Comércio transaariano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
  • Não tem fontes.
  • Texto necessita de revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa.
  • Foi sugerida a expansão, baseada na página de discussão ou nos artigos correspondentes noutras línguas.
Mesquita de Djené, fundada em 800, importante centro comercial e, atualmente, Patrimônio da Humanidade

O reino de Mali da mesma região de Gana, sendo mais poderoso, controlava o comércio transaariano e as rotas caravaneiras. Ele favoreceu a difusão do islamismo no norte da África e nos reinos e impérios do Sael (entre o deserto do Saara e as terras mais férteis, ao sul), onde eram comercializadas especiarias. O comércio transaariano, em suas diversas rotas, ligava as várias praças mercantis com as zonas de abastecimento, as minas de sal do Deserto do Saara, as regiões auríferas do Sael' e as áreas de extração de pimenta e noz-de-cola das florestas tropicais.

Os terminais norte do comércio transaariano eram formados pelos pontos mediterrânicos, como os de Túnis, Cairo e Argel, e por cidades como Marraquexe, Sijilmassa e Fez. Os terminais sul dessas rotas eram as cidades saelianas de Audagoste, Ualata, Tombuctu, Gao, Tadmeca, e Agadés. A partir daí, os produtos trazidos pelas caravanas seguiam por redes transaelianas de comércio, tanto na direção leste como na oeste.

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.