Discussão:Karl Marx

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Parte da crítica[editar código-fonte]

Nas críticas tem uma parte sobre Mises a respeito da economia socialista, porém Marx nunca escreveu uma teoria socialista, então qual o sentido de colocar Mises na parte da crítica? O que Marx fez foi literalmente alguns esboços no manifesto, cartas e um pouquinho mais, porém ainda simplistico no Crítica ao Programa de Gotha, quem tratou mais do socialismo científico foi Lenin, então acho que faz mais sentido colocar isso em Socialismo científico ou em Lenin Cothonete (discussão) 11h14min de 5 de janeiro de 2018 (UTC)

Faz sentido pois Marx, logo no capítulo incial de sua principal obra "O Capital", argumenta que o preço das mercadorias (seu "valor de troca", na terminologia Marxista) é proporcional à quantidade média de trabalho dispendida em sua produção ("trabalho social" na terminologia de Marx). Esse é um postulado fundamental para o desenvolvimento da sua crítica ao Capitalismo e também é o fundamento dos desenvolvimentos futuros da teoria socialista e da economia Marxista. Mises crítica precisamente essa premissa, que é incompatível com o sistema de precificação necessário para o bom funcionamento das economias, segundo este autor. --Marco Ridenti (discussão) 16h08min de 11 de janeiro de 2018 (UTC)
Isso é um erro pois no início das obras de Marx ele não diz que o preço é "proporcional a quantidade média de trabalho despendida", mas sim que o valor é criado pelo trabalho e que o preço é reproduzido de acordo com o tempo socialmente necessário, isso é importante pois dizer que é proporcinal significa dizer que ele sempre manterá uma taxa média de preços e isso é um erro, e Mises não critica isso em Marx e sim a economia planificada, coisa que Karl Marx nunca defendeu, ele estava muito mais próximo do anarquismo do que o Leninismo, então não faz sentido colocar isso nas críticas ao Marx sobre uma coisa que ele nunca defendeu que foi a estatizaçãoCothonete (discussão) 09h38min de 22 de janeiro de 2018 (UTC)

Sobre instrução das Filhas de Karl Marx[editar código-fonte]

Creio ser oportuno mencionar não apenas que Karl Marx educou suas filhas como filhas da burguesia da época, com aulas de piano etc., mas que também as proibiu peremptoriamente que ingressassem em profissões, negando-lhes uma educação satisfatória [1].--Marco Ridenti (discussão) 15h58min de 11 de janeiro de 2018 (UTC)

Qual a relevância enciclopédia desta afirmação? Além disso, pelo pouco que pesquisei, o livro serve para atacar intelectuais, não servindo como fonte enciclopédica. Comuna de Paris (discussão) 16h20min de 11 de janeiro de 2018 (UTC)
Exatamente a mesma relevância que levou o autor (ou autores) a justificar a educação burguesa de suas filhas no artigo em sua forma atual. É justo que o leitor neutro e bem informado tenha a informação completa. A fonte é fidedigna, embora seja uma biografia crítica. O artigo em sua forma atual contém muitas biografias laudatórias. Só existe neutralidade quando várias fontes são confrontadas. Não existe fonte 100% imparcial. --Marco Ridenti (discussão) 16h36min de 11 de janeiro de 2018 (UTC)

Marxismo cultural[editar código-fonte]

JMagalhães desfez a edição que realizei (14h07min de 8 de abril de 2018‎) justificando no histórico de edições: (...) "qual o sentido de meter teorias da conspiração aqui, sem relação nenhuma com o biografado?" O sentido é que o pensamento de Karl Marx ("marxismo"), tem ligação lógica e direta com marxismo cultural, mesmo que este seja considerado uma "teoria conspiratória" por alguns. Além, a informação veio acompanhada de referências. Como indica a referência: Marylandthursdaymeeting: (...) Cultural Marxism is a branch of western Marxism, different from the Marxism-Leninism of the old Soviet Union. (...) Independently, two Marxist theorists, Antonio Gramsci in Italy and Georg Lukacs in Hungary, came to the same answer: Western culture and the Christian religion had so blinded the working class to its true, Marxist class interest that Communism was impossible in the West until both could be destroyed. In 1919, Lukacs asked, "Who will save us from Western civilization?"
(...) "O marxismo cultural é um ramo do marxismo ocidental, diferente do marxismo-leninismo da antiga União Soviética." (...) "Independentemente, dois teóricos marxistas, Antonio Gramsci na Itália e Georg Lukacs na Hungria, chegaram à mesma resposta: a cultura ocidental e a religião cristã cegaram tanto a classe trabalhadora para esta verdade, o interesse de classe marxista, que o comunismo será impossível no Ocidente até que ambos sejam destruídos." Enfim, a reversão feita por JMagalhães não faz sentido e remove informações (referenciadas) que só contribuem para o enriquecimento do verbete. Esopo (discussão) 13h33min de 9 de abril de 2018 (UTC)

