Aliança Anglo-Japonesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Aliança Anglo-Japonesa, 30 de janeiro de 1902. Escritório de Registros Diplomáticos do Ministério de Relações Exteriores (Japão).

A primeira Aliança Anglo-Japonesa (日 英 同盟, Nichi-Ei Dōmei ) foi uma aliança entre a Grã-Bretanha e o Japão, assinada em janeiro de 1902.[1] A aliança foi assinada em Londres na Lansdowne House em 30 de janeiro de 1902 por Lord Lansdowne, britânico secretário de relações exteriores e Hayashi Tadasu, diplomata japonês.[2] Um marco diplomático que viu o fim do esplêndido isolamento da Grã-Bretanha, a aliança foi renovada e ampliada em escopo duas vezes, em 1905 e 1911, antes de seu fim em 1921 e término em 1923.[3] A principal ameaça para ambos os lados era da Rússia. A ameaça de guerra com a Grã-Bretanha impediu a França de se juntar à sua aliada Rússia na Guerra Russo-Japonesa de 1904. No entanto, irritou os Estados Unidos e alguns domínios britânicos, que eram hostis ao Japão.[4]

Motivações e reservas[editar | editar código-fonte]

A possibilidade de uma aliança entre a Grã-Bretanha e o Japão vinha sendo discutida desde 1895, quando a Grã-Bretanha se recusou a aderir à Tríplice Intervenção da França, Alemanha e Rússia contra a ocupação japonesa da Península de Liaodong. Embora este único evento tenha sido uma base instável para uma aliança, o caso foi fortalecido pelo apoio que a Grã-Bretanha deu ao Japão em seu impulso para a modernização e seus esforços cooperativos para acabar com a Rebelião Boxer. Jornais de ambos os países expressaram apoio a tal aliança; na Grã-Bretanha, Francis Brinkley do The Times e Edwin Arnold do Telegraph eram a força motriz por trás de tal apoio, enquanto no Japão o clima pró-aliança do político Okuma Shigenobu agitava as Mainichi e Yomiuri jornais em pró-aliança de defesa. O Tratado Anglo-Japonês de Comércio e Navegação de 1894 também abriu o caminho para relações de igualdade e a possibilidade de uma aliança.[5]

No final das contas, o interesse comum que realmente alimentava a aliança era a oposição à expansão russa. Isso ficou claro já na década de 1890, quando o diplomata britânico Cecil Spring Rice identificou que a Grã-Bretanha e o Japão trabalhando em conjunto era a única maneira de desafiar o poder russo na região.[6] As negociações começaram quando a Rússia começou a se mover para a China. No entanto, ambos os países tinham suas reservas. A Grã-Bretanha foi cautelosa em abandonar sua política de "esplêndido isolamento", cautelosa em hostilizar a Rússia e relutante em agir de acordo com o tratado se o Japão atacasse os Estados Unidos. Havia facções no governo japonês que ainda esperavam um acordo com a Rússia, incluindo a figura política altamente poderosa Hirobumi Itō, que serviu quatro mandatos como primeiro-ministro do Japão. Achava-se que a amizade na Ásia seria mais receptiva aos Estados Unidos, o que não se sentia confortável com a ascensão do Japão como potência. Além disso, a Grã-Bretanha não estava disposta a proteger os interesses japoneses na Coréia e, da mesma forma, os japoneses não estavam dispostos a apoiar a Grã-Bretanha na Índia.

Hayashi e Lord Lansdowne começaram suas discussões em julho de 1901, e as disputas sobre a Coréia e a Índia as atrasaram até novembro. Neste ponto, Hirobumi Itō solicitou um atraso nas negociações, a fim de tentar uma reconciliação com a Rússia. Ele não teve sucesso, e a Grã-Bretanha expressou preocupação com a duplicidade da parte do Japão, então Hayashi apressadamente voltou às negociações em 1902. O " isolamento esplêndido " foi encerrado pela primeira vez que a Grã-Bretanha viu a necessidade de uma aliança militar de tempo de paz. Foi a primeira aliança em termos de igualdade entre Oriente e Ocidente.[7]

Postal comemorativo de 1905

Termos do tratado de 1902[editar | editar código-fonte]

O tratado continha seis artigos:

Artigo 1

  • As Altas Partes Contratantes, tendo reconhecido mutuamente a independência da China e da Coréia, declaram-se totalmente não influenciadas por tendências agressivas em qualquer um dos países, tendo em vista, no entanto, seus interesses especiais, dos quais os da Grã-Bretanha se relacionam principalmente com a China, enquanto O Japão, além dos interesses que possui na China, está interessado em um grau peculiar, tanto política quanto comercialmente e industrialmente na Coréia, as Altas Partes Contratantes reconhecem que será admissível que qualquer uma delas tome as medidas que possam ser indispensável a fim de salvaguardar esses interesses se ameaçado pela ação agressiva de qualquer outra potência, ou por distúrbios surgidos na China ou na Coréia, e necessitando da intervenção de qualquer uma das Altas Partes Contratantes para a proteção das vidas e propriedades de seus súditos.

