Eloy Fritsch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eloy Fritsch
Fritsch1999.jpg
Eloy Fritsch, 1999.
Informação geral
Nome completo Eloy Fernando Fritsch
Nascimento 1968
Origem Rio Grande do Sul
País  Brasil
Gênero(s) Música eletrônica, New Age, Rock progressivo, Experimental, Instrumental, Trilha Sonora
Instrumento(s) Minimoog
Teclado
Órgão Hammond
Percussão
Sintetizador
Vocoder
Piano
Sampler
Voz
Computador
Período em atividade 1983 - presente
Gravadora(s) Musea/Dreaming, Rock Symphony, Atração
Página oficial www.ef.mus.br

Eloy Fernando Fritsch (1968 - ) compositor brasileiro de música eletrônica e tecladista de rock progressivo do grupo Apocalypse. Em seu projeto de música eletrônica instrumental, Fritsch compõe new age, space music e progressivo eletrônico com influências de Vangelis, Jean-Michel Jarre, Tomita e Rick Wakeman.[1] Utilizando um grande arsenal de sintetizadores, incluindo o minimoog e o modular Roland System-700 Laboratory, o compositor lançou 10 álbuns e participou de 10 coletâneas, sendo 6 internacionais. A música é melódica, majestosa, épica, formada por texturas orquestrais criadas por sintetizadores, vocoder, vozes, seqüências eletrônicas e percussão. Uma música cósmica e de grande elevação espiritual.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

1980[editar | editar código-fonte]

Aos 13 anos começou a trabalhar na maior rádio local com seu pai Eloy Fritsch. Trabalhando na discoteca da rádio tomou contato com diversos estilos musicais. Decidiu estudar música e criar uma banda com seus colegas de colégio. Em 1983 o Apocalypse estava formado e apresentava-se em toda a região da serra gaúcha. Fritsch estudava piano e tocava nos ensaios do Apocalypse com o órgão do colégio até que comprou seu primeiro sintetizador, o Korg MS-10. Com este sintetizador analógico e outros intrumentos locados realizou, em 1984, seus primeiros estudos de música eletrônica.[2] Fritsch estuda piano, cello, violão, participa do coral e da orquestra de sua cidade natal Caxias do Sul, mas seu maior interesse estava voltado para a computer music e o seu grupo de rock progressivo. Após conquistar importantes prêmios em festivais regionais, o grupo Apocalypse participa de uma coletânea em 1989. Fritsch grava com seu grupo em 1990 o LP chamado APOCALYPSE e realiza diversas apresentações musicais.[1]

1990[editar | editar código-fonte]

Em 1993 Fritsch adquiriu um computador Atari ST 1040 que utiliza para realizar seu mestrado e compor o primeiro álbum chamado Dreams, lançado em 1996. A música foi influenciada por filmes de ficção científica e a paixão de Fritsch pelo espaço é perfeitamente identificada em sua música. O sentimento do compositor em relação à possibilidade de não estarmos sós no Universo, o fato de não compreendermos nossa existência, o nosso pouco conhecimento sobre o magnífico Cosmos e as surpresas que nos aguardam no futuro, é transformado em música. Todo esse sentimento aliado aos recursos tecnológicos de seqüenciadores e teclados motivaram ainda mais à realização de suas primeiras composições com sintetizadores.[1]

Após a gravação dos álbuns de rock progressivo Perto do Amanhecer (1995) e Aurora dos Sonhos (1996) com o Apocalypse, Fritsch cria seu próprio estúdio de composição com vários sintetizadores e assina contrato com a gravadora Atração de São Paulo para o lançamento de seu álbum Behind the Walls of Imagination.[3][4]

Com a boa recepção dos álbuns progressivos do Apocalypse na Europa, Eloy Fritsch assinou contrato com a gravadora MUSEA, da França, para lançar o álbum SPACE MUSIC, pela DREAMING - divisão de música eletrônica.[1][5]

Após concluir seu doutorado com a tese na área da Computer Music, assumiu como professor de música eletrônica na universidade e inicia a construção do CME - Centro de Música Eletrônica do Instituto de Artes da UFRGS.[1]

2000[editar | editar código-fonte]

Paralelo a sua atividade acadêmica Fritsch continua seus projetos artísticos com o Apocalypse tocando no Planeta Atlântida e viajando para o Rio de Janeiro para tocar no Rio Art Rock Festival e para os USA para tocar no Festival ProgDay1999.[6] Em 2001 lança o álbum Mythology : inspirado nas lendas mitológicas dos vários povos da Terra. As imagens e o design gráfico foram criados pela artista plástica U. Barreto. Destaque para as músicas Shiva e Atlantis que foram selecionadas para fazer parte das coletâneas holandesas de música eletrônica, E-dition # 13, E-dition # 14, respectivamente.[1][2]