Não, não tem qualquer relação. Você está apenas a copiar o que os teóricos da conspiração alegam. Foi Marx o autor da teoria da conspiração? Não. JMagalhães (discussão) 13h38min de 9 de abril de 2018 (UTC)
Não, de fato, Marx não foi o autor desta "teoria da conspiração". O "marxismo cultural" apenas transfere o esforço para implantação do comunismo da via violenta (revolução armada) para o campo comportamental-social (revolução cultural). A relação é a mais lógica possível: sem o "marxismo" (de Karl Marx) não existiria o "marxismo cultural" (de Gramsci e Lukács). Além disso JMagalhães, apesar de diferirem no método, ambas as linhas de pensamento e ação tem exatamente o mesmo objetivo. Esopo (discussão) 13h54min de 9 de abril de 2018 (UTC)
Você está a repetir a própria teoria da conspiração. A Wikipédia não é local para fazer propaganda a teorias da conspiração. JMagalhães (discussão) 13h56min de 9 de abril de 2018 (UTC)
E você insiste em não compreender. Não, JMagalhães, não estou fazendo "propaganda a teorias da conspiração". Tanto isto é verdade que deixei claro, na edição, que o marxismo cultural é "tido hoje como uma teoria conspiratória". E a Wikipédia deve garantir a todos o acesso à informação. Portanto, a existência de um "marxismo cultura" pode (e deve) perfeitamente estar incluída no verbete que trata da biografia do criador da linha de pensamento "marxismo" (Karl Marx). O marxismo cultural não é visto como teoria conspiratória por diversos grupos e, nos mesmos, ele é seriamente discutido (saliento que sou indiferente quanto aos posicionamentos ideológicos destes grupos). Esopo (discussão) 14h19min de 9 de abril de 2018 (UTC)
Symbol declined.svg Discordo Não existe "marxismo cultural." As teses contrárias a esse fato são teorias marginais que, portanto, não têm espaço nesse projeto. Att --Usien6 14h30min de 10 de abril de 2018 (UTC)
"Marxismo cultural" é uma expressão imprópria que nada tem haver com marxismo em si, a única semelhança é que uma modalidade de contracultura, que se dá muito mais no aspecto comportamental do que no aspecto econômico, como é o cerne do marxismo.--Raimundo57br (discussão) 14h46min de 10 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Atenção a isto, JMagalhães, Usien6 e Raimundo57br:
(...) São palavras de Gramsci: "Criar uma nova cultura não significa apenas fazer individualmente descobertas ‘originais’; significa também, e sobretudo, difundir criticamente verdades já descobertas, ‘socializá-las’ por assim dizer."
(...) Segundo Gramsci, "toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”, é uma relação social ativa de modificação do ambiente cultural existente."
(...) Neste sentido, Gramsci desenvolveu uma teoria que viabilizasse a ocupação metódica e sistemática, pelos trabalhadores, dos espaços estratégicos existentes, num processo de ampliação da esfera da sociedade civil perante a sociedade política organizada em torno do Estado, que permitisse a conquista do poder político pelo proletariado. (Fonte: "ANTONIO GRAMSCI E A CONSTRUÇÃO DA NOVA HEGEMONIA." Artigo de Ricardo Costa em PCB.org).
Ou seja: ocupação sistemática de espaços culturais para modificá-los de modo a criar uma nova cultura que leve a sociedade converter-se (desavisadamente) ao comunismo. Este é o resumo da estratégia do marxismo cultural traçada por Antonio Gramsci. Se o marxismo cultural é considerado uma teoria da conspiração, isto lá já é outra história... Esopo (discussão) 02h56min de 11 de abril de 2018 (UTC)

