de 2003, durante o regresso da sua 28ª missão, o Columbia desapareceu dos radares quando sobrevoava, a grande altitude, o estado estadunidense do Texas. Um pedaço de espuma que se soltara durante a decolagem danificou a proteção de carbono da asa esquerda, provocando um buraco.

Este problema foi detectado por cameras durante a decolagem, e, notado por engenheiros durante a missão. Essa era uma ocorrência comum e considerado irrelevante pela NASA. Até, quando, durante a re-entrada na atmosfera, o isolamento de proteção termica das asas não teve qualquer utilidade com um buraco. O calor causado pela fricção com a atmosfera penetrou por dentro da asa esquerda, destruindo toda a estrutura.

Inicialmente, a temperatura acima de 1400 graus celsius, destruiu todos os sensores eletrônicos. Houston perde contato com Columbia. Em seguida, o calor da reentrada desintegrou, gradualmente, a estrutura da asa esquerda. O ônibus espacial perde estabilidade, a asa esquerda solta-se da estrutura, Columbia desintegra-se no ar e mais de 80 mil fragmentos caem sobre os Estados do Texas e Louisiana. Os 7 astronautas estão mortos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Columbia (ônibus espacial)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre exploração espacial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.