Danuvius guggenmosi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaDanuvius guggenmosi
Ocorrência: SerravallianoTortoniano 11.6 Ma
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Primatas
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Tribo: Dryopithecini
Gênero: Danuvius
Böhme et al, 2019

Espécie: D. guggenmosi
Nome binomial
Danuvius guggenmosi
Böhme et al, 2019
Hammerschmiede está localizado em: Alemanha
Hammerschmiede
Hammerschmiede (Baviera, Alemanha): localidade onde Danuvius foi descoberto e escavado.

Danuvius é um gênero extinto de grande símio da argila do mioceno médio-tardio de 11.6 milhões de anos no sul da Alemanha. A área naquele momento era provavelmente um bosque com um clima sazonal. Estima-se que um espécime masculino pesasse cerca de 31 kg e duas fêmeas 17 e 19 kg.

É o primeiro grande símio do mioceno tardio com ossos longos preservados e elucida muito a estrutura anatômica e a locomoção dos macacos contemporâneos. Tendo ambas as adaptações para pendurar nas árvores (comportamento suspensivo) e andar sobre duas pernas (bipedismo) — onde os grandes símios são mais bem adaptados para os primeiros e os humanos para os últimos —, Danuvius tinha um método de locomoção diferente de qualquer macaco conhecido, chamado "escalada de membros estendidos", caminhando diretamente ao longo dos galhos das árvores e usando os braços para se suspender. O último ancestral comum entre humanos e outros macacos pode ter tido um método semelhante de locomoção.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O nome de gênero Danuvius é uma referência ao deus celtaromano Danuvius. O nome da espécie guggenmosi homenageia o arqueólogo amador Sigulf Guggenmos (1941—2018), que descobriu o poço de argila no qual Danuvius foi encontrado.[1]

Os restos de Danuvius foram descobertos em argila perto da cidade de Pforzen, no sul da Alemanha, datados magnetostratigraficamente de 11.62 milhões de anos atrás na fronteira SerravallianoTortoniano (fronteira Astaraciano-Vallesiano no ELMA),[1] e foram desenterrados entre 2015 e 2018.[2] O holótipo GPIT/MA/10000 compreende um esqueleto parcial com elementos da boca, vértebras e ossos longos. Existem também três parátipos: fêmur esquerdo adulto (GPIT/MA/10001); fêmur esquerdo adulto, dedão do pé e dentes (GPIT/MA/10003); dentes juvenis e osso do dedo médio (GPIT/MA/10002). Existem 37 amostras no total.[1]

Sua anatomia dentária é muito semelhante à dos grandes símios da dryopitecina. Tendo ambas as adaptações para pendurar nas árvores (locomoção suspensiva) e ficar sobre duas pernas (bipedismo), Danuvius pode ter tido métodos locomotivos muito semelhantes ao último ancestral comum entre seres humanos e outros macacos, e acrescenta peso à hipótese de que a atividade suspensiva e o bipedismo humano se originaram de uma forma capaz de ambos.[1][2][3] Sua descoberta também elucida a anatomia contemporânea dos membros dos grandes símios, anteriormente desconhecida.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Danuvius era pequeno e provavelmente pesava em média 23 kg. A amostra de holótipo, um macho adulto, foi calculado com base nos tamanhos das articulações do quadril e do joelho pesar 26 a 37 kg, com uma estimativa pontual de 31 kg.[4]

Referências

  1. a b c d e Böhme, M.; Spassov, N.; Fuss, J.; Tröscher, A.; Deane, A. S.; Prieto, J.; Kirscher, U.; Lechner, T.; Begun, D. R. (2019). «A new Miocene ape and locomotion in the ancestor of great apes and humans». Nature (em inglês). doi:10.1038/s41586-019-1731-0 
  2. a b Barras, C. (2019). «Ancient ape offers clues to evolution of two-legged walking». Nature News (em inglês). doi:10.1038/d41586-019-03418-2 
  3. Kivell, T. L. (2019). «Fossil ape hints at how walking on two feet evolved». Nature News & Views (em inglês). doi:10.1038/d41586-019-03347-0 
  4. Lang, K. W.; de Waal, F. (1 de dezembro de 2000). «Bonobo Pan paniscus». Primate Info Net (em inglês). Wisconsin Primate Research Center. Consultado em 13 de novembro de 2019