Discussão:Arquiteto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Senhores. Meu nome é André Fernando Müller, sou Arquiteto e Urbanista graduado em 1980, e atualmente presido o Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul. Navegando por curiosidade na pesquisa sobre "arquiteto", deparei-me com informações corretas, porém desatualizadas no que diz respeito à formação profissional do Arquiteto e Urbanista. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação, eliminou o chamado "currículo mínimo", criando as chamadas "diretrizes curriculares", concedendo autonomia aos cursos para definirem o perfil do profissional que formarão, e diminuindo a carga horária. Hoje no RS já temos cursos de arquitetura com 4 anos somente noturno. No Sindicato temos efetuado diversas discussões sobre a questão, todas elas desembocando na provável desqualificação dos egressos destes cursos. Por outro lado, sabe-se que na União Européia foi assinado o chamado Tratado de Bolonha, que estende o estudo da arquitetura para algo em torno de sete anos, incluída a pós graduação. Considerando por inevitável a vinda destes profissionais para o Brasil, pois para o Governo o setor de serviços é mera moeda de troca,pergunta-se como ficarão os arquitetos brasileiros, com menor carga horária quando enfrentarem a competição com aqueles europeus, com maior qualificação? Talvez fosse interessante desencadear um processo de discussão sobre o tema. obrigado André Fernando Müller Arquiteto e Urbanista

- - 
Tentei "actualizar" o artigo utilizando as informações que deu. Se for necessário alguma modificação no texto, esteja à vontade. Manuel Anastácio 22:52, 9 Maio 2007 (UTC)

O que faz um arquiteto exatamente?[editar código-fonte]

Caros editores, Acredito que esta página descreve alguns aspectos se não rasos, no mínimo desinteressantes sobre a atuação de um arquiteto. Não há na verdade, exatamente um trecho que elucide as competencias que possam distinguir um arquiteto, um engenheiro, um designer, um decorador, paisagistas e afins, inclusive Técnicos de Edificações, onde possamos saber (eu sei, mas a população em geral não faz ideia...) o que é da competencia de cada profissão, e até onde elas podem se extender ou sobrepor, após a graduação mínima e viabilidade através de faculdade e do Crea. Como já editei a wikipedia mas parei por excesso de polemicas, não vou fazer esse trabalho pois poderia ser chamado de "tendencioso". Mas se vocês mostrarem esse resuminho para qualquer profissional da área da construção e afins, ele vai achar isso muito curto mesmo. Gostaria de sugerir que se colocassem também para as diversas profissões, um padrão referindo a entidade que administra essas profissões, por exemplo, CREA, OAB, etc. Meu nome é Gabriel, e sou arquiteto urbanista, mas também atuo como designer e artista plástico. No meu site há algum texto sobre isso, se interessar a alguém (pode escrever "carece de fontes" rsrs) ---> .

Um abraço e boas edições a todos.

Publicidade?[editar código-fonte]

A mençãe específica a duas empresas (Hidroservice e a Promon) parece-me injustificada. Será publicidade a retirar? Dreispt (discussão) 17h18min de 28 de dezembro de 2010 (UTC)

Tomei a liberdade de retirar. Não vislumbro qual a utilidade de mencionar duas empresas específicas para exemplificar aquilo que se explica. --Stegop (discussão) 17h23min de 28 de dezembro de 2010 (UTC)

Arquitetura é mais que construção[editar código-fonte]

Caros leitores e editores. Sou arquiteto, e quando vejo citações do tipo [carece de fontes] sobre a definição "arquitetura é mais que construção" entendo porque a wikipedia fica tão fraca e tão burocrática, tão sistemática mesmo ao custo do conhecimento. Arquitetura, num sentido mais amplo, engloba toda a informação contida na obra, desde a logística que opera numa época, sua durabilidade, a previsão de não-esgotamento num certo período, a crítica, o elogio, o conteúdo subjetivo e objetivo do sítio onde foi construída e dos que dela participaram, a informação não óbvia dos recursos restritos ou não, das tendências, das modas, da gratuidade; As teorias metafísicas ou científicas nela embutidas, a postura pecuniária de certos proprietários, a poesia, a ficção e a física estática que podem haver numa obra. Se nós arquitetos não podemos definir arquitetura, quem poderia? O fantástico? O Globo Repórter? A folha de sao paulo? o editor da wikipédia? Muita gente já desistiu de editar a wikipédia por esses motivos... deixo como está. É engraçado a idiotice de certos editores, mais preocupados com burocracia e metodologia que com o óbvio e a verdade. E apaguem esse post pois ofende editores burocráticos demais. Ridículo manter publicidade aqui. Mais ridículo ainda é o paradigma pseudo-científico que impera na wikipédia, um buraco de pseudo-cientistas frustrados pq não descobrem a verdade em lugar algum, mas apenas diante do próprio nariz, o único lugar que não olham... (claro que muitos editores vão achar engraçado, porque toda regra tem exceção, e toda exceção deriva de uma regra...) o comentário precedente deveria ter sido assinado por 189.7.69.172 (discussão • contrib.) 01h00min de 29 de janeiro de 2011 (UTC) --Stegop (discussão) 03h22min de 29 de janeiro de 2011 (UTC)

Sugiro que leia atentamente o princípio da verificabilidade antes de chamar idiotas aos editores. O "óbvio" e a "verdade" dependem muito do leitor e, não havendo uma estrutura de peer review, indicar fontes para tudo o que se escreve é a forma encontrada para facilitar que o leitor (idiota ou não) possa fazer um juízo crítico daquilo que lê. Aproveitaria melhor o seu tempo em melhorar o artigo do que vir aqui "mandar postas de pescada" insultando quem contribui para este projeto. E, falando em idiotas, quem fala de "paradigma de pseudo-científico" e arenga contra a exigência de fontes percebe ainda menos do âmbito deste projeto do que o meu sobrinho de 10 anos. --Stegop (discussão) 03h22min de 29 de janeiro de 2011 (UTC)