Se o "marxismo cultural" é uma variante do marxismo fundada por Gramsci, então informações sobre marxismo cultural devem estar na página de Gramsci e não de Marx. Na página de Marx (que é uma biografia) pode haver uma indicação que o tema marxismo cultural é tratado em outra página. Aliás, existe a página marxismo, que poderia falar sobre as diferentes vertentes do marxismo (algumas vertentes têm artigo próprio). Interessante é que a página marxismo cultural quase não menciona Gramsci e que a página de Gramsci não menciona textualmente a expressão "marxismo cultural".--Raimundo57br (discussão) 06h41min de 11 de abril de 2018 (UTC)
Raimundo57br, o Esopo está tentando adicionar um texto referenciado lá mas foi desfeito também (ver [1]). DARIO SEVERI (discussão) 09h26min de 11 de abril de 2018 (UTC)
Bom dia a todos. Raimundo57br, como indicado por DARIO SEVERI, informações (referenciadas) sobre o marxismo cultural também foram acrescentadas no artigo → György Lukács. ← No artigo marxismo cultural, Lukács também é apontado como responsável pela criação desta "teoria conspiratória". Nas edições que fiz tenho, inclusive, usado referências colhidas do próprio artigo "marxismo cultural" mas, estas são desfeitas sistematicamente por JMagalhães. Estranhamente, a atual edição de Marxismo cultural (10h28min de 4 de abril de 2018) foi realizada pelo próprio JMagalhães... Raimundo57br, vou aproveitar sua sugestão e ligar "Marxismo cultural" a "Marxismo" mas, é quase certo que uma nova reversão (e discussão) poderá surgir daí... Esopo (discussão) 11h13min de 11 de abril de 2018 (UTC)

"Marxismo cultural" é uma teoria da conspiração surgida nos anos 90 nos Estados Unidos. Não foi criada nem por Marx, nem por Lukacs, nem por Gramsci nem tem relação nenhuma com a noção de marxismo. Logo, não deve figurar em nenhum destes artigos, muito menos com alegações copiadas da própria teoria da conspiração. JMagalhães (discussão) 11h19min de 11 de abril de 2018 (UTC)

