Cratera de Colônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cratera da Colônia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cratera de Colônia
Geografia
País
Subdivisão administrativa
Coordenadas
Geologia
Tipo

A cratera de Colônia é uma cratera localizada na região do bairro de Parelheiros, zona sul de São Paulo, sendo a principal atração do patrimônio geológico da cidade de São Paulo. Foi descoberta no início da década de 1960, por meio de fotos aéreas e, posteriormente, por imagens de satélite. A primeira referência na literatura especializada foi registrada en 1961, com a publicação do Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia, no artigo “Estudos preliminares de uma depressão circular na região de Colônia: Santo Amaro, São Paulo”, assinado pelos professores Rudolph Kollert, Alfredo Björnberg e André Davino, da Universidade de São Paulo (USP).[1]

A cratera está localizada na região de Parelheiros, e foi criada com um impacto de um meteorito de estimados 200 metros de diâmetro em uma estimada entre 5 e 36 milhões de anos atrás, formando uma cratera de 3,6 km de diâmetro, com cerca de 300 metros de profundidade e uma borda soerguida de 120 metros.[2][3]

No Brasil existem apenas cinco destas estruturas, e cerca de 70 no mundo todo. Porém, a cratera de Colônia é a mais próxima de um ambiente urbano (está a 35 km do centro da cidade). É um patrimônio natural tombado pelo Condephaat.[4]

Em seu interior há uma coluna de sedimentos de 400 metros de profundidade onde, através de estudos de datação, é possível identificar alguns fatores paleoclimáticos, biogeográficos e até arqueológicos da história natural e de ocupação, tanto do antigo sertão santamarense como do próprio planalto paulista.[5]

Desde 2017 estudos estão sendo realizados em busca de reconstruir a evolução da Mata Atlântica, sua expansão e regressão e a formação e extinção de espécies, a variabilidade climática e as sucessões de ciclos da insolação da Terra através da análise de sedimentos formados dentro da cratera desde o seu impacto. Os estudos são conduzidos por cientistas da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Instituto Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD).[3]

O governo municipal estuda a criação de parque para conservação da área, que já vem sendo muito degradada por conta de ocupações irregulares, como a iniciada nos limites da cratera em 1989 que acabou gerando o bairro de Vargem Grande, com cerca de 40 mil habitantes. A ideia é criar um polo turístico no extremo sul da capital paulista.[carece de fontes?]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cratera guarda a memória de impacto de corpo celeste na periferia de São Paulo». Agência FAPESP. Consultado em 11 de março de 2019 
  2. «Colônia» (em inglês). Planetary and Space Science Centre, University of New Brunswick. Consultado em 4 de abril de 2016 
  3. a b «A enorme cratera causada por um corpo celeste que virou bairro na zona sul de SP». BBC Brasil. Consultado em 11 de março de 2019 
  4. «Cratera de Colônia». Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Consultado em 23 de março de 2017 
  5. «Brasil tem uma das duas crateras de impacto habitadas no mundo». Agência FAPESP. Consultado em 4 de abril de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.