Em 2002, Fritsch compôs as suítes eletrônicas do álbum Atmosphere. O álbum conceitual foi feito em defesa da atmosfera do planeta Terra. Por isso várias imagens fascinantes, de formações gasosas, fazem parte da capa e encarte. Os climas e temas retratam as camadas atmosféricas do nosso planeta, tipos de nuvens e a aurora boreal.[7] Atmosphere é disco que une a música sinfônica e eletrônica, simulando coral e orquestra através de samples e sintetizadores. O álbum foi lançado em 2003 e a composição Ionosphere foi selecionada para a coletânea espanhola Margen - Music from the Edge Vol. 6 .[8][9]

Neste mesmo ano, Fritsch finaliza as instalações do Centro de Música Eletrônica (CME) da UFRGS e realiza a inauguração. O CME disponibiliza três laboratórios de música eletroacústica com os mais avançados recursos para composição por computador. Fritsch inicia, com sua equipe de pesquisa e extensão, uma série de concertos de música acusmática com a orquestra de alto-falantes da UFRGS, apresentando-se composições em diferentes teatros e auditórios da universidade.

Em 2003, Fritsch finaliza as gravações do álbum Landscapes que acaba sendo lançado somente em 2005. Com temas mais curtos e influenciados pelo progressivo, Fritsch apresenta quase que um retorno ao CD Behind the Walls of Imagination. Alexandre Bandeira, que já havia participado da produção do álbum de 1997, novamente é escolhido para fazer a capa e os encartes. A arte magnífica retrata as paisagens imaginárias da música de Fritsch. A faixa Andromeda torna-se o destaque desse disco sendo escolhida para duas coletâneas: a argentina Compact Mellotron 34 e holandesa Edition #15. Posteriormente, uma versão reduzida da música Andromeda é lançada em videoclipe.[10]

Em 2006, Fritsch lança pela DREAMING (divisão de música eletrônica da gravadora francesa MUSEA), Past and Future Sounds (1996 – 2006). Uma coletânea comemorativa aos 10 anos do projeto de composição de música instrumental eletrônica. O álbum contém músicas dos sete CDs e mais quatro composições realizadas em 2005. A Suite The Garden of Emotions torna-se um dos destaques do CD sendo selecionada para duas coletâneas: a brasileira Brasil Instrumental 2006 e holandesa Edition #5.[1]

Fritsch é autor do Livro e DVD Música Eletrônica - Uma Introdução Ilustrada lançado pela Editora da UFRGS recebendo o Prêmio Açorianos de Música 2008. O compositor gaúcho compôs trilhas para televisão, rádio, teatro e instalações. Suas composições são utilizadas em documentários e aberturas de programas na televisão.[1][11]

Com a banda Apocalypse foi escolhido melhor tecladista do festival Proday99 nos USA, melhor instrumentista do Festpop, tendo gravado 12 álbuns e 3 DVDs. Com o Apocalypse também abriu os shows do Uriah Heep no Rio de Janeiro e do Yes em Porto Alegre, e recebeu a Menção Especial do Prêmio Açorianos de Música pelos 25 anos de carreira do Apocalypse.[1] Em 2012 lançou o décimo CD da carreira intitulado Exogenesis contendo a suite eletrônica Exogenesis em 4 movimentos inspirados na gênese do Universo. Unindo o sinfônico e o eletrônico, mas sem esquecer os instrumentos étnicos, o compositor de música New Age utiliza a alta tecnologia a serviço das emoções.[1]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com o Apocalypse[editar | editar código-fonte]

  • Apocalypse (1991 ACIT / Brasil)
  • Perto do Amanhecer (1995/ Musea / França)
  • Aurora dos Sonhos (1996 / Musea / França))
  • Lendas Encantadas (1997 / Musea / França)
  • The Best of Apocalypse (1998, Atração / Brasil)
  • Perto do Amanhecer (2000, relançamento / Rock Symphony / Brasil)
  • Live in USA (2001, duplo ao vivo, Rock Symphony / Brasil)
  • Refugio (2003/ Musea / Rock Symphony / Musea / França)
  • Magic (2004, EP, download free from their web site)
  • Live in Rio (2007 / Rock Symphony / Musea / Brasil / França )
  • DVD Live in Rio (2007 / Rock Symphony / Musea / Brasil / França )
  • The Bridge of Light (2008 / Free Mind / Musea / Brasil / França )
  • Magic Spells (2010 / Finaciarte)
  • DVD The Apocalypse 25th Anniversary Concert (2011 / Finaciarte)
  • 2012 Light Years from Home (2011 / Financiarte)
  • DVD The Bridge of Light (2013 / Musea / França)