Obrigado por retornar a esta discussão, JMagalhães. Não existem evidências que Gramsci, Lukács, etc. tenham, alguma vez, usado o termo "marxismo cultural". O termo criado nos anos 1990 serviu apenas para designar uma ideia que tem origem bem mais antiga (Gramsci, Lukács, etc.). Negar que a origem disto está nas ideias neles, é desonestidade intelectual. E, mesmo que seja uma "teoria da conspiração", nada impede que este seja ligado aos supracitados artigos. Apenas três exemplos (dentre inúmeros): sabe-se que o sistema de ensino é um dos "alvos" principais de Gramsci para auxiliar na tarefa de, por meio de doutrinação, criar a "nova cultura" comunista. Como claramente demonstrado em "Gramsci, o Estado e a Escola." E darei apenas três, dentre inúmeros, exemplos de doutrinação ideológica que acontecem neste momento na escola brasileira:
1 - "Cinco casos de doutrinação ideológica em sala de aula." (fonte: Gazeta do Povo).
2 - "Flagrante de doutrinação ideológica em livro didático." (fonte: Escola sem Partido).
3 - "Professor critica escolha do livro didático pelo MEC em audiência sobre doutrinação; secretário contesta. Ambos participaram de audiência pública sobre casos de doutrinação política e ideológica em sala de aula". (Fonte: Câmara dos Deputados).
Nota-se claramente que, para além de ser uma "teoria da conspiração", o marxismo cultural vem se revelando uma coisa bem real no Brasil...
Esopo (discussão) 12h53min de 11 de abril de 2018 (UTC)
Symbol comment vote.svg Comentário Apesar de estar bem adiantada a discussão, peço licença para opinar. Primeiro vou exemplificar com uma situação longe do caso aqui, mas que serve como ajuda no argumento. Por exemplo na biografia de Platão, Sócrates, Plutarco entre outros da antiguidade tem suas ideias e informações repetidas, recriadas e ainda séculos após servem como base de muitas teorias e movimentos. Isso é fato inconteste. Porém, para efeitos de evitar poluição visual nos artigos mencionados é desnecessário citar as centenas de teses, movimentos e livros encampados por outros ao longo da história. Mas não apenas por poluir o artigo, mas também por outra razão: As influências posteriores das ideias dos supra citados são imensas, incontáveis e, claro, de modo algum são deles e sim de quem as usou depois. Voltando aqui, ao artigo de Marx, muito dele se repete até o dia de hoje, mas de modo algum são do biografado e sim de quem as usa. Então, creio que o JMagalhães está com razão da não inclusão, primeiro por não pertencer ao biografado e segundo para não poluir a biografia. Desnecessário dizer que ausente o endosso pelo próprio biografado, que poderia ou não discordar. Stuckkey (discussão) 13h28min de 11 de abril de 2018 (UTC)
Muito obrigado pelo comentário, Stuckkey. Saliento três coisas:
* Independente de repetições/recriações/releituras, as ideias de Gramsci/Lukács (o tal "marxismo cultural") tem exatamente os mesmos objetivos da ideia de Karl Marx (o "marxismo revolucionário armado"). Ou seja: criar a "nova cultura/sociedade" comunista.
* Não sabemos se o biografado discordaria. Caso discordasse, tal discordância deveria, obrigatoriamente, ser exposta no texto. Mesmo discordando, dada a ligação lógica ("marxismo"-"marxismo cultural") a informação serve para tornar artigo mais rico e não "poluído".
* Três linhas de texto (e seu conteúdo que, inclusive, é referenciado) não são suficientes para "poluir o texto."
Isto garante a liberdade de acesso à informação. A informação ("marxismo cultural") estará sempre lá disponível para todos. Esopo (discussão) 14h15min de 11 de abril de 2018 (UTC)
A Wikipédia não é lugar para debitar teorias da conspiração. JMagalhães (discussão) 15h05min de 11 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Por favor, JMagalhães, pare com este ad nauseam de "teoria da conspiração". E de repetir este "Wikipédia não é isto, Wikipédia não é aquilo" como se você mesmo tivesse criado as regras. Nenhuma regra foi desrespeitada e, objetivamente, as edições que fiz são corretas. O que hoje chamamos de "marxismo cultural", mesmo que considerado "teoria da conspiração" (como são consideradas quase todas as afirmações da direita política) tem origem no pensamento de Gramsci/Lukács. Esta afirmação é suportada por fontes, inclusive, da esquerda política (como mostrado na presente discussão). Você decidiu (só Deus sabe o porquê) começar esta guerra de edições. Isto já tornou-se enfadonho e desagradável. Esopo (discussão) 15h37min de 11 de abril de 2018 (UTC)

Sério que vocês ainda estão discutindo isso? Vamos falar sério:

  1. A ideia de um marxismo "cultural" é oposta ao marxismo em si. Marx baseia sua vida na defesa de que é o objetivo que altera o subjetivo, enquanto a "conspiração" atribuída a Gramsci defende o contrário disso;
  2. Lukacs, Bloch, Korsch e Gramsci são neomarxistas, ou seja, eles negam a parte central do marxismo: o materialismo. Pode-se até dizer que eles ressucitam Hegel, mas Marx não;
  3. Chamar Gramsci de marxista já é forçado. Chamar suas teorias de marxismo cultural é absolutamente estapafúrdio. Não existe teórico marxista que afirme tal coisa.

Isto posto, não tem o mais ínfimo cabimento falar em marxismo cultural no artigo Karl Marx. Porantim msg 09h41min de 12 de abril de 2018 (UTC)