Artigo 2

  • Declaração de neutralidade se qualquer um dos signatários se envolver em guerra por meio do Artigo 1.

Artigo 3

  • Promessa de apoio se qualquer um dos signatários se envolver em guerra com mais de um poder.

Artigo 4

  • Os signatários prometem não entrar em acordos separados com outras Potências em prejuízo desta aliança.

Artigo 5

  • Os signatários prometem comunicar-se franca e plenamente uns com os outros quando algum dos interesses afetados por este tratado estiver em risco.

Artigo 6

  • Tratado que permanecerá em vigor por cinco anos e, em seguida, com um aviso prévio de um ano, a menos que o aviso tenha sido feito no final do quarto ano.

Os artigos 2 e 3 foram os mais cruciais em relação à guerra e defesa mútua.

O tratado estabeleceu um reconhecimento dos interesses japoneses na Coréia sem obrigar a Grã-Bretanha a ajudar caso um conflito russo-japonês surja por causa disso. O Japão não era obrigado a defender os interesses britânicos na Índia.

Embora redigido em linguagem cuidadosa e clara, as duas partes entenderam o Tratado de maneira um pouco diferente. A Grã-Bretanha viu isso como um aviso gentil para a Rússia, enquanto o Japão foi encorajado por ele. Desse ponto em diante, mesmo aqueles com uma postura moderada se recusaram a aceitar um acordo sobre a questão da Coréia. Os extremistas viram nisso um convite aberto para a expansão imperial.

Renovação em 1905 e 1911[editar | editar código-fonte]

A aliança foi renovada e ampliada em escopo duas vezes, em 1905 e 1911. Isso foi parcialmente motivado pelas suspeitas britânicas sobre as intenções japonesas no sul da Ásia. O Japão parecia apoiar o nacionalismo indiano, tolerando visitas de figuras como Rash Behari Bose. As renegociações de julho de 1905 permitiram o apoio japonês aos interesses britânicos na Índia e o apoio britânico ao progresso japonês na Coréia. Em novembro daquele ano, a Coreia era um protetorado japonês e, em fevereiro de 1906, Itō Hirobumi foi nomeado Residente-Geral em Seul. Na renovação em 1911, o diplomata japonês Komura Jutarō desempenhou um papel fundamental para restaurar a autonomia tarifária do Japão.[8]

Toyama Mitsuru homenageia Rash Behari Bose
JCruzador blindado japonês Nisshin da Marinha Imperial Japonesa, no Mediterrâneo (Malta, 1919).

Efeitos[editar | editar código-fonte]

A aliança foi anunciada em 12 de fevereiro de 1902.[9] Em resposta, a Rússia procurou formar alianças com a França e a Alemanha, que a Alemanha recusou. Em 16 de março de 1902, um pacto mútuo foi assinado entre a França e a Rússia. A China e os Estados Unidos se opuseram fortemente à aliança. No entanto, a natureza da aliança anglo-japonesa significou que a França foi incapaz de vir em auxílio da Rússia na Guerra Russo-Japonesa de 1904, pois isso significaria ir à guerra com a Grã-Bretanha.

O Imperador Meiji recebendo a Ordem da Jarreteira em 1906, como consequência da Aliança Anglo-Japonesa.

As disposições da aliança para defesa mútua levaram o Japão a entrar na Primeira Guerra Mundial do lado britânico. O Japão atacou a base alemã em Tsingtao em 1914 e forçou os alemães a se renderem (ver Cerco de Tsingtao). Oficiais japoneses a bordo de navios de guerra britânicos foram vítimas na Batalha de Jutland em 1916.[10] Em 1917, navios de guerra japoneses foram enviados para o Mediterrâneo e ajudaram na proteção de navios aliados perto de Malta de ataques de submarinos. Um memorial no Cemitério Naval Kalkara em Malta é dedicado aos 72 marinheiros japoneses que morreram no conflito.[11] O Tratado também tornou possível a apreensão japonesa das possessões alemãs no Pacífico ao norte do equador durante a Primeira Guerra Mundial, um grande benefício para os interesses imperiais do Japão.

