Dança do vilão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Dança do vilão é uma expressão coreográfica folclórica, mantida em São Francisco do Sul, estado de Santa Catarina.

História[editar | editar código-fonte]

Procurando demonstrar a prosperidade econômica do município em meados do Século XVIII, os proprietários de terra promoviam a cada término da colheita uma grande festa, tendo como ponto alto uma dança de origem portuguesa absorvida e adaptada pelos escravos.

A expressão da dança revela movimentos de ataque e defesa, onde os dançarinos utilizam bastões de madeira rija e verde.

É apresentada em sete atos:toque do tam-tam, troca-lugar, cerradinho, perna sobre bastão, bastão sobre a cabeça, saída com uma roda. Os compassos e o ritmo tem acentuada influência afro.

Esta dança conservando o caráter cênico,somente tem sido reproduzida no Distrito de Morro Grande, São Francisco do Sul, pelo "Gupo Folclórico Dança do Vilão".

Variações[editar | editar código-fonte]

Encontramos várias formas de vilão, todas elas danças lúdicas. São danças cujo principal escopo é realizar um jogo de agilidade, destreza ou habilidade, saindo um perdedor que ora é vaiado, ora fica na obrigação de fazer uma nova escolha, participar novamente do jogo: vilão-de-lenço, vilão-de-mala, vilão-de-agulha, vilão-de-faca, vilão-de-bengala.

Em Santa Catarina,no carnaval de São Francisco do Sul aparecem os "Vilões" com avantajados bastões, batendo sob o ritmo quente das marchinhas e sambas bem brasileiros.

Em Santos, estado de São Paulo, por volta de 1940, havia um folguedo popular com nome de Vilão. Graças às correntes imigratórias de espanhóis e portugueses, no carnaval exibiam-se vilões e "vilones". O carnaval absorveu estes grupos passou então a ser cordão carnavalesco - vilão - congregando foliões santistas filhos desses imigrantes da Península Ibérica que se misturam na dança do bate-pau, regida a apito.

Ver também[editar | editar código-fonte]