Todos nesta discussão estão falando sério Porantim e, agora, quem corre o risco de ser acusado de ad nauseam sou eu.
1. As ideias de Marx e Gramsci podem, aparentemente, parecer opostas. Como também já repeti ad nauseam, tais ideias tem o mesmo objetivo prático (a implantação do comunismo). Assim, "a ordem dos fatores não altera o resultado..."
2. "Neomarxismo"? Apenas mais uma expressão boboca (como "socialismo do século XXI", "eurocomunsmo", "socialismo democrático", etc.) que serve para descrever mais uma tentativa de reciclar as ideias de Marx. Novamente, "não altera o resultado..."
3. Como dito anteriormente: "Não existem evidências que Gramsci, Lukács, etc. tenham, alguma vez, usado o termo "marxismo cultural". Este termo é recente e surgiu para nomear o conjunto das ideias gramscianas. Na "revolução passiva", imaginada por ele, estão incorporadas as táticas para mudança cultural, gradativa e sutil, que encaixam-se no nosso entendimento atual de "marxismo cultural". Tais táticas baseiam-se nas tentativas de controle da linguagem, religião, mídia e (como vem acontecendo de forma bem explícita no Brasil) da educação. E, uma vez mais, incluir marxismo cultural no artigo Karl Marx (o sujeito que, afinal, começou toda esta "confusão") é perfeitamente aceitável e, também garante (mais um ad nauseam) nosso direito de acesso à informação. Esopo (discussão) 22h16min de 12 de abril de 2018 (UTC)
  1. Andei fazendo uma pesquisa e percebi que na maior parte dos casos a expressão "marxismo cultural" é utilizada é sites direitistas (panfletários) para desqualificar ideias ligadas à nova esquerda que, na verdade, se diferenciam bastante do socialismo cientifico proposto por Marx;
  2. Não se trata de uma teoria da conspiração mas de um recurso retórico para atacar a nova esquerda;
  3. Cabe lembrar que não se pode dizer que o marxismo é a única corrente de pensamento comunismo e nem que é única corrente de pensamento "subversiva/de esquerda" (que tenta alterar o 'status quo');
  4. É difícil, por exemplo, conciliar a defesa dos direitos dos homossexuais com o socialismo clássico, tendo em vista que o homossexualismo era proibido na URSS e em Cuba (até recentemente).--Raimundo57br (discussão) 00h51min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Isso foi o que achei de melhor sobre marxismo cultural: O que é marxismo cultural?--Raimundo57br (discussão) 01h02min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Esopo, estás enganado. "A implantação do comunismo" não é o objetivo de Marx nem dos neomarxistas. No caso de Marx, o comunismo é uma consequencia do rompimento com os Novos Hegelianos (leia A Ideologia Alemã). Nesse rompimento, Marx entende que não basta olhar o mundo real, objetivo, material (em detrimento da visão "das ideias"), mas era preciso encontrar os meios para alterar esse mundo objetivo. Ele defendeu (assim como mutatis mudandis Maslow e Freud) que, para alterar alguma coisa, é preciso que as pessoas já não estejam preocupadas com suas necessidades fisiológicas (sobrevivência). Ele chama isso de "resolver o problema da escassez". Ora, para resolver a escassez é preciso uma economia que se baseie em um plano e não nos "sentimentos" de um tal "mercado". Ele chama esse planejamento de "primeira fase do comunismo" e, posteriormente, de "socialismo". Para Marx, quando a escassez estivesse resolvida e todas as pessoas tivessem garantida sua sobrevivência, as classes sociais não teriam razão de ser e seriam extintas. Com as classes, seriam extintos o Estado e os governos. À ausência de Estado, governo, classes e escassez, Marx deu o nome de "comunismo".
Para a Nova Esquerda (Neomarxismo), o comunismo sequer é um objetivo. Em geral, a Nova Esquerda defende a "humanização" do capitalismo. Em outras palavras, uma coisa não tem nada a ver com a outra.
Porantim msg 08h29min de 13 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── É ingenuidade pensar que tais grupos não estejam interessados em outra coisa que não seja a implantação do comunismo. Raimundo57br e Porantim, marxistas não usam o termo "marxismo cultural". Não existem evidências que Gramsci tenha usado este termo. Todos estes grupos representantes de variações do marxismo tem o objetivo final comum o comunismo. Eles discordam, e até se enfrentam de forma violenta, por causa dos métodos empregados para atingir o objetivo. Aparentemente, o anticomunista Yuri Bezmenov também nunca usou tal termo mas, ao descrever os táticas usadas pela URSS para implantar regimes comunistas em outros países, expõe estratégias de subversão e revolução passiva que podem ser claramente definidos como "marxismo cultural". Bezmenov classifica vários grupos (como homossexuais, revolucionários radicais e outros) como os "idiotas úteis", que são usados na fase de implantação (que ele chama de "3ª fase" - ou "crise") e que são imediatamente descartados após a consolidação do regime comunista (que ele define como "4ª fase" - ou "normalização"). Uma fonte interessante sobre o tema é o livro "Comunistas Brasileiros. Cultura Politica e Produção." (2013) que toca na questão da cooptação/infiltração/ocupação de espaços culturais por comunistas no Brasil. Estratégia esta, traçada pelo marxismo cultural gramsciano. Esopo (discussão) 13h56min de 13 de abril de 2018 (UTC)