A aliança formou a base para trocas comerciais e culturais positivas entre a Grã-Bretanha e o Japão. A rápida industrialização e o desenvolvimento das forças armadas japonesas proporcionaram novas oportunidades de exportação significativas para os estaleiros e fabricantes de armas britânicos. Japoneses educados na Grã-Bretanha também foram capazes de trazer novas tecnologias para o Japão, como avanços na oftalmologia. Artistas britânicos da época, como James McNeill Whistler, Aubrey Beardsley e Charles Rennie Mackintosh foram fortemente inspirados pelo quimono japonês, espadas, artesanato e arquitetura.

Fim do tratado[editar | editar código-fonte]

O contra-almirante Jisaku Uozumi assina a rendição de Penang a bordo do encouraçado HMS Nelson em 2 de setembro de 1945. Ele desmaiou pouco depois e foi levado às pressas para o hospital. Observe a fita da Cruz de Serviço Distinto no uniforme de Uozumi, que ele ganhou dos ingleses durante a aliança.[12]

A aliança foi vista como um obstáculo já na Conferência de Paz de Paris de 1919–1920. Em 8 de julho de 1920, os dois governos emitiram uma declaração conjunta no sentido de que o tratado de aliança "não é inteiramente consistente com a letra desse Pacto (da Liga das Nações), que ambos os governos desejam sinceramente respeitar".[13] O fim da aliança foi assinalado pela Conferência Imperial de 1921, na qual os líderes britânicos e do Dominion se reuniram para determinar uma política internacional unificada.[14] Um dos principais problemas da conferência foi a renovação da Aliança Anglo-Japonesa. A conferência começou com todos, exceto o primeiro-ministro canadense Arthur Meighen, apoiando a renovação imediata de uma aliança com o Japão. A esperança prevalecente era a continuação da aliança com a potência do Pacífico, que poderia potencialmente fornecer segurança para os interesses imperiais britânicos na área.[15] Os australianos temiam não poder repelir nenhum avanço da Marinha Imperial Japonesa, e desejavam a continuação do acúmulo de recursos navais para um possível conflito futuro, pois temiam que uma aliança com os Estados Unidos (então em um estado de isolacionismo do pós-guerra ) forneceria pouca proteção.[16]

Meighen, temendo que um conflito pudesse se desenvolver entre o Japão e os Estados Unidos, exigiu que o Império Britânico se retirasse do tratado para evitar ser forçado a uma guerra entre as duas nações. O restante dos delegados concordou que era melhor cortejar a América e tentar encontrar uma solução que o governo americano considerasse adequada, mas apenas Meighen pediu a revogação completa do tratado.[17] O governo americano temia que a renovação da Aliança Anglo-Japonesa criaria um mercado dominado pelos japoneses no Pacífico e fecharia a China do comércio americano.[18] Esses temores foram aumentados pela mídia na América e no Canadá, que relatou alegadas cláusulas antiamericanas secretas no tratado e aconselhou o público a apoiar a revogação.[19]

A imprensa, combinada com o argumento convincente de Meighen dos temores canadenses de que o Japão atacaria os ativos imperiais na China, fez com que a Conferência Imperial arquivasse a aliança. A conferência comunicou seu desejo de considerar deixar a aliança para a Liga das Nações, que declarou que a aliança continuaria, conforme declarado originalmente, com a parte de saída dando à outra um aviso de doze meses de suas intenções.[20]

O Império Britânico decidiu sacrificar sua aliança com o Japão em favor da boa vontade com os Estados Unidos, mas desejava impedir que a esperada aliança entre o Japão e a Alemanha ou a Rússia surgisse.[21] delegados do Império convenceram a América a convidar várias nações a Washington para participar de negociações sobre as políticas do Pacífico e do Extremo Oriente, especificamente o desarmamento naval.[22] Japão veio para a Conferência Naval de Washington com uma profunda desconfiança da Grã-Bretanha, sentindo que Londres não queria mais o que era melhor para o Japão.[23]

