Dia Mundial do Refugiado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Dia Mundial do Refugiado é lembrado em 20 de junho de cada ano e dedicado à conscientização sobre a situação dos refugiados em todo o mundo.

História[editar | editar código-fonte]

Em 4 de dezembro de 2000, a Assembléia Geral das Nações Unidas, na Resolução 55/76, decidiu que a partir de 2000, 20 de junho seria celebrado como o Dia Mundial do Refugiado. Nesta resolução, a Assembléia Geral notou que 2001 marcou o 50º aniversário da Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados . [1]

O Dia do Refugiado Africano foi formalmente celebrado em vários países antes de 2000. A ONU observou que a Organização da Unidade Africana (OUA) concordou em que o Dia Internacional dos Refugiados coincidisse com o Dia do Refugiado Africano em 20 de junho. [1]

Na Igreja Católica Romana, o Dia Mundial dos Migrantes e Refugiados é celebrado em janeiro de cada ano, tendo sido instituído em 1914 pelo Papa Pio X.

Gráfico que mostra o crescimento do número total de pessoas de interesse da UNCHR

Celebrações[editar | editar código-fonte]

Todos os anos, em 20 de junho, as Nações Unidas, a Agência de Refugiados das Nações Unidas (ACNUR) e inúmeros grupos cívicos em todo o mundo organizam eventos do Dia Mundial do Refugiado para chamar a atenção do público para os milhões de refugiados e pessoas internamente deslocadas em todo o mundo que foram forçados a fugir de suas casas devido à guerra, conflito e perseguição .

A comemoração anual é marcada por uma variedade de eventos em mais de 100 países, envolvendo funcionários do governo, trabalhadores de ajuda humanitária, celebridades, civis e os próprias pessoas expulsas de seus países.

Todos os anos, o ACNUR anuncia um tema para sua campanha do Dia Mundial do Refugiado. Temas recentes incluem:

Indivíduos e grupos comunitários são incentivados a marcar o dia participando de um evento do Dia Mundial do Refugiado, assistindo e compartilhando vídeos do Dia Mundial do Refugiado e aumentando a conscientização para os refugiados nas redes sociais. [2]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

Links externos[editar | editar código-fonte]