Bom, tudo o que você disse são conclusões e suposições exclusivamente suas e que não encontram base nos textos de Marx ou no marxismo. Portanto é pesquisa inédita. Porantim msg 16h28min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Aliás, acusar o PCB de ser neomarxista chega a ser risível. Porantim msg 16h32min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Não digo pesquisa inédita, mas reprodução de um recurso retórico de grupos conservadores que rotulam qualquer ação que defende mudanças comportamentais como "marxistas".--Raimundo57br (discussão) 16h56min de 13 de abril de 2018 (UTC).
Não são conservadores da tradição(Ex URSS e Coreia do Norte), mas extremistas disfarçados de conservadores que defendem o liberalismo/capitalismo que destrói essas tradições. Abrçs
Achei outro artigo interessante sobre o tema: “Marxismo cultural”: Uma teoria unificadora para a direita que gosta de se vitimizar--Raimundo57br (discussão) 16h59min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Marxismo cultural é uma trip forte, mas de fato no início da revolução russa a discussão de direito "GLS" estava muito avançada, vide: Wilhelm Reich, “A luta pela ‘nova vida’ na União Soviética”, em “Die Sexualität im Kulturkampf”, 1936. e aqui. Eu defendo a expansão desta seção inclusive porque o que é vulgarmente chamado de "marxismo cultural" tem inclusive influência na nova direita, vide: aqui. E sim, partidos como PCB mudam. 153.165.202.111 (discussão) 17h26min de 13 de abril de 2018 (UTC)
Errado, chauvinismo de ideologias coloridas ocidentais foram fortemente combatidas nos países orientais e isso é até hoje(Exceto com os países alinhados com a Casa Branca e a União Europeia). Ideologia burguesa e liberal p/ Marx, Engels, Lenin e Máximo Gorki(esse ultimo considerou essa ideologia ligada ao fascismo). Abrçs comentário não assinado de 201.13.134.209 (discussão • contrib) -- Chronus (discussão) 21h37min de 13 de abril de 2018 (UTC) (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Porantim, Raimundo57br e Chronus: vamos por partes... Quem achar que isto é "pesquisa inédita", por favor, assista aos vídeos com as palestras de Yuri Bezmenov: "Yuri Bezmenov - Teoria da Subversão (PACOTE COMPLETO)." São palestras longas e cansativas, admito, mas enquanto Marx e Gramsci ficam no campo das ideias, Bezmenov fala da aplicação prática destas ideias no mundo real. Ele nunca usa o termo "marxismo cultural", mesmo assim, as estratégias soviéticas para implantar regimes comunistas em outros países, descritas por ele, encaixam-se perfeitamente neste conceito. E, Chronus, seu comentário sobre o Oriente não faz o menor sentido. O alvo primário do marxismo cultural (esta "teoria da conspiração") é a cultura da civilização ocidental. "Marxismo cultural" é apenas mais uma ferramenta para se alcançar o objetivo comum de todo o marxista (não importando como ele se autodenomine). Esopo (discussão) 12h46min de 14 de abril de 2018 (UTC)

