Cyclades

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Cyclades Corporation
Razão social Cyclades Corp.
Atividade Tecnologia da Informação
Fundação 1988
Sede Vila Olímpia, São Paulo, Brasil
Website oficial www.EmersonNetworkPower.com

Cyclades Corporation foi uma startup brasileira do setor de tecnologia da informação, sua importância histórica deve-se ao fato de ter sido a primeira empresa brasileira de tecnologia da informação a se instalar no Vale do Silício e que cresceu mundialmente.[1] A primeira sede da Cyclades foi uma garagem e a empresa produzia soluções de comunicação de dados, inclusive placas inteligentes, roteadores e servidores de acesso remoto. Como a empresa inicialmente não garantia a remuneração de seus fundadores, eles dividiam o tempo entre a empresa recém-criada e o emprego em empresas de tecnologia do setor bancário. A Cyclades Corporation foi vendida em 2006 para a Avocent, que hoje faz parte da Emerson Network Power. Na época de sua venda, por mais de US$ 90 milhões, a Cyclades Corporation estava presente em mais de 19 diferentes lugares e sua sede era no Vale do Silício, mais precisamente em Fremont, CA.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

A ideia de criar a companhia surgiu em 1988 dentro da extinta lanchonete Wells, na Rua Augusta. A empresa foi fundada em 1988 por João Lima ("John" Lima) e Daniel Dalarossa, em uma garagem da Vila Olímpia, em São Paulo, com capital inicial equivalente a US$ 6 mil. Começar com baixo capital e ter como primeira sede uma garagem parece ser uma boa fórmula de sucesso, que o digam HP, Google, Amazon, Apple, Microsoft.[4][5]

Na época da criação Dalarossa e Lima trabalhavam em companhias de tecnologia ligadas ao setor bancário. A primeira sede, a garagem, não foi escolhida apenas pela escassez de recursos, foi escolhida por um motivo bem prático, a distância para a casa dos fundadores (os fundadores usaram um mapa e selecionaram um ponto a meia distância da casa de ambos). O primeiro produto foi uma placa capaz de ligar o computador a vários dispositivos, como impressoras e caixas registradoras.

O negócio cresceu até que, no início da década de 90, houve a queda da reserva de mercado na área de informática no Brasil, foi aí que a Cyclades resolveu expandir e instalou-se na cidade de Fremont (3541 Gateway Boulevard Fremont, CA 94538), a 30 minutos de carro de Mountain View. Com a instalação em Fremont-CA iniciam-se as atividades da Cyclades no Vale do Silício. Após a chegada no Vale e o sucesso alcançado, a corporação transferiu sua sede para o Vale do Silício, chegou a ter filiais em diversos países e mais de 8 mil clientes em todo o mundo, incluindo 85% das empresas Fortune 100.[6][7]

No período entre 2003 e 2005, a empresa cresceu na faixa dos 40% ao ano, fechando 2005 com um faturamento de aproximadamente US$ 60 milhões.[8]

Em 2006 a empresa foi vendida para a Avocent, na época a linha de produtos contava com produtos como KVM, roteadores, produtos de gerenciamento de energia.[9]

Empreendedorismo brasileiro[editar | editar código-fonte]

Após empreenderem com a Cyclades Corporation, Lima e Dalarossa, venderam a empresa — que começou com um investimento de US$ 6 mil — por mais de US$ 90 milhões, tornaram-se milionários e voltaram a empreender novamente.

João Lima criou a Coffee Bean, fundada em 2007, que presta serviço para cerca de 20 clientes especialmente agências de marketing digital do Brasil e dos EUA de gerenciamento de relações com clientes integrado às redes sociais. É uma modalidade nova de negócios, que ainda não movimenta grande volume de dinheiro, mas se mostra muito promissora.[7]

Dalarossa, por sua vez, fundou a Zymi Group, dedicada à capacitação de líderes e gestores empresariais, a partir da experiência de sua equipe de mentores. “Não tinha nenhuma bagagem sobre gestão quando comecei meu negócio. O que aprendi foi em tentativas e erros, e com o conhecimento dos profissionais com quem trabalhei e convivi ao longo dos anos. Esse é um dos conceitos a que dou muita ênfase: a importância da equipe”, disse Dalarossa em entrevista a Gazeta do Povo.[10]

Dalarossa e Lima podem se considerar homens de muito sucesso, a Cyclades Corporation foi a única sobrevivente de um grupo de quatro companhias nacionais que se aventurou nos EUA no final da década de 80 e início dos anos 90.[11]

Cyclades e o Linux[editar | editar código-fonte]

Como acontece com várias startups, a dificuldade nos dias iniciais também acometeu a Cyclades Corporation, antes de venderem a Cyclades para a americana Avocent, "John" Lima e Daniel Dalarossa não obtiveram retorno financeiro imediato, nem encontraram um investidor anjo disposto a investir dinheiro na empresa. A própria empresa apostou na expansão dos negócios para os EUA e, durante algum tempo, as operações no Brasil sustentavam o funcionamento da empresa nos EUA. Com uma estratégia de preços agressiva e com a adaptação de seus produtos para o sistema operacional Linux, a Cyclades ganhou terreno e ficou a frente da concorrência. Aproveitando-se do repentino boom da internet, ocorrido a partir de meados dos anos 1990 (EUA), que depois se estendeu para outros mercados, inclusive o brasileiro, as placas da Cyclades começaram a vender muito. A empresa, em seu apogeu, chegou a 320 funcionários e abriu escritórios em 16 países.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.