Douglas Haig

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o ator, veja Douglas Haig (ator).
Douglas Haig
Marechal de Campo Douglas Haig
Apelido "Master of the Field"[1]
"the Butcher of the Somme"[2]
'Butcher' Haig.[3]
Nascimento 19 de junho de 1861 Edimburgo
Morte 29 de janeiro de 1928 (66 anos) Londres
País  Reino Unido
Força Reino Unido Exército Britânico
Anos de serviço 1884–1920
Hierarquia Marechal de Campo
Batalhas Guerra Mahdista
2ª Guerra dos Bôeres
1ª Guerra Mundial
Honrarias Cavaleiro da Ordem do Cardo
Cavaleiro da Grande Cruz da Ordem de Bath
Membro da Ordem do Mérito Britânica
Cavaleiro da Grande Cruz da Ordem Real Vitoriana
Cavaleiro Comandante da Ordem do Império Indiano

Douglas Haig, 1º conde de Haig, KT, GCB, OM, GCVO, KCIE, ADC (19 de junho de 186129 de janeiro de 1928) foi um oficial britânico, e comandante sênior (marechal-de-campo), durante a Primeira Guerra Mundial. Haig comandou a Força Expedicionária Britânica de 1915 até o fim da guerra. Notabilizou-se ao comandar pessoalmente seus exércitos durante as batalhas do Somme e de Ypres e na Ofensiva dos Cem Dias, alguns dos confrontos mais sangrentos da história militar do Reino Unido.[4][5]

Saudado como um competente general durante e logo após a Primeira Grande Guerra, com seu funeral se tornando um dia de luto nacional na Inglaterra, sua reputação declinou consideravelmente com o passar das décadas, principalmente com novos estudos que começaram a partir da década de 1960. Sob seu comando, cerca de 2 milhões de britânicos foram mortos ou feridos, o que lhe rendeu o apelido de "Açougueiro Haig". Algumas das principais críticas contra ele era sua inabilidade de se adaptar a nova realidade da guerra, apostando em velhas estratégias, como no Somme onde ele mandou onda após onda de tropas britânicas contra as fortificadas linhas alemãs. Alguns historiadores, contudo, continuam a avalia-lo positivamente pois, ainda que suas forças tenham sofridas gigantescas baixas, sua estratégia final resultou em vitória e na rendição da Alemanha em 1918. Se aposentou dois anos após o fim da guerra, mantendo laços com o exército e defendendo seu histórico de comando no conflito.[6][7][8]


Referências

  1. Davidson 2010, xx and pp. 126, 149.
  2. «Lions Led By Donkeys? – the Somme – Background». The National Archives. Consultado em 27 de abril de 2017 
  3. «Douglas Haig». National Army Museum. Consultado em 22 de junho de 2013 
  4. Sheffield, Gary D (2002). Forgotten Victory: The First World War : Myths and Realities. [S.l.: s.n.] 354 páginas. ISBN 9780747264606 
  5. Winter, Denis (1991). Haig’s Command. [S.l.]: Viking. ISBN 978-1844152049 
  6. Bond, Brian; Cave, Nigel (2009). Haig – A Reappraisal 70 Years On. [S.l.]: Pen & Sword. ISBN 978-0850526981 
  7. Davidson, Major General Sir J. (2010). Haig, Master of the Field. Barnsley: Pen & Sword. ISBN 978-1848843622 
  8. Reid, Walter (2006). Architect of Victory: Douglas Haig. [S.l.]: Birlinn. ISBN 978-1841585178 
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.