Você mesmo dá a resposta quando afirma que "ele nunca usou o termo "marxismo cultural". Logo: pesquisa inédita. Sobre o "objetivo comum de todo marxista", como expliquei, é a resolução da questão da sobrevivência, ou seja, a eliminação da escassez. Sobre "campo das ideias", você erra novamente. Marx nunca ficou "apenas no campo das ideias". Ao contrário. Sugiro que leia o artigo em questão. Porantim msg 14h34min de 14 de abril de 2018 (UTC)
Recapitulando, Porantim:
1 - "marxismo cultural" é um termo recente (década de 1990).
2 - o termo foi criado para descrever ideias que tem origem no entreguerras (anos 1920-1930) com Gramsci/Lukács
3 - todas as afirmações que fiz nesta discussão tem referências (algumas vindas da esquerda política).
O fato de uma coisa não ter nome (ou ter um nome do qual você não gosta) não quer dizer que esta coisa não existe. Não existe "pesquisa inédita". Yuri Bezmenov não usa o termo, mas suas afirmações descrevem com riqueza de detalhes o "marxismo cultural" em ação. Acredito que, se Bezmenov tivesse conhecido tal termo, concordaria com ele. Esopo (discussão) 22h26min de 14 de abril de 2018 (UTC)
O problema é que se trata de uma escolha terminológica não neutra, utilizada quase sempre por conservadores extremistas como recurso retórico para atacar lutas por mudanças comportamentais que se diferenciam bastante do conceito de luta de classes econômicas como motor da história defendido por Marx. O problema dessa escolha é que ela associa qualquer luta por mudança comportamental ao conceito de marxismo e, desse modo, faz associações impróprias.--Raimundo57br (discussão) 22h44min de 14 de abril de 2018 (UTC)
Isso é estratégia da extrema-direita que associa liberalismo cultural com a esquerda clássica. A extrema-direita diz que ser de esquerda é defender P@%$ e a "esquerda festiva" pós-moderna assume a P@%$*. Afastando o povo(de tradições culturais) dos marxistas e o que reina é a multidão defendendo protofascismo político.187.34.191.148 (discussão) 10h59min de 15 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Discordo, Raimundo57br, o termo "marxismo cultural" é bastante específico, pois designa "mudanças culturais" (engendradas no âmbito marxista) que almejam abolir a religião/cultura tradicional do Ocidente, não referindo-se ao desenvolvimento "natural" da cultura. Para ter-se uma visão clara (sobre qualquer tema) é necessário que todas as opiniões de todos os ângulos, sobre tal, sejam apresentadas. Assim, mesmo a opinião/visão de grupos considerados "conservadores extremistas" merecem espaço na Wikipédia. Você não se tornará fã de um assassino em série só por apresentar as opiniões dele (admito essa comparação foi péssima mas, acho que deu pra entender meu ponto). Esopo (discussão) 14h31min de 15 de abril de 2018 (UTC)

Então quer dizer que Nero e Calígula, dois degenerados, eram "marxistas/esquerdistas"(não existe nada mais reacionário que a ideologia colorida) Pois, a esquerda surgiu se baseando em valores do cristianismo como a igualdade, fraternidade e a ideia de mudar o mundo(como os cristãos do império romano) não é porque eu digo que sou religioso e ainda apoio governos reacionários que vou carregar essas qualidades. 187.10.106.20 (discussão) 19h58min de 15 de abril de 2018 (UTC)
Esopo, você diz que o termo é posterior ao Marx para designar coisas que foram ditas não por Marx e depois de Marx e quer colocar isso no artigo Marx??? Qual a lógica??? Porantim msg 14h57min de 15 de abril de 2018 (UTC)
Se existe um marxismo cultural, ele não deseja destruir a cultura ocidental e sim usa-la ao seu favor. 86.248.196.210 (discussão) 19h17min de 15 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Perdoem a demora em responder. Como assim "qual a lógica", Porantim? Depois de tudo o que foi exposto na presente discussão, você ainda tem dúvidas? Marx, Gramsci & Cia. tem os mesmos objetivos, apenas usam meios diferentes para alcançá-los. Qualquer coisa com a "marca" marxismo pode ser "colada", sem qualquer problema, no artigo Karl Marx. Esopo (discussão) 12h34min de 17 de abril de 2018 (UTC)

