Demografia do Vaticano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estatística populacional da Cidade do Vaticano
Papa e Cardeais 74
Corpo diplomático da Santa Sé 306
Eclesiásticos e Religiosos (as) 50 (Cidadãos) e 197 (Residentes não-cidadãos)
Leigos (as) 56 (Cidadãos) e 24 (Residentes não-cidadãos)
Guarda Suíça Pontifícia 86
Fonte: Governo do Estado da Cidade do Vaticano - Dados estatísticos

A população vaticana é composta por membros da Igreja, que devido às suas funções, residem lá. Além do Papa, residem e trabalham lá: bispos, cardeais, arcebispos e outros funcionários importantes da Igreja Católica. A maioria dos funcionários estáveis são italianos, um número considerável é suíço e o restante originário de diversos países.

A religião é o catolicismo, que detém estatuto oficial. A língua oficial é o latim, embora só seja utilizado em documentos oficiais e em rituais cerimoniais. A língua falada é o italiano.

Tem uma população de cerca de 921 habitantes e uma taxa de crescimento populacional de cerca de 0.01%.

Em 22 de fevereiro de 2011, o papa Bento XVI promulgou a nova "Lei sobre a cidadania, residência e acesso" para a Cidade do Vaticano, que entrou em vigor em 1 de março do mesmo ano. A nova lei substituiu a "Lei sobre cidadania e residência" de 1929.[1] A nova lei criou o status de residentes oficiais do Vaticano, legalizando as pessoas que vivem na Cidade do Vaticano mas que não possuem cidadania.[2]

População Feminina[editar | editar código-fonte]

Segundo o jornal Herald Sun, em março de 2011, havia "apenas 32 cidadãs" residentes no vaticano. Dos 572 cidadãos com passaportes emitidos pelo Vaticano, um deles é uma freira.[3] Em 26 de fevereiro de 2013, o website Worldcrunch informou que havia cerca de 30 mulheres eram cidadãs da Cidade do Vaticano. Em 2003, o mesmo webiste relatara também que havia duas mulheres sul-americanas, três suíças, duas polonesas e algumas italianas. Em fevereiro de 2013, a maioria das mulheres era da Itália.[4]

Entre as mulheres que residiam na Cidade do Vaticano, estava uma das filhas de um eletricista, que mais tarde se casou e "perdeu seu direito de viver" na cidade. Outra mulher que vivia na Cidade do Vaticano era Magdalena Wolińska-Riedi, que é tradutora polonesa e esposa de um dos guardas suíços.[4]

Entre as mulheres que têm cidadania do Vaticano, há uma oficial no exército, duas professoras (uma leciona no ensino médio, e a outro no jardim de infância) e uma acadêmica. As mulheres obtêm a cidadania do Vaticano por casamento (como um católico batizado) para com seus maridos; no entanto, tal cidadania "dura apenas pela duração de sua estadia" na Cidade do Vaticano.[4]

No passado, as mulheres não tinham sequer permissão para abrir uma conta bancária na Cidade do Vaticano. Porém, durante o papado de João Paulo II e do Bento XVI, o valor das mulheres na cidade foi destacado.

Direito ao Voto[editar | editar código-fonte]

Como no Vaticano não existem eleições, as mulheres não podem votar ou ocupar qualquer cargo executivo ou legislativo nesta Cidade-Estado ou na Santa Sé. Desta forma, o Vaticano é o único país no mundo que permanece sem direito a voto ou direitos eleitorais para as mulheres.[5][6]

Divórcio[editar | editar código-fonte]

O Vaticano é um dos dois estados soberanos que não permitem o divórcio, sendo o outro a República das Filipinas.

Aborto[editar | editar código-fonte]

O Vaticano é um dos seis países do mundo que proíbem o aborto completamente, mesmo que a vida da mãe esteja em perigo.

Donne in Vaticano[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2016, a Alta Autoridade do Vaticano aprovou a criação da Donne in Vaticano, a primeira associação exclusivamente feminina do Vaticano. Os membros da associação são jornalistas, teólogas e economistas.[7][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ZENIT. Innovative Media. 02 de março de 2011. 1 de março de 2011. «Lei sobre a cidadania, residência e acesso». Consultado em 28 de março de 2013. 
  2. ZENIT. Innovative Media. 02 de março de 2011. «Nova lei vaticana de cidadania». Consultado em 28 de março de 2013. 
  3. Only 32 women in Vatican City, Herald Sun, March 02, 2011.
  4. a b c Mrowińska, Alina. BEHIND THE WALLS: WHAT IT'S LIKE TO LIVE INSIDE THE VATICAN, FOR A WOMAN, GAZETA WYBORCZA/Worldcrunch, February 26, 2013.
  5. Maloney, Alli (26 de agosto de 2015). «As Saudi Arabian women celebrate the vote, the (brief) history of global suffrage must be examined». New York Times. Consultado em 9 de janeiro de 2017. 
  6. Zarya, Valentina (11 de dezembro de 2015). «There Is Now Only One Country Left in the World Where Women Can't Vote». Fortune. Consultado em 9 de janeiro de 2017. 
  7. (em italiano) E' nata la prima Associazione di donne in Vaticano, Radiovaticana.va, 7 December 2016
  8. (em francês) Donne in Vaticano, la 1ère association féminine au Vatican, Buzz-europa.com, 14 May 2017
Bandeira do Vaticano Vaticano
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Política • Imagens