Segunda Guerra dos Bôeres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Segunda Guerra dos Bôeres
Parte da(o) Guerra dos Bôeres
Boercamp1.jpg

Mulheres e crianças bôeres num campo de concentração.
Data 11 de outubro de 189931 de maio de 1902[1][2]
Local África do Sul, Suazilândia
Desfecho Vitória britânica (assinatura do Tratado de Vereeniging)
Combatentes
Reino Unido Império Britânico
Flag of the Orange Free State.svg Estado Livre de Orange
Flag of Transvaal.svg República Sul-Africana
Principais líderes
Reino Unido Lorde Salisbury
Reino Unido Joseph Chamberlain
Reino Unido Alfred Milner
Reino Unido Redvers Buller
Reino Unido Lorde Kitchener
Reino Unido Lorde Roberts
Flag of Transvaal.svg Paul Kruger
Flag of Transvaal.svg Louis Botha
Flag of Transvaal.svg Schalk W. Burger
Flag of Transvaal.svg Koos de la Rey
Flag of the Orange Free State.svg Martinus Steyn
Flag of the Orange Free State.svg Christiaan de Wet
Flag of Transvaal.svg Piet Cronjé
Flag of Transvaal.svg Piet Joubert
Forças
Britânicos:
  • 347 000 soldados

Tropas coloniais:

  • 153 000 soldados
40 000 soldados (fora os voluntários)
Vítimas
22 000 mortos (7 882 em combate, 14 210 de doenças)
934 desaparecidos
22 828 feridos
Militares:
6 000 mortos (24 000 prisioneiros enviados para o exterior)

Civis:
27 927 bôeres mortos em campos de concentração, junto com 20 000 negros também mortos
115 000 africanos encarcerados

A Segunda Guerra Boer (ou dos bôeres) foi o confronto entre o Reino Unido e os fundadores das repúblicas independentes de Transvaal e Orange, no nordeste da África do Sul.

O conflito[editar | editar código-fonte]

A guerra, que durou de 11 de outubro de 1899 a 31 de maio de 1902,[1][2] teve início em razão da tentativa da Coroa britânica de anexar as duas repúblicas, ricas em jazidas de diamante, ouro e ferro. Os bôeres, que ocupavam a região desde 1830, lutaram para preservar sua independência. Os ingleses viam nesse nacionalismo uma ameaça à supremacia do Reino Unido no sul da África.[3]

A guerra pode ser dividida em quatro fases principais.[2]

A princípio a vantagem era dos bôeres, que tomaram a iniciativa. Invadiram a colônia do Cabo, além de sitiar cidades importantes e anexar territórios ingleses. Mas, em 1902, acontece a contra-ofensiva britânica. A superioridade inglesa em homens e armamentos eventualmente derrotaria os bôeres e esmagaria as duas nações independentes sul-africanas.

Ao longo da guerra, as tropas inglesas devastaram e queimaram as propriedades. Os bôeres capturados (homens, mulheres e crianças) foram colocados em campos de concentração, onde morreram cerca de 20 mil pessoas. As notícias sobre o tratamento desumano dado pelos ingleses aos prisioneiros intensificaram a imagem negativa do Reino Unido perante a opinião internacional. Com a Paz de Vereeniging, assinada em 31 de maio de 1902, as repúblicas foram incorporadas ao Reino Unido e, em 1910, juntaram-se às colônias do Cabo e Natal para constituir a União Sul-Africana.

Referências

  1. a b Gooch 2000, p. 92.
  2. a b c Raugh 2004, p. 51.
  3. História do século XX: As Guerras Boers

Bibiliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Segunda Guerra dos Bôeres
Ícone de esboço Este artigo sobre a África do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.