Como assim? qualquer factoide(por mais absurdo que seja) contra a URSS,socialismo,governos de esquerda ou governos anti-EUA, UE, OTAN é colado diariamente na Wikipédia sem nenhuma base cientifica ou fatos comprovados. Não ligo se colar mais essa, mas se colar o contrário, te dou um troféu. 45.225.110.160 (discussão) 13h00min de 17 de abril de 2018 (UTC)
Esopo, vou tentar ser mais claro: você está errado nas suas suposições. Você parte de preconceito e pura falta de conhecimento para criar uma elocubração sem pé nem cabeça que não tem o mais ínfimo cabimento. E isso não é um julgamento, é a análise fria estritamente do que você escreveu e mais nada. Você desconhece ou adivinha os "objetivos" de um monte de gente baseado em absolutamente nada. Wikipedia não é lugar de elocubração e fantasia. Busque fontes acadêmicas que digam exatamente o que você diz e aí conversamos. Porantim msg 13h53min de 17 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Mais uma vez, perdoe a demora em responder (problemas com meu computador pessoal...) Uma pesquisa, feita poucos em segundos, no Google Books revela o seguinte:
termo "cultural marxism" - 507.000 resultados
termo "marxismo cultural" - 243.000 resultados
Porantim você fala em "preconceito" mas, alguns colaboradores da Wikipédia demonstram um forte preconceito contra certas fontes de informação. Qualquer informação, minimamente suspeita de ter origem na direita política, é automaticamente rotulada como "teoria da conspiração". O marxismo cultural (a tal "teoria conspiratória") seria apenas uma das formas usadas pelo marxismo para impor-se. E, mesmo que seja (discordo) em nome da liberdade de informação (mais uma vez) todos tem o direito de, ao menos, saber que tal conceito existe. Aliás, em todas as contribuições que fiz incluindo o termo "marxismo cultural", algumas que vem sendo desfeitas sistematicamente apesar de referenciadas, deixo claro que tal conceito é "tido como teoria da conspiração". Esopo (discussão) 12h40min de 24 de abril de 2018 (UTC)

Esopo, seu argumento é falso. O vebete Marxismo cultural existe e seu pressuposto de "todos tem o direito de, ao menos, saber que tal conceito existe" já está amparado pela Wikipedia. Qual a dúvida? Porantim msg 10h12min de 26 de abril de 2018 (UTC)
A dúvida (digo, certeza) Porantim é que o conceito de marxismo cultural foi banido de "Karl Marx". Isto desampara o pressuposto de que, ao menos na Wikipédia, o direito de acesso a informação estaria garantido. Uma vez mais, marxismo cultural (ou qualquer outra derivação do pensamento marxista) pode perfeitamente ser encaixado aqui. Esopo (discussão) 14h44min de 26 de abril de 2018 (UTC)
Esse termo surge de uma fantasia entre a esquerda pós-moderna, o direitista médio e os uranistas sobre um "Paraíso" onde "Socialismo" é Sodoma e Gomorra. O "Socialismo" idealizado de cima(Burguesia degenerada e suas castas inferiores do trotskismo, anarquismo e liberalismo) para baixo(Proletariado) por Ernst Röhm, onde o extremismo político sucumbe o marxismo ortodoxo no Ocidente desde então.[2][3] 2804:431:F70C:2AD7:D150:689A:2F73:DDFD (discussão) 15h22min de 26 de abril de 2018 (UTC)
Banido, Esopo? Mano, você mesmo diz que o "termo" não tem nada a ver com marxismo! Quebra meu galho, né não? Porantim msg 17h01min de 26 de abril de 2018 (UTC)

──────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────────── Quando e onde eu disse que o termo não tem nada a ver com marxismo? Quebra você o meu galho, Porantim. Esopo (discussão) 11h33min de 28 de abril de 2018 (UTC)

O termo não tem nada a ver com marxismo, mas ele surge no meio da Extrema-direita como resultado do sistema decadente e a crise das ideologias no Ocidente como foi dito pelos IPs acima. A Extrema-direita e os pós-modernos são duas faces da mesma moeda direcionados ao protofascismo politico. Abrçs 45.225.110.32 (discussão) 12h09min de 28 de abril de 2018 (UTC)

"(para muitos o maior pensador)"[editar código-fonte]

Muitos? [quem?]? Marx foi um grande pensador, mas não tem cabimento colocar isso no artigo, prejudicando sua credibilidade. É isso ou colocar a mesma frase tosca nos verbetes de Newton, Einstein, Platão, Aristóteles, Kant, o próprio Hegel etc. 177.32.113.125 (discussão) 13h46min de 7 de dezembro de 2018 (UTC)

  1. Os Intelectuais, Paul Johnson, Editora Imago, Primeira Edição, Tradução de André Luiz Barros da Silva.