Apesar da divisão crescente, o Japão juntou-se à conferência na esperança de evitar uma guerra com os Estados Unidos.[24] As potências do Pacífico dos Estados Unidos, Japão, França e Grã-Bretanha assinariam o Tratado das Quatro Potências, e acrescentariam vários outros países como a China para criar o Tratado das Nove Potências. O Tratado das Quatro Potências forneceria uma estrutura mínima para as expectativas das relações internacionais no Pacífico, bem como uma aliança frouxa sem qualquer compromisso com alianças armadas.[22] O Tratado das Quatro Potências na Conferência de Washington fez a Aliança Anglo-Japonesa extinta em dezembro de 1921; no entanto, ele não terminaria oficialmente até que todas as partes ratificassem o tratado em 17 de agosto de 1923.[25]

Naquela época, a Aliança foi oficialmente encerrada, de acordo com o Artigo IV dos Tratados da Aliança Anglo-Japonesa de 1902 e 1911.[26] A desconfiança entre a Comunidade e o Japão, bem como a maneira pela qual a Aliança Anglo-Japonesa concluiu, são creditados por muitos acadêmicos como as principais causas do envolvimento do Japão na Segunda Guerra Mundial.[27]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ian Nish, Anglo-Japanese Alliance: The Diplomacy of Two Island Empires 1984-1907 (1985) pp 203-228.
  2. «The Club - Lansdowne Club». www.lansdowneclub.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  3. William Langer, The Diplomacy of Imperialism 1890–1902 (2nd ed. 1950), pp. 745–86.
  4. Nish, Anglo-Japanese Alliance: The Diplomacy of Two Island Empires 1984-1907 (1985) pp 229–245
  5. Zara S. Steiner, "Great Britain and the Creation of the Anglo-Japanese Alliance." Journal of Modern History 31.1 (1959): 27–36.
  6. Burton, David Henry (1990). Cecil Spring Rice: A Diplomat's Life. Page 100: Fairleigh Dickinson Univ Press. ISBN 978-0-8386-3395-3
  7. J.D. Harcreaves, "The Anglo-Japanese Alliance" History Today (April 1952) 2#4 pp. 252–258.
  8. Robert Joseph Gowen, "British Legerdemain na Conferência Imperial de 1911: The Dominions, Defense Planning, and the Renewal of the Anglo-Japanese Alliance." Journal of Modern History 52.3 (1980): 385–413
  9. Sydney Morning Herald, 13 de fevereiro de 1902.
  10. 1916 newspaper casualty lists, Toronto Public Library.
  11. «Japanese lieutenant's son visits war dead at Kalkara cemetery». Times of Malta (em inglês). Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  12. "After some delay, and a failure to attend an earlier meeting, the Japanese local commander, Rear Admiral Jisaku Uzumi, came aboard HMS Nelson on the evening of 2 September, wearing the DSC he had earned as Britain's ally in the 1914–18 war, and surrendered the garrison. He fainted and was rushed to hospital; the military policemen who carried him there took his sword as a souvenir." Bayly & Harper, page 49
  13. Texto da indicação na série do tratado da Liga das Nações , vol. 1, pág. 24
  14. Vinson, J. C. "The Imperial Conference of 1921 and the Anglo-Japanese alliance." Pacific Historical Review 31, no. 3 (1962): 258
  15. Vinson, J. C. "The Imperial Conference of 1921 and the Anglo-Japanese alliance," 258.
  16. Brebner, J. B. "Canada, The Anglo-Japanese Alliance and the Washington Conference." Political Science Quarterly 50, no. 1 (1935): 52
  17. Vinson, J. C. "The Imperial Conference of 1921 and the Anglo-Japanese alliance." Pacific Historical Review 31, no. 3 (1962): 257
  18. Spinks, Charles N. "The Termination of the Anglo-Japanese Alliance." Pacific Historical Review 6, no. 4 (1937): 324
  19. Spinks, Charles N. "The Termination of the Anglo-Japanese Alliance." Pacific Historical Review 6, no. 4 (1937): 326.
  20. Nish, Ian H. Alliance in Decline: A Study in Anglo-Japanese Relations 1908–23. (London: The Athlone Press, 1972), 337.
  21. Kennedy, Malcolm D. The Estrangement of Great Britain and Japan. (Los Angeles: University of California Press, 1969), 54
  22. a b Nish, Ian H. Alliance in Decline, 381
  23. Nish, Ian H. Alliance in Decline, 354
  24. Nish, Ian H. Alliance in Decline, 38
  25. Nish, Ian H. Alliance in Decline, 383
  26. Spinks, Charles N. "The Termination of the Anglo-Japanese Alliance." Pacific Historical Review 6, no. 4 (1937): 337
  27. Kennedy, Malcolm D. The Estrangement of Great Britain and Japan. (Los Angeles: University of California Press, 1969), 56

Leitura Adicional[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.