Emilio La Rovere

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Emilio Lèbre La Rovere é um cientista e professor brasileiro.

Filho de Ruggiero La Rovere e de Regina Lèbre, nasceu no Rio de Janeiro. Tem os irmãos Henriette e Renata. Casado com Ana Lucia, tem os filhos Luciana, Roberta e Marcello. Formado em Engenharia Elétrica, de Sistemas e Industrial pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1975), e em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1976), fez mestrado em Engenharia de Sistemas e Computação no Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe) da UFRJ (1977) e doutorado em Técnicas Econômicas, Previsão, Prospectiva na École des Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris (1980), quando começou a voltar suas atenções para a área do meio ambiente.[1]

Chefiou a Divisão de Infraestrutura Energética da Financiadora de Estudos e Projetos, trabalhando nos primeiros projetos de financiamento de energia limpa. Desde 1988 leciona no Coppe, onde atualmente é Professor Titular. Foi o primeiro coordenador do Mestrado e Doutorado em Engenharia Ambiental, coordenou o Programa de Planejamento Energético, criou e desde 1997 coordena o Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente, e criou e desde 2000 coordena o Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas.[1]

Tem participado de comissões e organizações nacionais e internacionais de alto nível. A partir de 1992 passou a colaborar com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), participando da elaboração dos seus relatórios.[1] Foi um dos autores principais do capítulo 3 do volume sobre Mitigação do Aquecimento Global do 4º Relatório do IPCC (2007).[2] Foi um dos fundadores do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas,[1] onde é um dos coordenadores do Comitê Científico,[3] e foi um dos editores do volume sobre Mitigação do 1º Relatório do PBMC (2014).[4] Coordenou o estudo técnico que subsidiou a proposta brasileira na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015 em Paris.[5] Após a realização da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2016, foi o único brasileiro convidado a integrar uma comissão internacional de alto nível liderada por Joseph Stiglitz e Nicholas Stern para auxiliar na implementação do Acordo de Paris.[6] É membro do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas[7] e foi membro do Comitê Científico do Fórum Latino-Americano de Precificação de Carbono (2018).[8]

Tem grande bibliografia publicada[1] e é considerado uma das principais referências brasileiras em energia alternativa, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.[9] Recebeu o Prêmio Nobel da Paz (2007) junto com a equipe do IPCC,[1] o Diploma Honra ao Mérito Parceiro Ambiental (2012) da Prefeitura do Rio de Janeiro "pelos trabalhos em defesa do meio ambiente, pela contribuição para a melhoria da qualidade dos recursos naturais da Cidade do Rio de Janeiro e seu desenvolvimento sustentável",[10] e o Prêmio Coppe Mérito Acadêmico Giulio Massarani (2016).[1]

Referências

  1. a b c d e f g "Emilio La Rovere: pioneirismo na área ambiental". Planeta Coppe Notícias, 03/11/2016
  2. IPCC. Climate Change 2007 - Mitigation of Climate Change: Working Group III, 2007, p. 169
  3. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Comitê Científico.
  4. Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. Mitigação das mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 3 do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas [Bustamante, M. M. C., Rovere E. L. L, (eds.)]. COPPE, 2014
  5. Gandra, Alana. "Especialistas dizem que proposta brasileira na COP21 pode ser mais audaciosa". Eco Desenvolvimento, 25/08/2015
  6. Gandra, Alana. "Comissão internacional sugere taxação de carbono para mitigar efeito estufa". Agência Brasil, 30/05/2017
  7. Caldeira, João Paulo. "Redução de emissões de poluentes beneficiaria PIB brasileiro". Jornal GGN, 15/10/2015
  8. Fórum Latino-Americano de Precificação de Carbono.
  9. "Emilio La Rovere do IPCC é convidado do Encontros com a Pesquisa". Museu do Meio Ambiente, 21/02/2013
  10. "Prêmio Parceiro do Meio Ambiente". Projeto Pão de Açúcar Verde, 09/03/2012