Efeito de ambiguidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O efeito de ambiguidade (RO 1971: ambigüidade)  é um viés cognitivo onde a tomada de decisão é afectada pela falta de informação, ou "ambiguidade". O efeito implica que as pessoas tendem a seleccionar opções em que a probabilidade de um desfecho favorável é conhecido, em vez de seleccionarem opções em que a probabilidade de desfecho favorável é desconhecido. Uma probabilidade desconhecida pode aumentar o senso de desconforto para além da baixa probabilidade matemática.

O efeito foi descrito pela primeira vez por Daniel Ellsberg em 1961.

Exemplo Matemáticos[editar | editar código-fonte]

Considere dois baldes contendo cada um 100 bolas. O balde A contem 50 bolas brancas e 50 bolas pretas, o balde B contem uma combinação desconhecida de bolas brancas e pretas. Sabendo que você ganhará $100 se sortear de um balde uma bola branca, qual balde você escolheria?

Apesar da probabilidade de um resultado favoravel ser igual, as pessoas tem uma tendência a escolher a opção A, onde a probabilidade de selecionar uma bola premiada é percebida como mais certa. A incerteza do número de bolas faz com que a opção B tenda a ser vista como menos favoravel, ignorando o fato de que nesta opção é possivel haver muito mais bolas brancas do que pretas. As pessoas tendem a não querer correr o risco oposto de que possa igualmente haver poucas bolas brancas. A ambiquidade da opção B faz com que as pessoas prefiram a opção A, ainda que a probabilidade seja a mesma.

Para entender isso é necessário considerar a consequência de que todas as combinações de bolas do balde B são igualmente possíveis. Ou seja, que a probabilidade do balde B conter (50 - n) bolas brancas é idêntica a probabilidade de conter (50 + n) bolas pretas. (onde n é qualquer número entre 0 e 50).

Se não está claro, pense em termos de números naturais. Por exemplo, a probabilidade de que o balde contenha 49 bolas brancas (e 51 bolas pretas) é identica a probabilidade de conter 51 bolas brancas (e 49 bolas pretas). A probabilidade de 48 bolas brancas ( e 52 bolas pretas) é a mesma de 52 bolas brancas ( e 48 bolas pretas), e assim por diante. Isso significa que as chances de cada combinação cancela sua combinação oposta, deixando a probabilidade identica a do balde A, ou seja, de 50 em 100 ou 1 em cada 2.

Exemplos Cotidianos[editar | editar código-fonte]

  • Uma pessoa levada pelo Efeito da Ambiguidade pode saber que existe uma chance moderada de ganhar um concurso de canto em seu bairro, pois conhece seus concorrentes. Ainda que haja concursos em outros bairros, por desconhecer os competidores ele prefere apenas entrar na competição local.
  • Outro exemplo é a maneira como as pessoas investem seu dinheiro. Um investidor com aversão a risco tende a colocar seu dinheiro em investimentos "seguros" como títulos do governo e poupança em oposição a investimentos voláteis como ações e fundos de investimento. Mesmo que o mercado de ações tenda a prover retornos significativamente maiores no longo prazo os investidores tendem a preferir os investimentos "seguros" em que o retorno é conhecido em detrimento do mercado de ações onde o retorno é desconhecido.
  • Alunos escolhendo entre que aulas assistir tenderão a escolher as aulas de um professor avaliado como mediano do que as aulas de um professor novo a respeito de quem nada se sabe.
  • No trabalho, o Efeito de Ambiguidade explica porque as pessoas são relutantes em trocar de emprego ou mudar os procedimentos em suas tarefas habituais. Da mesma forma explica a tendência dos empregadores de contratar pessoas com quem já se trabalhou ainda que não tenham provado ser acima da média.

Explicações[editar | editar código-fonte]

É humano evitar o conhecimento ambíguo, ou seja, assumir que algo é conhecido quando não o é. Quando apresentadas a uma grande quantidade de variáveis confusas, as pessoas ainda tenderam a reivindicar conhecer o desconhecido. Isso produz dissonância cognitiva que faz com que as pessoas tendam a saciar sua necessidade de certezas.

Outra possível explicação para este efeito é que as pessoas possuem o atalho mental (heurística) de evitar opções onde faltem informações. Isso as faz buscar a informação em falta. Em muitos casos, no entando, a informação não pode ser obtida. O efeito frequentemente ocorre ao trazermos a atenção de quem faz uma escolha que alguma informação está faltando em uma das opções.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Baron, J. (2000). Thinking and deciding (3d ed.). New York: Cambridge University Press.
  • Ellsberg, D. (1961). Risk, ambiguity, and the Savage axioms. Quarterly Journal of Economics, 75, 643–699.
  • Frisch, D., & Baron, J. (1988). Ambiguity and rationality. Journal of Behavioral Decision Making, 1, 149-157.
  • Ritov, I., & Baron, J. (1990). Reluctance to vaccinate: omission bias and ambiguity. Journal of Behavioral Decision Making, 3, 263-277.
  • Wilkinson, D.J. (2006). The Ambiguity Advantage: what great leaders are great at. London: Palgrave Macmillian.