Domalde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em 17 de fevereiro de 2019 foi proposta a renomeação deste artigo para Domaldi. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: Domaldi é a forma pela qual este personagem é mais conhecido (WP:CNN) e é a forma mencionada em fontes académicas em português (WP:CNNTT). Domalde não possui uso considerável na língua portuguesa.
Domalde
Rei lendário dos Suíones
Representação de Domalde de 1554 na História de João Magno
Reinado século II
Antecessor(a) Visbur
Sucessor(a) Domar
Descendência Domar
Casa Casa dos Inglingos
Pai Visbur
Midvinterblot, quadro monumental de Carl Larsson, inspirado no sacrifício de Domalde

Domalde (em nórdico antigo: Dómaldi; em islandês: Domalde ou Dómaldi) ou Domaldro (em latim: Domalder[1]) é um rei lendário dos suíones (Suídia) do século II. A sua existência é considerada uma criação literária, sem fundamentação histórica.[2]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Está citado como Dómaldi na Lista dos Inglingos do poeta norueguês Tiodolfo de Hvinir do século IX [3], como Dómaldi na Saga dos Inglingos do historiador islandês Snorri Sturluson do século XIII [4] e como Domalder na obra latina Historia de omnibus Gothorum Sveonomque regibus de 1554 do arcebispo sueco João Magno.[1] [5]

Vida[editar | editar código-fonte]

Teria pertencido à Casa dos Inglingos, sendo filho do rei Visbur, e pai do rei Domar.

A Saga dos Inglingos conta: Domalde sucedeu ao seu pai, o rei Visbur. No seu reinado houve más colheitas, e muita fome e miséria em Svitjod. Para aplacar os deuses, foram feitos muitos sacrifícios em Upsália - No primeiro ano, foram sacrificados bois. No segundo ano, seres humanos. No terceiro ano, o próprio rei Domalde, por decisão dos chefes tribais (hövdingar). As estátuas dos deuses foram salpicadas com o sangue de Domaldi, e no ano seguinte voltou a haver uma boa colheita.[6][7]

É mais conhecido por estar representado no quadro monumental Midvinterblott (Sacrifício do inverno) de Carl Larsson, exposto no Museu Nacional de Belas-Artes em Estocolmo.[8]

Referências

  1. a b João Magno 1554, p. 246.
  2. Olausson, Peter; Sandra Fröjd (mapas) (2018). «Forntiden-Ynglingaätten». Sveriges historia. Från forntid till nutid (em sueco). Bromma: Ordalaget bokförlag. p. 16-17. 447 páginas. ISBN 9789174692419 
  3. Tiodolfo de Hvinir 1915.
  4. Esnorro Esturleu 2011, p. 18.
  5. «Historia de omnibus Gothorum Sveonumque regibus (1554)» (em sueco). Litteraturbanken. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  6. Lagerqvist 2004, p. 7.
  7. Olausson, Peter; Sandra Fröjd (mapas) (2018). «Forntiden-Ynglingaätten». Sveriges historia. Från forntid till nutid (em sueco). Bromma: Ordalaget bokförlag. p. 17. 447 páginas. ISBN 9789174692419 
  8. Olausson, Peter; Sandra Fröjd (mapas) (2018). «Forntiden-Ynglingaätten». Sveriges historia. Från forntid till nutid (em sueco). Bromma: Ordalaget bokförlag. p. 18-20. 447 páginas. ISBN 9789174692419 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Esnorro Esturleu (2011). Heimskringla - History of the Kings of Norway. Traduzido por Hollander, Lee M. Austin: University of Texas Press 
  • Lagerqvist, Lars O.; Åberg, Nils (2004). «Saga och sägen om våra förhistoriska kungar (Lendas e tradições dos nossos reis pré-históricos)». Litet lexikon över Sveriges regenter (Pequeno léxico dos regentes da Suécia) (em sueco). Estocolmo: Vincent. 63 páginas. ISBN 91-87064-43-X