Projeto de música eletrônica instrumental[editar | editar código-fonte]

  • Dreams (1996 / Brasil)
  • Behind the Walls of Imagination (1997 / Atração / Brasil)
  • Space Music (1999 / Musea / França)
  • Cyberspace (2000 / Rock Symphony / Brasil)
  • Mythology (2001 / Rock Symphony / Musea / Brasil / França)
  • Atmosphere - Electronic Suite (2003 / Rock Symphony / Musea Brasil / França)
  • Landscapes (2005 / Rock Symphony / Musea / Brasil / França)
  • Past and Future Sounds - 1996-2006 (2006 / Musea / Dreaming / França)
  • The Garden of Emotions (2009 / Musea / Sonhos e Sons / França / Brasil)
  • Exogenesis (2012 / Musea / Dreaming / França)
  • Spiritual Energy (2014 / Musea / Parallele / França)
  • Sailing to the Edge (2017 / Brasil)

Participações em coletâneas[editar | editar código-fonte]

Nacionais[editar | editar código-fonte]

  • Planeta Nova Era Vol. 7 (1997) Track: Lake of Peace Movement 1 and 2
  • Planeta Nova Era Vol. 13 (1999) Track: Cosmic Winds
  • Planeta Nova Era Vol. 14 (1999) Track: Starlight
  • Brasil Instrumental 2006 (2006) Track: The Garden of Emotions Suite
  • Coletânea Brasileira de Música Eletroacústica (2009) Track: The Garden of Emotions Suite

Internacionais[editar | editar código-fonte]

  • Margen - Music from the Edge Vol. 6 (2002 / Espanha)- Track: Ionosphere
  • Edition #5 (2005 / Holanda) Track: The Garden of Emotions Suite
  • Compact Mellotron 34 (2006 / Argentina) Track: Andromeda
  • Edition #13 (2006 / Holanda) Track: Shiva
  • Edition #14 (2006 / Holanda) Track: Atlantis
  • Edition #15 (2006 / Holanda) Track: Andromeda
  • Schwingungen Radio auf CD - Edition Nr.210 11/12. (2012) Track: Moonwalk

Livro e DVD[editar | editar código-fonte]

  • Música Eletrônica - Uma Introdução Ilustrada, Editora da UFRGS, 2008.

Títulos, premiações, honrarias e troféus[editar | editar código-fonte]

  • 2012 - Menção Especial - Prêmio Açorianos de Música - Prefeitura de Porto Alegre
  • 2009 - Troféu Vasco Prado - Universidade de Passo Fundo
  • 2008 - Menção Especial - Prêmio Açorianos de Música - Prefeitura de Porto Alegre
  • 1995 - Menção Honrosa - Universidade Luterana do Brasil
  • 1989 - Melhor composição - Festpop
  • 1989 - Melhor Instrumentista - Festpop
  • 1989 - Melhor performance e melhor composição - Circuito de Rock
  • 1978 - Menção Honrosa - Colégio Nossa Senhora do Carmo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Eloy Fritsch, Official Web Site. Retrieved 5 June 2008 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "official" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  2. a b Scaruffi, Piero (1999). «Eloy Fritsch Biography». Encyclopedia of New Music. Consultado em 11 de junho de 2008 
  3. Cesar Lanzarini. «Behind the Walls of Imagination (review)». AllMusic. Consultado em 24 de setembro de 2011 
  4. Cesar Lanzarini. «Perto do Amanhecer (review)». AllMusic. Consultado em 12 de setembro de 2011 
  5. «Workspace: Eloy Fritsch». Keyboard Magazine: 168. Janeiro de 2001 
  6. Tomasi, Eliton. The Apocalypse Hystory. Editora Evangraf, Porto Alegre, 2011.
  7. (in Portuguese) Costa, Thiago. Cover Teclado. Eloy Fritsch: Progressivo Brasileiro. Interview with Eloy Fritsch. p. February, 2001. p. 22-25.
  8. (in Spanish) Muradás, Manuel Lemos. New Sounds Digital. Interview with Eloy Fritsch. Retrieved 3-6-2001.
  9. «Eloy Fritsch». Discogs. Consultado em 12 de setembro de 2011 
  10. (in Portuguese) Teclado e Audio Magazine. A Síntese de um Artista. Interview with Eloy Fritsch. p. 20-22. June 2005.
  11. Purgachov, Artemy. «F». Encyclopedia of Electronic Music. Consultado em 1 de setembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]