Culto à carga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cruz cerimonial do culto a John Frum em Vanuatu

Culto à carga é um movimento religioso descrito pela primeira vez na Melanésia, que engloba uma série de práticas e ocorrem após o contato de sociedades simples com civilizações tecnologicamente mais avançadas. O nome deriva da crença que começou entre os melanésios no final do século XIX e início do século XX de que vários atos ritualísticos, como a construção de uma pista de pouso, resultariam no aparecimento de riqueza material, particularmente nas tão desejadas mercadorias ocidentais (ou seja, a "carga" ), que eram enviadas através de aviões.[1][2]

Os cultos à carga costumam se desenvolver durante uma combinação de crises. Sob condições de estresse social, tal movimento pode se formar sob a liderança de uma figura carismática. Esse líder pode ter uma "visão" (ou "mito-sonho") do futuro, muitas vezes ligada a uma eficácia ancestral ("mana") de um retorno à moralidade tradicional.[1][3] Esse líder pode caracterizar o estado atual como um desmantelamento da antiga ordem social, o que significa que a hierarquia social e os limites do ego foram quebrados.[4]

O contato com grupos colonizadores trouxe uma considerável transformação na forma como os povos nativos da Melanésia veem outras sociedades. As primeiras teorias dos cultos à carga começaram a surgir a partir da suposição de que os praticantes simplesmente não conseguiam entender a tecnologia, a colonização ou o capitalismo; neste modelo, os cultos à carga são um mal-entendido dos sistemas de distribuição de recursos e uma tentativa de adquirir tais bens na esteira deste comércio interrompido. No entanto, muitos desses praticantes realmente se concentram na importância de sustentar e criar novas relações sociais, sendo as relações materiais secundárias.[5]

Desde o final do século XX, surgiram teorias alternativas. Por exemplo, alguns estudiosos, como Kaplan e Lindstrom, enfocam a caracterização europeia desses movimentos como um fascínio aos bens manufaturados e o que tal enfoque diz sobre o fetichismo da mercadoria no Ocidente.[2] Outros apontam para a necessidade de ver cada movimento como reflexo de um contexto histórico particular.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Esse fenômeno já foi observado diversas vezes em casos completamente isolados. O primeiro caso que se tem registro foi o movimento "Tuka" nas ilhas Fiji em 1885, mas outros casos ocorreram periodicamente nas ilhas da Oceania.

Se tem noticia de um evento semelhante no contato de índios norte americanos e a população americana de origem européia. Um profeta paiute chamado Wovoka pregava que com certos rituais os ancestrais voltariam como ferrovias e uma nova terra cobriria os homens brancos. Índios amazonenses esculpiram fitas cassetes em madeira, com as quais fariam contato com espíritos.[carece de fontes?]

Durante a Segunda Guerra Mundial vários casos ocorreram quando nativos tiveram contato com os exércitos dos dois lados, especialmente quando equipamentos eram jogados de para-quedas para equipes no solo. O Culto a John Frum ainda existe até hoje na ilha Tanna, Vanuatu.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Burridge, Kenelm (1969). New Heaven, New Earth: A study of Millenarian Activities (London: Basil Blackwell). p. 48. 
  2. a b Lindstrom, Lamont (1993). Cargo Cult: Strange Stories of desire from Melanesia and beyond (Honolulu: University of Hawaii Press). 
  3. Burridge, Kenelm (1993). Lockwood, V. S.; Harding, T. G.; B. J., Wallace, : . Contemporary Pacific Societies: Studies in Development and Change (Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall). p. 283. 
  4. Worley, Peter (1957). The Trumpet Shall Sound: A Study of 'Cargo Cults' in Melanesia (New York: Schocken books). 
  5. Otto, Ton (2009). «What happened to Cargo Cults? Material Religions in Melanesia and the West». Social Analysis [S.l.: s.n.] 53 (1): 93–4. 
  6. Otto, Ton (2009). «What happened to Cargo Cults? Material Religions in Melanesia and the West». Social Analysis [S.l.: s.n.] 53 (1). 

Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.